terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

LULA, O PACIFICADOR DE ARAQUE


O anúncio oficial da demissão de Gustavo Bebianno demorou mas chegou. No início da noite de ontem, num briefing marcado inicialmente para as 17 horas, mas adiado por duas vezes, o porta-voz da Presidência comunicou oficialmente o desligamento do ministro, com os agradecimentos de praxe por sua dedicação à frente da pasta e votos de sucesso na nova jornada Perguntado sobre o motivo da demissão, Rêgo Barros respondeu que a decisão do Presidente se deveu a “razões de foro íntimo”, e confirmou a informação de que o substituto será o general da reserva do Exército Floriano Peixoto Neto — o oitavo militar a se tornar ministro deste governo. Em tese, a demissão de Bebianno encerra a crise. Na prática, porém, a teoria costuma ser outra. Demais disso, ninguém está conseguindo prejudicar mais o trabalho do governo do que os três filhos do presidente. Para além das intenções de cada um, o que eles vêm fazendo está sabotando o país. Ou Bolsonaro os cala, ou vira um banana completo. Volto a esse assunto na próxima postagem.

Nada como olhar com cuidado cada uma das partes de alguma coisa para se ter uma ideia mais exata do todo. A máquina pública brasileira, como revelam quase todos os dias fatos trazidos à luz do sol, transformou-se durante os treze anos e meio dos governos de Lula e de Dilma no maior pesqueiro privado do mundo para o desfrute de ladrões do erário — era chegar na beira da água, jogar o anzol e sair com uma refinaria para a Petrobras, uma hidroelétrica no Xingu ou mesmo um Trem-Bala, se você fosse uma empreiteira de obras amiga íntima do presidente da República como as Odebrecht, as OAS, as Andrade Gutierrez.

Também podiam rolar duas dúzias de ambulâncias, lanchas para o Ministério da Pesca ou o patrocínio de um show de axé no interior do Nordeste. Roubaram sangue humano dos hospitais, leite das crianças nas escolas e sondas para encontrar petróleo no fundo do mar. Houve quadrilhas operando à toda na venda de livros didáticos para o Ministério da Educação, na entrega de recursos da “reforma agrária” para mais de 30.000 mortos (sem contar 1.000 políticos eleitos), ou na compra, com dinheiro dos fundos de pensão das estatais, de ações de empresas falidas. Pense, em resumo, numa insânia jamais cometida na história mundial da corrupção; haverá precedentes nos governos Lula-Dilma.

Muita gente não tem mais paciência, nem tempo, para ficar olhando de perto cada episódio da roubalheira desesperada dos três governos e meio do PT. Muito justo, até porque a tarefa seria impossível. Mas de tempos em tempos vale a pena ver de novo — ou, mais exatamente, vale a pena separar alguma ladroagem especialmente depravada de todas as milhares que o cardápio Lula-Dilma oferece, e fazer uma espécie de análise clínica mais demorada da patologia que existe ali dentro. Ajuda, como dito no começo, para o melhor entendimento do todo.

A esquerda, no comando do arrastão mental que se pratica todo dia no Brasil, tenta passar ao público a alucinação de que o conjunto completo da corrupção no país se resume, no fundo, às sentenças que condenaram Lula (25 anos de cadeia no lombo, pela última conta) por recebimento de propina e lavagem de dinheiro. Como, no seu entender, “não há provas definitivas” da culpa do ex-presidente, não há, realmente, corrupção alguma. Aí dá curto circuito. Quando você olha a rapina parte por parte, e faz a soma de tudo, tem certeza de que está vendo um avestruz. O PT diz que você está vendo uma galinha.

Considere, por exemplo, uma das últimas demonstrações de demência praticadas pelo governo com o seu dinheiro e trazida a público, ainda outro dia, pelo novo ministro da Saúde. Dá para fazer ideia, aí, de onde foram amarrar o nosso burro. Segundo o ministro, o Brasil gasta por ano 1,4 bilhão de reais para cuidar da saúde dos índios. Esqueça se é muito ou pouco; pode até ser uma miséria, e talvez o governo devesse gastar o dobro, ou o triplo, ou quanto quiserem, nesse serviço. O que realmente acaba com qualquer discussão é que 650 milhões desse 1,4 bilhão vão direto para as ONGs a quem as autoridades entregam a tarefa de cuidar da saúde indígena. Cereja do bolo: desses 650, quase 500 — isso mesmo, quase 500 — vão para uma única ONG. Que tal? Os outros 700 milhões da verba total são consumidos com as despesas para a existência material do próprio programa: aluguel de helicópteros e carros para transporte de pessoal, gasto com isso, gasto com aquilo.

Sabe-se muito bem, em suma, de onde o dinheiro sai: do seu bolso, a cada tostão de imposto que você paga. Sabe-se, também, para onde vai: para o bem estar dos 13.000 agentes das ONGs envolvidas no esquema. Sabe-se definitivamente, enfim, para onde essa montanha de dinheiro não vai: para os índios propriamente ditos. Seus índices de saúde são os piores de toda a população brasileira. Não recebem remédios. Não têm acesso regular a exames clínicos. As taxas de mortalidade infantil entre eles são três vezes superiores à média nacional.

Muito bem: multiplique agora essa calamidade por 1.000, ou por 10.000, ou sabe-se lá por quantas partes mais, e veja a dimensão delirante a que chegou o “todo” na transferência de recursos públicos para interesses privados neste país nos últimos anos. É a grande lição do manual de instruções que os governos petistas deixaram como herança. Invente uma “política pública” qualquer. Diga que ela é “social”. Pronto: é só correr para o abraço. Roubaram até remédio de índio, e exigem que o seu líder seja Prêmio Nobel da Paz. É onde estamos.

Com J.R. Guzzo.

USO EXCESSIVO DO HDD — COMO RESOLVER (CONTINUAÇÃO)


INQUIETA É A CABEÇA QUE CARREGA UMA COROA.

Lidas e compreendidas as considerações elencadas na postagem anterior e realizados os procedimentos sugeridos, faça o seguinte:

— Dê um clique direito num ponto vazio da Barra de Tarefas do Windows e clique em Gerenciador de Tarefas — vou seguir esta linha porque não é todo mundo que dispõe do Monitor de Desempenho do Advanced System Care (detalhes na postagem anterior).

— Aberta a janela do Gerenciador, clique na aba Processos e verifique a porcentagem que é exibida na parte superior da coluna referente ao drive de HD (Disco). Um valor superior a 40% indica que acesso excessivo ao seu disco.

Observação: Faça essa verificação quando o PC quando você não estiver executando nenhum aplicativo — aliás, se seu antivírus estiver realizando uma varredura em segundo plano, por exemplo, o percentual de acesso ao disco irá disparar, embora isso não constitua problema algum se ele baixar para algo próximo de 0% quando a varredura terminar.

Se a máquina estiver ociosa e ainda assim o percentual for elevado, identifique na lista dos processos os responsáveis pelo acesso exagerado ao disco. Se o vilão do história for o Windows Search (indexador de pesquisas do Windows), o que é bem provável, desabilite-o temporariamente e veja como a máquina se comporta. Se isso resolver o problema, desabilite-o definitivamente. Veja como:

Pressione simultaneamente as teclas Windows + R para convocar o menu Executar, digite services.msc e clique em OK.

