quinta-feira, 16 de novembro de 2017

A AMEAÇA RANSOMWARE

A CHI DAI IL DITO SI PRENDE ANCHE IL BRACCIO 

Conforme eu já mencionei em outras oportunidades, o ransomware parece se ter tornado a praga da década. Felizmente, as velhas e batidas dicas de segurança ― como não abrir anexos de email nem clicar em links suspeitos sem antes verificar a procedência da mensagem, atualizar regularmente o Windows e os demais aplicativos, instalar e manter up-to-date um arsenal de segurança responsável etc. ― continuam valendo e produzindo bons resultados, embora ainda não exista uma ferramenta totalmente idiot-proof , ou seja, capaz de proteger o usuário dele próprio.

Feita essa ressalva, passemos a algumas dicas práticas e funcionais contra o ransomware, que eu extraí de um “guia” publicado pelo site Fat Security se o seu inglês não estiver enferrujado, vale a pena ler a matéria completa.

Faça backups de seus arquivos importantes (isso, mesmo, no plural, pois quem tem dois tem um, e quem tem um não tem nenhum), atualize-os regularmente e salve as cópias em outra partição do HD, drives de HD externos, pendrives, ou mesmo em CD/DVD, caso seu computador disponha de um gravador de mídia óptica.

Mantenha o sistema operacional e demais aplicativos devidamente atualizados e instale um programa antivírus de qualidade, que inclua proteção de rede. Se seus arquivos forem sequestrados, não se desespere nem aja por impulso: existem diversas ferramentas de decodificação gratuitas disponíveis online, e é possível que alguma delas o ajude a restabelecer o acessa a seus arquivos criptografados. Os grandes fabricantes de ferramentas de criptografia atualizam seus produtos com a mesma frequência que os bandidos desfecham seus ataques.

Por mais importantes que sejam os arquivos, resista à tentação de pagar o resgate. Como eu disse no post anterior, nada garante que os cibercriminosos cumprirão sua parte no acordo, sem falar que sujeitar-se a chantagistas é meio caminho andado no sentido de vir a ser chantageado outras vezes.

A tecnologia antivírus da Avast bloqueia mais de 1 bilhão de ataques de malware cada mês. Mesmo que um ransomware tente burlar as camadas de segurança, um módulo baseado no comportamento escaneia todos os programas em execução para identificar qualquer movimento suspeito. Se um arquivo se comportar de maneira anormal, ele será prontamente enviado para a quarentena, onde ficará inerte até que o usuário o libere ou exclua. Além disso, os produtos da Avast disponibilizam uma proteção que impede a encriptação não autorizada dos arquivos importantes, como você pode conferir no site da empresa.

Amanhã retomamos a sequência sobre o HDD. Até lá.

Visite minhas comunidades na Rede .Link:
Postar um comentário