terça-feira, 2 de setembro de 2014

PROGRAMINHAS POTENCIALMENTE INDESEJÁVEIS (PUPs) - conclusão.

OS HOMENS MENTIRIAM MENOS SE AS MULHERES FIZESSEM MENOS PERGUNTAS.

Se você acompanhou as postagens anteriores, talvez lhe pareça que a única maneira de não ser pego no contrapé pelos PUPs é deixar de baixar aplicativos da Web, não é mesmo? No entanto, além de muito radical, essa opção não oferece 100% de segurança, pois há outras formas de ter o sistema contaminado por essas pragas.

Observação: Alguns sites exibem banners ou caixas de diálogo vazias ou com uma mensagem qualquer e disparam o instalador do código malicioso quando o internauta  clica em FECHAR ou CANCELAR, por exemplo. Nesses casos, o melhor é pressionar a tecla ESC, e, se não funcionar, encerrar e reabrir o navegador.

Deixar de usar a Internet talvez resolvesse de vez o problema, mas ter um computador desconectado, em pleno século XXI, seria o mesmo que fazer como o amiguinho da imagem que ilustra esta matéria – se a ideia é somente tomar um ventinho no jardim, sai bem mais barato comprar uma rede.
Dentre outras importantes funções, compete ao sistema operacional servir como base para os aplicativos que utilizamos no dia a dia – e não oferecê-los de per si. E embora possamos contar com uma infinidade de programinhas gratuitos que pouco ou nada ficam devendo às opções comerciais, seus fabricantes visam ao lucro: ainda que o FREEWARE não preveja o pagamento de uma licença, pode estar certo de que você será cobrado de alguma outra forma. E talvez a mais em conta delas seja abrir sua privacidade para que as empresas de marketing digital possam lhe bombardear com anúncios de produtos supostamente compatíveis com o seu perfil.
A questão é que o número de freewares que instalam códigos de terceiros sub-repticiamente só faz aumentar. É certo que essa prática serve para melhorar o lucro dos desenvolvedores, mas é igualmente certo que ela é no mínimo imoral, pois busca ludibriar o usuário ocultando informações de instalação e/ou oferecendo caixas de diálogo já marcadas (veja figura à direita). Assim, o incauto clica em SIM, ACEITO, SUBMIT, YES etc. e em seguida repara que seu browser ganhou novos elementos.


Observação: V9.com e o ASK são campeões em adicionar barras de ferramentas e outras extensões ao navegador, além de modificar tanto a página inicial quanto o mecanismo de pesquisas. Para piorar, a remoção dá um baile em quem não conhece o caminho das pedras, pois de nada adianta restabelecer o status quo ante pelas vias convencionais – há casos em que só é possível defenestrá-los removendo completamente os aplicativos que os introduziram, ou mesmo o próprio navegador (para saber mais, clique aqui).

Como dizia meu finado avô, prevenir acidentes é dever de todos. Instalar somente softwares comerciais (pagos) ajudaria um bocado, mas veja quantos freewares você utiliza no dia a dia e calcule quanto custaria pagar as respectivas licenças para fazer o upgrade. Desanimador, não é mesmo? Então, vejamos alguns paliativos úteis:

Seja seletivo ao baixar e instalar aplicativos. Mesmo sendo possível remover os que forem desnecessários, o processo costuma deixar resíduos que, com o passar do tempo, podem acabar comprometendo o desempenho do computador (para saber mais, clique aqui).

Procure baixar os freewares a partir dos websites de seus respectivos desenvolvedores, de grandes portais (como UOL, TERRA, GLOBO, etc.) e de páginas de downloads confiáveis, como o SUPERDOWNLOADS, o DOWNLOAD.COM, o TUCOWS, o FILEHIPPO, o GIZMO'S etc.

Em vez de clicar em ABRIR, salve os arquivos de instalação no Desktop (ou em outro diretório de sua preferência), dê um clique direito sobre o ícone respectivo e escolha a opção Scan with ou Escanear com, seguida do nome do seu antivírus. Na dúvida, obtenha uma segunda opinião com um antivírus online (HouseCallActiveScanKasperskyF-Secure ou BitDefender, por exemplo) ou submeta o dito cujo ao site do VirusTotal, que fará uma análise com 55 antivírus diferentes.

O fato de o arquivo ser aprovado pelos antivírus não significa que ele não contenha outros programinhas além daquele que seria de se esperar. Procure mais informações na EULA (ou recorra ao EULALYZER, que analisa rapidamente os contratos e apresenta uma resenha do conteúdo potencialmente perigoso).

O NINITE e o UNCHECKY também podem salvar sua pele. O primeiro é um serviço baseado na Web e, portanto, dispensa instalação. Basta acessar o site, marcar as caixas correspondentes aos programas desejados e clicar em Get Installer para baixar os respectivos instaladores livres de penduricalhos indesejáveis. Já o segundo previne as instalações casadas desmarcando as caixas respectivas – evitando também que você pule acidentalmente alguma delas. Caso o instalador tente embutir de forma dissimulada quaisquer códigos potencialmente indesejáveis, você será avisado, evitando com isso que os aceite por engano.

Para encerrar, vejam isso: www.facebook.com/video/embed?video_id=200401100109884.

Um ótimo dia a todos e até mais ler. 
Postar um comentário