 Na janela que se abre em seguida, localize o Windows Search, dê um clique direito sobre ele e clique em Parar.

 Clique em Propriedades e, em Tipo de inicialização, escolha a opção Desativado.

 Clique em Aplicar, feche a janela e reinicie o computador.

Quando o Windows tornar a carregar, abra o Explorador de Arquivos, selecione Este Computador, dê um clique direito sobre o ícone que representa a unidade em que o Windows está instalado (geralmente C:), clique em Propriedades e desmarque a caixa Permitir que os arquivos desta unidade tenham o conteúdo indexado junto com as propriedades do arquivo. Torne a reiniciar o computador e observe o resultado (se quiser voltar ao status quo ante, repita os mesmos passos e torne a marcar a caixa de verificação que você desmarcou).

É fato que o serviço de buscas do Windows evoluiu bastante desde sua implementação, mas também é fato que passou a consumir bem mais recursos do sistema, pois, para agilizar as pesquisas, ele cria um índice com as informações necessárias, o que é bom, mas seria melhor se isso não impactasse negativamente o desempenho global do computador nem reduzisse a vida útil das células de memória flash dos drives sólidos (SSDs). Note que desabilitar esse serviço não desativa a busca propriamente dita, ou seja, você continuará podendo realizar suas pesquisas normalmente, embora os resultados demorem um pouco mais para ser exibidos.

Outro serviço que costuma provocar lentidão devido ao acesso exagerado ao disco é o Superfetch, mas vamos deixar para tratar dele na próxima postagem, que a de hoje já está de bom tamanho. Até lá.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

LARANJADA NO PSL E CRISE NO PLANALTO

ATUALIZAÇÃO (16h45): O governo está em compasso de espera para o desfecho que Jair Bolsonaro dará ao imbróglio iniciado na semana passada, envolvendo o ainda ministro da Secretaria-Geral da Presidência. A expectativa é de que o impasse seja resolvido ainda hoje, e que o capítulo final seja transmitido daqui a alguns minutos, durante briefing do porta-voz da Presidência. A conferir.

O imbróglio envolvendo Flávio Bolsonaro e seu ex-assessor Fabrício Queiroz quase subiu rampa do Planalto quando zero um resolveu pleitear foro privilegiado junto ao STF. Mas o pedido foi negado pelo ministro Marco Aurélio, que de vez em quando dá uma dentro, e a investigação foi enviada de volta ao MP-RJ. Tanto o senador quanto seu ex-assessor negam ter participado ou tido conhecimento de irregularidades no caso, mas, curiosamente, nenhum dos dois anjinhos compareceu aos depoimentos agendados pelos procuradores.

Uma vez empossado Presidente, Jair Bolsonaro não pode ser investigado por fatos ocorridos anteriormente ao mandato, de modo que a parte que lhe toca nesse furdunço — e que se resume basicamente ao depósito feito por Queiroz na conta da hoje primeira-dama — vai ter de ficar para depois. Quanto a Flávio, o mínimo que se espera dele são explicações convincentes — que ele vem se recusando a dar, talvez com a esperança de que um fato novo o tire do foco da mídia. Se seu desejo for realmente esse, o senador pode se considerar atendido: uma nova crise eclodiu no governo assim que a Folha denunciou a ação de laranjas do PSL nas últimas eleições.

Durante o período eleitoral, Gustavo Bebianno era o presidente nacional do PSL e, portanto, o responsável pelo repasse de verbas aos candidatos. Diante da denúncia da Folha, ele disse em nota que não escolheu as candidatas que disputaram as eleições nos estados, pois isso era atribuição dos diretórios regionais. Mais adiante, em entrevista ao Globo, minimizou a crise afirmando ter conversado sobre o caso com o Presidente Jair Bolsonaro. Luciano Bivar, que sucedeu a Bebianno na presidência nacional do PSL, confirmou a versão do antecessor, e com isso a crise passaria ao largo do Palácio do Planalto se Carlos Bolsonaro não a puxasse rampa acima e depositasse no colo do papai.

Carluxo jamais simpatizou com Bebianno e sempre teve ciúmes de sua influência sobre o pai. As rusgas começaram durante a campanha, quando o factótum tinha carta branca para tomar as decisões mais delicadas e o rebento, que tinha um palpite a dar sobre tudo, se via limitado a cuidar das redes sociais da família. Vencida a eleição, o poder do “cão de guarda” se sobrepôs ao do “pitbull”: o primeiro assumiu a Secretaria-Geral da Presidência da República, e o segundo, que aspirava ao comando da Secretaria de Comunicação, ficou sem cargo no governo. 

Na semana passada, porém, zero dois viu a chance de se vingar do desafeto: “Ontem estive 24 horas do dia ao lado do meu pai e afirmo: É uma mentira absoluta de Gustavo Bebbiano (sic) que ontem teria falado 3 vezes com Jair Bolsonaro”, postou o filho enciumado no Twitter, seguido de um áudio no qual se ouve o pai dizer: “Ô Gustavo, está complicado eu conversar ainda. Então, não vou falar, não vou falar com ninguém, a não ser estritamente o essencial. Estou em fase final de exames para possível baixa hoje, tá ok? Boa sorte aí”. E assim foi feita a merda.

Visando minimizar os danos, Bebianno disse que suas conversas com o Presidente se deram pelo WhatsApp, e não por telefone, “como talvez tenha imaginado o filho Carlos”. Mas o pitbull não recuou, e, para piorar, o próprio Bolsonaro sustentou que não havia conversado com Bebianno, o que desfez a impressão de que o filho estava criando um salseiro no governo por conta própria, mas ao mesmo tempo deixou claro que ambos cantavam em coro.

A perspectiva da exoneração do ministro causou mal-estar no Planalto, inclusive no núcleo militar do governo. No último sábado, depois de se reunir com Bolsonaro no Alvorada, Onyx Lorenzoni, evitou falar com a imprensa, mas sabe-se que ele foi encarregado de costurar uma “saída honrosa” para pôr fim à polêmica em torno da exoneração do colega. A ideia de compensar Bebianno pela saída do primeiro escalão com um cargo na máquina federal fora do Palácio, porém, foi descartada, já que o artigo 17 da Lei 13.303/2016 veta essa possibilidade. 

Bebianno está nitidamente magoado com Jair Bolsonaro, e não se descarta a possibilidade de ele “cair atirando" . Ao portal G1, o ministro disse que "não se dá um tiro na nuca do seu próprio soldado”, que "é preciso ter o mínimo de consideração com quem esteve ao lado dele o tempo todo", além de publicar nas redes sociais um texto sobre “lealdade”. A julgar pelo trailer, o filme pode ser assustador.

Entre os 22 ministros de Estado, nenhum compartilhou mais a intimidade do Presidente do que Bebianno, que atuou como faz-tudo durante a campanha e, antes disso, como advogado, ganhou a confiança do então deputado ao se oferecer para defendê-lo de graça de uma acusação de homofobia. Agora, pego no contrapé, ele diz não entender a violência com que vem sendo atacado e a facilidade com que foi abandonado pelo Presidente.

Não convide Carlos Bolsonaro e Gustavo Bebianno para a mesma festa. Desde a companha que o filho do Presidente vem atuando nos bastidores para minar o poder do advogado junto ao pai. A grande chance surgiu na semana passada, e deu no que deu.

