sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

AINDA SOBRE SMARTPHONES

QUANDO IL GATTO MANCA, I TOPI BALLANO. 

Se Papai Noel não lhe trouxer um iPhone X, não se aborreça; o motivo certamente não é pessoal.

O problema é que R$ 8 mil não dão em árvores. Nem mesmo em árvores de Natal. E você estará bem servido com um iPhone 8 da versão mais em conta, que dispõe de memória interna de 64 GB e custa em torno de R$ 4 mil ― em números redondos, a metade do modelo X de topo de linha. 

Além disso, como sempre acontece quando um novo modelo de um produto chega ao mercado, suas versões anteriores passam a ser vendidas a preços um pouco mais palatáveis. Então, se você não se incomoda em encarar um ano de fidelidade e em pagar uma fatura mensal salgada pelo pacote de serviços, não deixe de consultar as promoções das operadoras. Visando conquistar ou “fidelizar” clientes, elas oferecem aparelhos de marcas e configurações aceitáveis a preços muito inferiores aos praticados na rede credenciada dos fabricantes, lojas de eletroeletrônicos, hipermercados e grandes magazines.

Oficialmente, a Apple cobra escandalosos R$ 6.999 pela mais recente versão do iPhone de 64 GB, e R$ 7.799 reais pelo modelo de 256 GB. Dependendo da operadora e do plano escolhido, o preço tende a ser bem menor. Mas será que você precisa mesmo de tela infinita e com resolução de primeiríssimo mundo, de sensor biométrico (Face ID), de câmeras repletas de papagaiadas outros que tais, que encarecem significativamente o aparelho, mas não fazem muita falta para a esmagadora maioria dos usuários comuns?

Quem valoriza o status que um iPhone de ultimíssima geração concede (além de fazer crescer o olho da bandidagem), vale lembrar que, nos EUA, é possível comprar uma belezinha dessas por cerca de US$ 1 mil. E como todo mundo sempre tem um parente, amigo ou amigo de um amigo que viaja para o exterior nas férias de fim de ano...

Outro ponto que vale a pena destacar: A fatia abocanhada pelo iOS nos EUA caiu de 40,6% em 2016 para 32,9% em 2017, enquanto o sistema Android cresceu de 58% para 66,2%. E a mesma tendência se observa no Japão, Reino Unido e Alemanha (no Brasil, a Apple domina 11% do mercado de smartphones). Isso porque, além do preço proibitivo, o iPhone enfrenta uma competição acirrada. 

Segundo relatório da publicação americana Consumer Reports, o Galaxy S8, da Samsung ― lançado no início deste ano para brigar com o iPhone 8 ―, vem sendo uma opção para muitos consumidores, não só pelos recursos avançados, mas também porque custa metade do preço do concorrente. Pense nisso.

Visite minhas comunidades na Rede .Link:
Postar um comentário