Carluxo sempre foi genioso, beligerante e adepto a teorias conspiratórias. Já arreganhou os dentes para o general Mourão, insinuando pelo Twitter que vice estaria interessado na morte do titular. Sua relação com o pai chega a ser obsessiva. Em 2000, aos 17 anos, desbancou a mãe e se tornou o vereador mais jovem do Rio, mas sentiu-se usado pelo pai quando descobriu que ele apoiou sua candidatura para evitar a reeleição da ex-esposa. Pai e filho ficaram sem se falar por anos, e, para reconquistar o rebento, o primeiro passou a ser mais tolerante com os caprichos do segundo.

Na última sexta-feira, os vereadores cariocas encerraram o recesso, mas não se sabe se Carluxo deixará Brasília para reassumir seu mandato. No Planalto, a torcida para que isso aconteça é grande, sobretudo devido à quantidade de problemas que a relação entre pai e filho tem gerado. Pelo sim ou pelo não, o pitbull infiltrou um primo no Palácio e o encarregou de acompanhar de perto os passos do pai. Vamos ver até onde tudo isso vai levar.

USO EXCESSIVO DO HDD — COMO RESOLVER


TODO HOMEM É CULPADO DO BEM QUE NÃO FEZ.

Quem acompanha este Blog e leu as últimas postagens viu que a memória RAM — ou mais exatamente a falta dela — pode impactar negativamente o desempenho do computador, embora outros componentes importantes, como o processador e o drive de HD, se subdimensionados, comprometem drasticamente a performance do sistema como um todo. Assim, o segredo para um desempenho substantivo consiste na escolha de um PC de configuração equilibrada (e parruda, se possível), até porque o processador não é capaz de grande coisa sem a contrapartida dos subsistemas de memória física e de massa (RAM e disco rígido, respectivamente).

Feita essa breve introdução, veremos como resolver um problema bastante comum no Windows, que é o uso excessivo do disco. Se você seguiu minha sugestão e instalou o IObit Advanced System Care, poderá conferir facilmente o acesso ao disco através do monitor de desempenho, bastando clicar na setinha que fica à direita dele e selecionar a opção Disco (se o monitor não estiver sendo exibido na tela, acesse as configurações da suíte e marque a caixa de verificação ao lado de Ativar o Monitor de Desempenho e carregar na inicialização do Windows). 

Se o monitor indicar 100% ou algo próximo disso (o que é bastante comum logo após a inicialização do Windows), seu computador deve estar "uma carroça", já que a utilização do disco acima de 50% reduz drasticamente a margem de manobra do sistema para executar outras tarefas que não as do próprio sistema. Antes de qualquer outra providência, porém, convém você checar a “saúde” do seu drive de HD. Para isso:

Abra o Prompt de comando (ou o Windows PowerShell), digite wmic diskdrive get caption,status e pressione a tecla Enter

Se o drive (ou algum deles, se houver mais de um) for listado e seguido de um “OK”, tudo bem, mas se um código de erro for exibido ao lado do status do disco... bem, aí a porta torce o rabo.

Digite chkdsk /f /r na linha de comando, responda S (ou Y) quando lhe for perguntado se deseja agendar uma verificação, reinicie o computador e aguarde a conclusão da varredura (que pode demorar um bocado). 

Aguarde a conclusão da verificação e a reinicialização do computador. Em seguida:

— Pressione Win+R para convocar o menu Executar, digite eventvwr.exe caixa de diálogo, clique em OK e, na janela do visualizador, esquadrinhe os logs de eventos relacionados com seu disco rígido. 

— Recorra ao Google para tentar obter informações de como resolver o problema identificado pela ferramenta. Se encontrar algum tutorial que lhe pareça confiável, siga-o. Ao final, digite novamente wmic diskdrive get caption,status na linha de comando e confira o resultado. 

— Se o problema persistir, faça um backup de seus dados importantes e de difícil recuperação e programe-se para substituir o quanto antes o drive problemático.

Supondo que seu HDD esteja OK, veja (na próxima postagem) como proceder para solucionar o problema de uso excessivo do disco. Até lá.

domingo, 17 de fevereiro de 2019

A CRISE CARLOS BOLSONARO/GUSTAVO BEBIANNO



Não bastasse a novela Queiroz/Flávio Bolsonaro, que ainda promete novos e emocionantes capítulos, uma nova crise se instalou no governo depois que Carlos Bolsonaro, o zero dois, causou constrangimentos tanto inoportunos quanto desnecessários ao desmentir, pelo Twitter, o Secretário-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que afirmou ter se encontrado com Jair Bolsonaro

O que poderia ser creditado ao destempero e inabilidade política do pitbull palaciano adquiriu maior dimensão porque, ao que tudo indica, ele tinha o aval do pai, que quer se livrar do ministro, mas prefere não exonerá-lo para não desagradar parte da bancada federal do PSL e alguns líderes de siglas aliadas, que têm em Bebianno um interlocutor. 

O general Mourão classificou o caso como futriquinha, mas reprovou a postura de zero dois: “Diz a velha prática que roupa suja a gente lava no tanque da casa e não da casa dos outros. Esta crise está ligada às denúncias em relação aos gastos de campanha do PSL e a um certo protagonismo do filho do presidente que, no afã de defender o pai, interferiu levando as discussões e debates em rede social que acabam sendo de domínio público, o que não é bom”. Não há como não lhe dar razão.

Através de sua conta no Twitter, FHC também se manifestou: “Início de governo é desordenado. O atual está abusando. Não dá para familiares porem lenha na fogueira. Problemas sempre há, de sobra. O Presidente, a família, os amigos e aliados que os atenuem sem soprar nas brasas. O fogo depois atinge a todos, afeta o país. É tudo a evitar”. Também não há como não lhe dar razão.

Para Rodrigo Maia, o Presidente está usando o filho para se livrar de Bebianno. “Ele é presidente da República, não é? Não é mais um deputado, ele não é presidente da associação dos militares. Então, se está com algum problema, tem que comandar a solução, e não pode, do meu ponto de vista, misturar família com isso, porque acaba gerando insegurança, uma sinalização política de insegurança para todos". Maia alertou também que o risco é grande para um governo que vai ter desafios importantes, como a reforma da Previdência.

Não é segredo que o clã Bolsonaro aprecia um enfrentamento. Já na transição do governo houve um arranca-rabo entre zero dois e Bebianno. O pitbull se considera o responsável pela comunicação do pai nas mídias sociais — tem até mesmo as senhas dele, o que é gravíssimo, pois o Estado não pode ficar em mãos indiretas, não importa se do filho do Presidente, da mulher, ou do cachorro — e não admite concorrência. Antes da posse, zero dois postou no Twitter que a morte de Bolsonaro interessava “também aos que estão muito perto” (...) “Principalmente após sua posse”. Na cerimônia, dizendo ter acordado com um mau pressentimento, armou-se de uma Glock e pediu para ser o guarda-costas do pai. Detalhe: Para quem afirma que sua prioridade é proteger o pai, o filho deveria ser mais cauteloso.

Observação: “Governar” pelo Twitter é uma prática que Bolsonaro copiou de Donald Trump. Vale lembrar que o uso de meios particulares para atividades oficiais deu muita dor de cabeça a Hillary Clinton, que, quando Secretária de Estado no governo Obama, dispensou sua conta de email oficial para usar a privada, mesmo para assuntos de Estado (e talvez por isso, ainda que não só por isso, foi derrotada pelo megalômano da peruca laranja).

Pelo andar da carruagem, a saída de Bebianno do ministério não é uma questão de se, mas de como e quando. E deixará mágoas difíceis de superar. O apoio que ele recebeu de políticos e militares surpreendeu o Presidente, que, aliás, terá dificuldade para substituí-lo por outro articulador de igual quilate, sobretudo no momento em que o governo precisa aprovar a reforma da Previdência e não tem uma base aliada organizada e coordenada por políticos experientes. Bebianno seria o interlocutor do governo com Rodrigo Maia, que não por acaso deu a declaração que eu reproduzi linhas atrás, afirmando, dentre outras coisas, que Bolsonaro não é presidente da associação dos militares. A relação de Maia com Onyx Lorenzoni nunca foi boa, embora ambos sejam do mesmo partido, e a conexão entre Maia e Bebianno, assim como com Paulo Guedes, é que facilitaria a tramitação das reformas.

Atualização: A exoneração de Gustavo Bebianno deverá ser publicada amanhã no Diário Oficial da União. Bolsonaro havia resolvido manter o ministro no cargo, mudou de ideia depois de saber do vazamento de áudios com diálogos mantidos entre os dois. No Planalto, o receio é de que, uma vez penabundado, o desafeto crie problemas para o governo, já que é o que se chama no jargão político de “homem bomba”. 

A relação de Bolsonaro com os filhos vem provocando intrigas intra murus, especialmente entre os militares, e desestabilizando um governo que mal começou (e, por que não dizer, que começou mal). Sem cargos no governo, mas agindo como membros da família real numa monarquia, a prole presidencial se dedica a fabricar crises. Flávio, o zero um, tenta se desvencilhar do caso Queiroz; Eduardo, o zero três — que foi filmado em uma palestra dizendo que para fechar o STF bastaria “um soldado e um cabo” e se considera-se um assessor presidencial especialíssimo — já admitiu concorrer à sucessão do pai, caso ele cumpra a promessa de acabar com a reeleição. 

Detalhe: Zero um nunca recebeu apoio de zero dois, e zero três evita falar sobre a crise em que o irmão do meio está metido.

sábado, 16 de fevereiro de 2019

LULA, SUAS CONDENAÇÕES, SUA DEFESA E A ALIENAÇÃO DOS SEGUIDORES DA SEITA DO INFERNO


Por mais que me desagrade falar no sevandija da caatinga pernambucana, em sua trupe de cangaceiros e na corja de seguidores lunáticos que os acompanha, volto ao assunto diante de uma boa notícia — e olha que boa notícia, hoje em dia, é avis rara.

As duas baixas na bancada do PT no Congresso — o deputado baiano Luiz Caetano foi cassado por improbidade e o potiguar Fernando Mineiro perdeu a vaga com o recálculo do quociente eleitoral em seu estado —, somadas à filiação de dois deputados ao PSL, em janeiro, tornaram o partido do Presidente a maior bancada na Câmara. Se isso é suficiente para aprovar as reformas da Previdência e o Pacote Anticrime do ministro Sérgio Moro, bem, aí já é outra história. Se o fogo amigo cessar e nenhum outro acidente de percurso sobrevier, é possível que cheguemos lá.

Quanto ao molusco eneadáctilo, sua condenação no segundo processo e a iminência do julgamento do terceiro vêm exigindo de seus caríssimos advogados muita ginástica mental e uma boa dose de criatividade. Afinal, contra fatos não há argumentos, e é difícil defender o indefensável. A lengalenga da vez é que a juíza substituta Gabriela Hardt (que em breve irá passar o bastão da 13ª Vara Federal do Paraná para o novo titular) teria “copiado” uma parte da sentença de Moro no caso do tríplex, limitando-se a mudar a ordem de alguns parágrafos. “Na verdade”, diz O ANTAGONISTA, “foi Lula quem plagiou Lula, cometendo no sítio e no triplex os mesmos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro”.

Com efeito, os dois casos são de certa forma semelhantes. Em ambos, o MPF acusou o ex-presidente de usar os imóveis para receber propinas travestidas de reformas e benfeitorias personalizadas, e a defesa alegou que o réu não é dono dos imóveis e que o MPF não conseguiu comprovar quais atos de Lula teriam beneficiado as empresas. Em sua decisão no caso do sítio, a magistrada entendeu que a família do petista "usufruiu do imóvel como se dona fosse", e que a ação penal "não passa pela propriedade formal do sítio" — a mesma interpretação do então juiz Sergio Moro ao condenar Lula no caso do tríplex, em abril de 2017.

A estratégia da defesa, agora, é pugnar pela anulação dos dois processos, alegando uma suposta “parcialidade” de Moro e outras asnices que tais. Até quando, Catilina, abusarás da nossa paciência?

A militância vermelha (ou o que resta dela) não vê provas contra seu amado líder nem que elas lhe mordam a bunda. Para essa escumalha, se Lula tirou milhões da pobreza (se realmente tirou, deve ter depositado na conta dele e na do PT), que mal tem em lavar dinheiro ocultando duas propriedades? Ou em ganhar imóveis e reformas de empreiteiras que favoreceu enquanto era presidente? Em receber propina disfarçada de pagamento por palestras a que ninguém nunca assistiu, torrar R$ 8 bilhões do BNDES para a Odebrecht realizar obras sem concorrência em países bolivarianos, comandar uma organização criminosa que quebrou a Petrobrás e contratar sondas superfaturadas da Schahin Engenharia?

É justo condenar o Parteiro do Brasil Maravilha por acobertar o assassinato de prefeito Celso Daniel com dinheiro da comissão das sondas? Por obrigar a Petrobras a fornecer nafta à Braskem por preços abaixo do valor de mercado por vários anos, causando um prejuízo que o TCU estima em R$ 5 bilhões? Por saquear os palácios ao deixar a Presidência, levando não só presentes de Estado como até a prataria da casa? Por eleger uma gerentona incompetente, despreparada e desequilibrada para manter quente a poltrona até que ele próprio pudesse voltar a ocupá-la, 4 anos depois? Quem se importa se para isso foi preciso ilaquear a boa fé do povo com uma campanha criminosamente mentirosa, irrigada com dinheiro roubado da Petrobras?

Condenar Lula por permitir que sua quadrilha saqueasse os fundos de pensão de quase todas as estatais, comprometendo as aposentadorias de centenas de milhares de petroleiros, carteiros, bancários? Por deixar que a Bancoop lesasse milhares de bancários para favorecer a OAS e ganhar uma cobertura triplex no Guarujá? Pura perseguição!

Condenar Lula por dar aval político e dinheiro para que organizações criminosas, como o MST, invadissem e depredassem impunemente fazendas, centros de pesquisa e prédios públicos? Por comprar apoio político através do mensalão e do petrolão? Por nomear comparsas para o Sesi Nacional, transformando a instituição num cabide de empregos para “cumpanhêros”, parentes e outros vagabundos? Por contribuir para o enriquecimento ilícito de seus filhos em troca do favorecimento de empresas de telefonia e outras? Por vender medidas provisórias isentando montadoras de impostos em troca de comissões? Pura injustiça!

Condenar Lula por inchar o governo e as estatais com centenas de milhares de funcionários supérfluos, quebrando o estado e provocando déficit público recorde? Por lotear mais de 30 mil cargos de confiança entre seus apaniguados, dando o comando das estatais e autarquias para petistas incompetentes, que mal sabem administrar suas vidas? Por eleger outro poste, também com dinheiro roubado das estatais, para prefeitar a maior cidade do país? Crueldade!

Condenar Lula porque ele comprou milhões de votos com programas de esmola como o Bolsa Família, criou o Bolsa Pescador e deixou 3 milhões de falsos pescadores se inscreverem para receber a sua esmola compradora de votos, aumentou a carga tributária de 33 para 40% do PIB e a dívida pública para quase R$ 3 trilhões, tornando-a impagável? Por ter favorecido o sistema financeiro com taxas exorbitantes de juros, transferindo renda dos pobres para os ricos? Por ter queimado toda a bonança da maior onda de alta das commodities na década passada? Por ter loteado todas as agências reguladoras, fazendo-as inúteis na proteção dos cidadãos? Por ter aparelhado até o STF, nomeando ministros comprometidos com a proteção de sua ORCRIM? Por deixar a Bolívia expropriar a refinaria da Petrobras sem fazer nada e humilhar nossas Forças Armadas nomeando ministros da Defesa comunistas e incompetentes? Por favorecer comercialmente ditaduras como as de Angola, Venezuela e outras? Por esnobar as maiores economias do mundo, direcionando nossas relações exteriores para países inexpressivos comercialmente, apenas no afã de ganhar prestígio e votos na ONU? Por humilhar o Itamaraty, orientando a política externa através de consiglieri mafiosos, e deixar nossas embaixadas e consulados sem dinheiro para pagar aluguéis? Por comprar um aerolula da Airbus pelo triplo do preço de uma aeronave da Embraer? Por descuidar dos programas de saúde pública através de ministros incompetentes e desvio de verbas, permitindo a volta de doenças como a dengue e a zika? Por aparelhar todas as universidades federais com reitores de esquerda, obtusos e incompetentes, e fazer do Brasil motivo de chacota no mundo inteiro, subtraindo dos brasileiros o orgulho de ser brasileiro? Pura desumanidade!

Acuerda, macacada!

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

BEBIANNO E O PITBULL DE BOLSONARO


Tem gente que nasceu para falar merda, gente que nasceu para fazer merda e gente que não passa de um monte de merda. 

Gleisi Hoffmann, que se enquadra na primeira categoria, é o que há de pior no PT (e olha que a concorrência é brava). Na segunda, destaca-se com louvor a prole bolsonariana: não bastasse a lambança de zero um e seu ordenança, zero dois resolveu acusar, pelo Twitter, um ministro de Estado de ter mentido sobre conversar com o presidente. Na terceira, brilha a estrela moribunda, o clone do Tinhoso que, por receio de perder para seu fantoche o comando da quadrilha que ajudou a fundar, assinou nova procuração para o esbirro voltar a advogar para ele e ter livre acesso à cela VIP onde permanece encarcerado (ao constranger a marionete a visitá-lo regularmente, o presidiário reafirma que nada pode ser decidido sem o seu aval).

Carlos Bolsonaro resolveu “morder” o Secretário-geral de Presidência, Gustavo Bebianno, jogando nas redes o áudio em que se ouve o pai se recusando a atendê-lo — desmentindo, portanto, o ministro, que jura ter se encontrado com o Presidente.

A prole bolsonariana vem se revelando uma usina de encrencas; quando não há crise no horizonte, há sempre um dos rebento do Presidente pronto a preencher a lacuna. No caso em tela, porém, tudo indica que o próprio Presidente terceirizou ao zero dois a desmoralização de Bebianno, mas isso não afasta o risco de o alvejado cair atirando — e ele tem muita munição para uma guerra contra o clã Bolsonaro.

Coordenador da campanha e principal articulador da ida do capitão para o PSL, Bebianno resolveu jogar no colo do chefe o escândalo das candidaturas-laranjas do partido. Ao saber que sua cabeça estava a prêmio, declarou que não havia crise alguma, que havia conversado três vezes com o chefe na última terça-feira, mas foi prontamente desmentido pelo tuíte do pitbull: “Ontem estive 24h do dia ao lado do meu pai e afirmo: É uma mentira absoluta de Gustavo Bebianno que ontem teria falado 3 vezes com Jair Bolsonaro para tratar do assunto citado pela Globo e retransmitido pelo Antagonista”. 

Fritado e irresignado com a ideia de ser demitido via Twitter pelo filho, Bebianno resolveu arrastar o pai para a beira da cova e imprimir suas digitais no cabo da última pá de cal. Seu aborrecimento aumentou quando Bolsonaro disse ter encomendado à PF uma investigação sobre o laranjal do PSL, e que, se Bebianno estiver envolvido, "lamentavelmente o destino não pode ser outro a não ser voltar às suas origens". E a coisa ficou ainda pior depois que o Presidente reproduziu, em suas redes sociais, as postagens do zero dois.

Principal liderança bolsonarista no Congresso, o Major Olímpio já pediu a cabeça de Bebianno: “Se proceder alguma acusação, não dá para estar no time de confiança do Presidente”. E é bom que seja assim. Já a deputada Joice Hasselmann criticou Carlos Bolsonaro pelo ataque feito a Bebianno. "Não pode se misturar as coisas. Filho de presidente é filho de presidente. Temos que tomar cuidado para não fazer puxadinho da Presidência da República dentro de casa para expor um membro do alto escalão do governo dessa forma", disse.

É difícil não comparar a situação atual com a do governo anterior, quando Temer prometeu um ministério de notáveis e entregou um agremiação de corruptos. Vale frisar que Jair Bolsonaro conquistou a presidência com o apoio de milhões de brasileiros que, sem outra opção para impedir a vitória do fantoche do presidiário, apostaram todas as fichas no capitão. Seria muito triste para todos nós (porque eu me incluo nesse grupo) se essa escolha resultasse em mais do mesmo, ou seja, se a merda continuasse a mesma a despeito de mudarmos as moscas.

Afora os enroscos de zero um com o Coaf, o “time de confiança” a que se referiu o Major Olímpio inclui um condenado por improbidade administrativa (Ricardo Salles), um denunciado por fraude em licitação e tráfico de influência (Luiz Henrique Mandetta), um investigado por transações suspeitas com fundos de pensão (Paulo Guedes), uma citada em delação da JBS (Tereza Cristina), um beneficiário confesso de caixa dois (Onyx Lorenzoni) e outro suspeito de envolvimento no caso dos candidatos laranjas do PSL (Marcelo Álvaro Antônio).

Filhos”, dizia o poeta, “melhor não tê-los; mas se não os temos, como sabê-lo?” Filhos pequenos, como sabe quem os tem, estão sempre prontos a desmentir seus progenitores, trazendo a lume a verdade, doa a quem doer. Mas cenas como essas, quando protagonizada por filhos crescidos e, sobretudo, no seio do Executivo comandado pelo papai, são imperdoáveis. Mesmo que o pronunciamento do pitbull tenha sido combinado com o próprio Presidente, a atitude do vereador foi de uma inabilidade política a toda prova.

Ainda assim, torçamos pelo melhor — até porque isso é tudo que nos resta fazer.

DE VOLTA À MEMÓRIA RAM — FINAL


ESQUERDISTAS SE DIVIDEM EM DUAS CATEGORIAS: A DOS QUE TÊM MERDA NA CABEÇA E A DOS QUE TOMARAM LAXANTE. 

Falta de RAM se resolve com upgrade ou com a troca do computador por outro mais adequado a suas expectativas e necessidades. Ainda que as dicas que eu venho publicando sejam úteis e possam ajudar um bocado, não espere milagres de gerenciadores de memória, ReadyBoost, reconfiguração do arquivo de paginação, etc., porque tudo isso é paliativo.

Fazendo uma analogia com o contexto automotivo, a motorização chinfrim de um Fiat Mille faz o carro andar, e ainda que ande melhor sem passageiros e bagagens, o carrinho jamais terá um desempenho brilhante como o do Mustang Shelby GT 500, que alcança os 100 km/h em 4 segundos e atinge absurdos 323 km/h de velocidade máxima. Como é do couro que sai a correia, o muscle car da Ford custa “um pouquinho mais caro” que o modelo popular da Fiat, mas isso é apenas um detalhe.

Feita essa breve introdução, vejamos mais uma dica para conviver melhor com um PC defasado até ser possível trocá-lo por um Mustang, digo, por um modelo de configuração mais robusta, com desejáveis 8 GB de RAM. Destas vez, o “truque” consiste em reconfigurar o Windows para aproveitar integralmente a memória física instalada. Veja como:

— Digite msconfig no campo de buscas da barra de tarefas do Windows e clique em "Configurações do Sistema";

— Clique na aba "Inicialização do sistema" e pressione em "Opções avançadas";

— Desmarque a caixa da opção "Memória máxima" (oriente-se pela ilustração acima) fazendo com que o computador utilize toda a RAM instalada, e não apenas o limite estipulado por padrão nessa configuração;

— Clique em OK e, de volta à janela principal das configurações do sistema, clique em Aplicar e  depois em OK;

— Na caixa de diálogo que será exibida em seguida, clique em Reiniciar.

Aproveite o embalo para reconfigurar o número de processadores, que, por padrão, vem limitado a 1, mesmo em máquinas com CPU multicore (a maioria, hoje em dia). Na tela das Opções avançadas — que você acessou para reconfigurar a RAM —, marque a caixa ao lado de Número de processadores (oriente-se pela imagem acima) e selecione a quantidade desejada, lembrando que as opções disponíveis variam de acordo com as características da sua CPU. Feito isso, é só confirmar em OK e reiniciar o computador. Note que esse ajuste não atua sobre a memória, mas reduz o tempo de boot e deixa o sistema mais ágil.

Outra dica funcional é inibir a inicialização automática de aplicativos que pegam carona (desnecessariamente) com o Windows, de modo a evitar que eles fiquem rodando em segundo plano, consumindo ciclos de processamento e espaço valioso na RAM. Para fazer esse ajuste, dê um clique direito num ponto vazio da Barra de Tarefas, clique em Gerenciador de Tarefas e, na aba Processos e identifique entre mais “glutões” aqueles que não são imprescindíveis. Em seguida, clique na aba Inicializar do Gerenciador, selecione os ditos-cujos (um por vez) e pressione o botão Desabilitar

Observação: Além do antivírus e do firewall, contam-se nos dedos os apps que precisam realmente iniciar junto com o sistema. A maioria pode ser removida da lista sem problema algum, até porque os programas não deixarão de funcionar, apenas demorarão um pouquinho mais para abrir quando você os convocar.

Ainda sobre a inicialização automática dos aplicativos, há casos em que desejamos incluir programinha qualquer. Um bom exemplo é o CopyQ (já abordado aqui no Blog), cujo menu de configurações deixou de exibir a opção que ativa/desativa sua inicialização automática. Sem esse ajuste, somos obrigados a iniciá-lo manualmente sempre que ligamos o computador, sob pena de somente último item copiado ou recortado ser armazenado no clipboard (área de transferência) do Windows

Para configurar esse programinha (ou outro qualquer que não inclua a opção de configuração em sua interface):

1) Abra o menu Iniciar e localize o app desejado na lista de programas;

2) Dê um clique direito sobre o ícone respectivo, clique em Mais e selecione a opção Abrir local do arquivo (se ela não for exibida, é porque o aplicativo não pode ser executado no momento da inicialização); 

3) Com o local do arquivo aberto, pressione Win+R, digite shell:startup na caixa do menu Executar e clique em OK

4) Na pasta Inicialização, copie e cole o atalho para o aplicativo a partir do local do arquivo, feche a janelinha;

5) Para conferir o resultado, torne a abrir o Gerenciador de Tarefas (ou o msconfig, caso seu Windows não seja o Ten), clique na aba Inicializar e veja se programa em questão foi incluído na lista de inicialização automática.

ObservaçãoVocê pode inibir o carregamento automático desse programa a qualquer momento, bastando para isso clicar sobre ele com o botão direito e selecionar a opção Desabilitar.

Espero ter ajudado. Abraços a todos e até a próxima.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

LAVAR TOGA NÃO BASTA — É PRECISO DESINFETAR, DESPETIZAR E, EM ALGUNS CASOS, TOCAR FOGO



Vimos no post anterior que Gilmar Mendes, ao saber do procedimento aberto pela Receita Federal para investiga-lo (e a sua mulher) por supostos “focos de corrupção, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio, foi chorar as pitangas com o presidente da Corte. “Ultrajado” com a “ousadia” dos auditores, Toffoli saiu prontamente em socorro do colega e antigo mentor, disparando ofícios para todos os lados, solicitando ao ministro da Fazenda, ao secretário da Receita e à procuradora-geral de República a adoção das “providências” cabíveis”.

Nunca é demais relembrar que o atual presidente do Supremo foi advogado do Sindicato dos Metalúrgicos de SBC, consultor jurídico da CUT e assessor jurídico do PT e do ex-ministro José Dirceu, que atuou como advogado nas campanhas de Lula em 1998, 2002 e 2006 e como subchefe para assuntos jurídicos da Casa Civil da presidência da República, foi promovido em 2007 ao cargo de Advogado Geral da União e em 2009 ao de ministro supremo, na vaga aberta com a morte do ministro do STF Menezes Direito. Abrilhantam o “invejável currículo” do ministro que vestiu a toga se despir a farda de militante petista duas reprovações em concursos para juiz de primeiro grau em São Paulo e 4 pedidos de impeachment (dados de dezembro passado).

A indicação do “cumpanhêro” para o STF foi (mais) uma demonstração cabal da falta de noção de Lula sobre a dimensão do cargo de ministro. Sem currículo, sem conhecimento, sem luz própria e sem os laços com a rede protetora do partido ou com os referenciais do padrinho, o novato foi buscar apoio em Gilmar Mendes, que é quem melhor encarna a figura do velho coronel político. Já consolidado no habitat, passou a emular os piores hábitos do novo padrinho a arrogância incontida, a grosseria, a falta de limites, o uso da autoridade da forma mais arbitrária possível —, e agora sai em seu socorro, como saiu em socorro do guerrilheiro de araque, José Dirceu, no julgamento do Mensalão. Mas isso é outra conversa.

Toffoli foi suscitado no acordo de delação que Leo Pinheiro vinha negociando com o MPF, por conta de uma reforma milionária que a OAS executou em sua residência, em 2011, mas a informação vasou, Veja publicou, e o então o procurador-geral-cumpanhêro, Rodrigo Janot, suspendeu as tratativas. De acordo com a reportagem, o imóvel ganhou novos quartos, adega, espaço gourmet, instalações de gás, energia solar e paisagismo, além de sua área construída ter aumentado de 370 para 451 metros quadrados. Amigos do ministro ouvidos por Veja disseram que “a casa antiga virou uma mansão de revista”. Ainda segundo veja publicou então, essa “mansão de revista” estaria para Toffoli e a OAS assim como o sítio em Atibaia e o triplex no Guarujá para Lula e a Odebrecht; a diferença e que Lula está preso e Toffoli, presidindo o STF, o que coloca em suas mãos a chave da cela do ex-chefe). O ministro nega ter recebido qualquer tipo de ajuda da OAS (para mais detalhes, clique aqui e aqui).

Pesa ainda contra o magistrado uma suposta mesada de R$ 100 mil paga por intermédio de sua segunda esposa, a advogada, procuradora da Câmara Legislativa do DF e dona do Instituto Brasiliense de Estudos Tributários, Roberta Maria Rangel — um exemplo raro de sucesso repentino nas bancas de Brasília. A douta causídica cuida de processos em trâmite — ou que tramitarem — principalmente no STJ e no TSE, e seus clientes vão de políticos desconhecidos (muitos prefeitos de cidades pequenas e médias, por exemplo), a empresas e até mesmo um “banqueiro” de jogo de bicho.  Por motivos óbvios, ela evita atuar em ações que tramitam no Supremo, embora não se furte a agir nos bastidores: em dezembro de 2014, Roberta deixou de advogar num processo sob a relatoria do marido, mas repassou a tarefa para o colega Daniane Mangia Furtado, que trabalhou com o próprio Toffoli quando este ainda estava na advocacia. Toffoli se deu por impedido de julgar a ação, mas sua relação com Daniane segue firme e forte — hoje ele é sócio de Roberta, ou seja, o sócio da mulher do ministro é um ex-parceiro do próprio ministro.

O STF contabiliza nada menos que 28 pedidos de impeachment contra seus membros. Toffoli e Barroso ocupam o segundo lugar no ranking, com 4 pedidos cada, atrás somente do imbatível Gilmar, com 9 — 7 dos quais protocolados a partir de 2016. A maior parte das petições é rapidamente arquivada pelo Senado — a quem cabe processar e julgar juízes da corte —, e como o Parlamento virou um ninho de corruptos, as chances de uma ação dessas prosperar são mínimas. Mas é bom lembrar que dois Presidentes foram impichados desde a redemocratização desta Banânia, e que o mais popular de todos os chefes do executivo nas últimas 3 décadas está na cadeia.

A situação vai se afunilando para Toffoli: não bastassem sua inaptidão para exercer o cargo que ocupa e suas questionáveis intervenções na condição de julgador, esqueletos escondidos em seu armário ao longo de sua vida pregressa ora saem para assombrá-lo. Na última segunda-feira, o historiador Marco Antonio Villa  teceu críticas contundentes ao magistrado, desta feita em razão de um vídeo que viralizou nas redes sociais no final de semana passado, no qual o próprio Toffoli admite sua participação no “roubo” de um processo para evitar uma medida judicial.

Na ocasião em que esse vídeo foi gravado, vivíamos sob a nefasta égide da ORCRIM, e a impunidade era o prato do dia. Mas as coisas estão mudando. Barbas de molho, excelências.


DE VOLTA À MEMÓRIA RAM - PARTE 7


É PRECISO MANTER A PÓLVORA SECA PARA O CASO DE SE PRECISAR DELA.

Vimos que o sistema e os aplicativos não são carregados integralmente na memória RAM, mas divididos em páginas ou em segmentos (pedaços do mesmo tamanho e pedaços de tamanhos diferentes, respectivamente), ou não haveria memória que bastasse. Isso só é possível porque os sistemas operacionais são construídos de forma modular, e cada módulo (Kernel, EscalonadorGerenciador de Arquivos, etc.) é carregado individual e seletivamente, conforme as necessidades.

Toda vez que ligamos o computador, o BIOS faz o POST (autoteste de inicialização), procura os arquivos de BOOT (conforme a sequência declarada no CMOS Setup), “carrega” o sistema na memória RAM e exibe a tradicional tela de boas-vindas. 

BIOS é a primeira camada de software do computador e fica gravado numa pequena porção de memória não volátil integrada à placa-mãe. O CMOS é um componente de hardware composto de um relógio permanente, uma pequena porção de memória volátil e uma bateria, que mantém essa memória volátil energizada, ou as informações que ela armazena se perderiam toda vez que o computador fosse desligado. O BOOT é o processo mediante o qual o BIOS checa as informações armazenadas no CMOS e realiza o POST (autoteste de inicialização).Só então, e se tudo estiver nos conformes, o Windows é carregado e assume o comando da máquina.

Fazer o Setup nada mais é que configurar os parâmetros armazenados na memória do CMOS, de modo a permitir que o BIOS reconheça e gerencie adequadamente os componentes instalados, dê o boot e adote outros procedimentos básicos que envolvem o funcionamento do PC. Essa configuração consiste em oferecer respostas a uma longa sequência de perguntas num sistema de múltipla escolha, mas a boa notícia é que ela e feita na etapa final da montagem do computador e só é necessário refazê-la em situações específicas (após um upgrade abrangente de hardware, por exemplo). Claro que é possível reconfigurar o Setup para resolver problemas e/ou incrementar o desempenho do computador, mas isso só deve ser feito usuários avançados, pois modificações indevidas ou malsucedidas podem comprometer o funcionamento da máquina.

ObservaçãoBoot significa bota ou botina, mas virou sinônimo de inicialização devido à expressão “pulling oneself up by his own bootstraps” (içar a si mesmo pelos cordões das botinas), que, por extensão, significa “fazer sozinho algo impossível de ser feito sem ajuda externa”. Segundo alguns autores, isso vem do tempo em que os computadores usavam uma pequena quantidade de código para carregar instruções mais complexas, e esse processo era conhecido como bootstrapping.

Voltando à influência da RAM no desempenho global do PC, vale relembrar uma analogia que eu faço desde que publiquei meus primeiros artigos sobre hardware na mídia impressa, lá pelo final do século passado: 

Se o computador fosse uma orquestra, o processador seria o maestro. Mas uma boa apresentação não depende apenas de um regente competente, mas também de músicos qualificados e entrosados entre si. Bons músicos podem até suprira as limitações de um maestro meia-boca, mas o contrário não é possível: por mais que o regente se descabele, a incompetência da equipe fatalmente embotará o brilho do concerto. Resguardadas as devidas proporções, o mesmo se dá em relação ao PC, que depende de uma configuração equilibrada, com componentes adequados e balanceados

Em outras palavras, uma CPU de primeiríssima não será capaz de muita coisa se for assessorada por um subsistema de memórias subdimensionado. Mas não é só. PCs da mesma marca, modelo e idêntica configuração de hardware podem apresentar comportamentos diversos, pois o desempenho de cada depende também da configuração do Windows, da quantidade de aplicativos instalados, da maneira como eles são inicializados, da regularidade com que o usuário realiza manutenções preventivo-corretivas, e por aí vai. 

Máquinas de entrada de linha (leia-se baixo custo) costumam integrar processadores chinfrins, pouca memória e módulos genéricos, o que impacta negativamente no desempenho global do sistema. Isso sem mencionar o software fica mais exigente a cada dia. Para se ter uma ideia, enquanto o Win95 rodava com míseros 8 MB de RAM (isso mesmo, oito megabytes) o Windows 10 precisa de algo entre 6 e 8 GB para rodar com folga (a Microsoft, modesta quando lhe convém, fala em 1 GB para as versões de 32-bit2 GB para as de 64-bit, mas aí não sobra quase nada para os aplicativos).

Outra analogia de que gosto muito remete à dinâmica entre o processador, a RAM e o HDD. Vamos a ela:

Imagine o PC como um escritório e o processador como um funcionário extremamente diligente, mas sem iniciativa própria. Durante o expediente, esse incansável colaborador atende ligações, recebe informações, transmite instruções, elabora cartas e relatórios, responde emails e por aí afora, tudo praticamente ao mesmo tempo. No entanto, se algum elemento indispensável ao trabalho não estiver sobre a mesa, o já assoberbado funcionário perderá um bocado de tempo escarafunchando gavetas abarrotadas e estantes desarrumadas (quem mandou não desfragmentar o HDD?). E a situação fica ainda pior quando ele precisa abrir espaço sobre a mesa atulhada para acomodar mais livros e pastas. Isso sem falar que terá de arrumar tudo de novo antes de retornar à tarefa interrompida. 

Se você ainda não ligou os pontos, a escrivaninha corresponde à memória cache, as gavetas à memória física (RAM), as estantes à memória de massa (HDD) e a “abertura de espaço”, ao swap-file (ou arquivo de troca, ou ainda memória virtual). Para mais detalhes sobre cada uma dessas memórias, reveja as postagens anteriores).

Vejo agora que esse apanhado de informações conceituais ocupou um bocado de espaço, o que me obriga a deixar as dicas práticas para a próxima postagem. Até lá.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

JUDICIÁRIO ARTICULA ARQUIVAMENTO DA LAVA-TOGA



Ocupada em explorar o trágico rompimento da barragem em Brumadinho, os efeitos funestos das chuvas no Rio e a morte de 10 adolescentes no Ninho do Urubu (isso para não mencionar a cobertura do lamentável acidente que matou o jornalista Ricardo Boechat na última segunda-feira), a mídia deu pouco destaque ao requerimento do senador Alessandro Vieira, que propôs a instalação da CPI Lava-Toga, e à crítica feita pelo deputado federal Marcelo Calero ao presidente do STF, segundo a qual a interferência de Toffoli em favor de Gilmar Mendes no procedimento aberto pela Receita Federal para investigar supostos “focos de corrupção, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio e tráfico de influência do ministro-deus e sua mulher, a advogada Guiomar Mendes constitui crime. 

O pedido de abertura da CPI estava pautado para a sessão de ontem, mas foi arquivado pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre, depois que os senadores Tasso Jereissati, Katia Abreu e Eduardo GomesVieira pretende solicitar o desarquivamento, mas para isso precisa obter novamente o número de assinaturas necessárias, e o prazo é de 5 dias. “Vamos continuar nessa luta para que a gente consiga o número de assinaturas necessárias suficientes e fazer a análise da caixa preta do Judiciário, das suas altas cortes. É uma demanda da sociedade e vamos continuar em busca da transparência em todos os poderes”, explica o parlamentar, que tomou conhecimento oficial do arquivamento na manhã de terça-feira, 12. Segundo ele, o trâmite deveria ter sido a devolução do documento ao seu gabinete, para que fossem feitos os reparos e a recomposição do número de assinaturas, mas isso não ocorreu.

Ministros do STF teriam atuado nos bastidores para que o Senado recuasse. O Estado apurou que suas excelências trataram do assunto diretamente com senadores no último final de semana, e que Katia Abreu falou por telefone com Gilmar Mendes antes de recuar e dizer que “não é o momento de abrir uma crise institucional no País”. Em entrevista ao Estado, Vieira disse que houve ameaça de retaliação por parte de ministros.

Nesta terça, Toffoli negou qualquer interferência por parte de membros da Corte. Em coletiva com o ministro da Casa Civil, ambos falaram de "entendimento" e "pacificação" entre os poderes.  Um dia antes, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre confirmou o arquivamento por falta de assinaturas necessárias, e Toffoli elogiou sua postura no episódio. Nos bastidores, porém, integrantes da Corte veem as digitais de Lorenzoni nas movimentações do senador Alessandro Vieira. Para eles, a “Lava Toga” — voltada, em tese, para investigar a atuação de tribunais superiores —, mirava, na verdade, a Suprema Corte

Ao apresentar o pedido de criação da CPI, Vieira apontou o “uso abusivo de pedidos de vista ou expedientes processuais para retardar ou inviabilizar decisões do plenário” e a “diferença abissal do lapso de tramitação de pedidos, a depender do interessado” — dois pontos que dizem respeito direto ao funcionamento interno do Supremo, onde a avaliação é a de que a conturbada eleição para a Mesa do Senado contribuiu para a coleta de assinaturas. Na ocasião, Toffoli determinou que a votação fosse secreta, contrariando o grupo que apoiou Alcolumbre.

Um dia após o arquivamento, o Movimento Avança Brasil afirmou que "a luta pela transparência não vai arrefecer" e que o abaixo-assinado online criado pelo grupo para pressionar parlamentares a avançarem com a proposta vai continuar no ar. 

Segundo o MAB, a meta é alcançar 500 mil assinaturas. "É uma pauta prioritária e vamos avançar na direção do abaixo-assinado. Temos como meta 500 mil assinaturas com o objetivo de dar visibilidade e publicidade ao que ocorre nessas esferas. Quando conseguirmos isso, vamos prestar serviço à sociedade levando ao Senado". 

Por enquanto, o grupo conseguiu reunir apenas 10 mil nomes. Vamos apoiar, pessoal.

DE VOLTA À MEMÓRIA RAM — PARTE 6



DEPOIS DA CHEGADA, VEM SEMPRE A PARTIDA, PORQUE NÃO HÁ NADA SEM SEPARAÇÃO.

Um PC abastecido com uma quantidade razoável RAM (entre 6 e 8 gigabytes) costuma ter desempenho superior ao de outro que tenha um processador mais parrudo e disponha de menos de 4 GB de memória. E ainda que a Microsoft estabeleça como requisitos mínimos 1 GB de RAM para rodar o Windows 10 de 32-bit e 2 GB para o de 64-bit, tão pouca memória faz da máquina uma “carroça”, até porque ninguém usa só o sistema operacional.

Não bastasse o próprio Windows e outros arquivos essenciais (drivers, DLLs, etc.) consumirem boa parte da RAM, cada aplicativo instalado, quando em execução, aloca a sua quota-parte, e muitos têm o péssimo hábito de “pegar carona” na inicialização do sistema, mesmo que isso não seja necessário — com exceção do antivírus e do firewall, contam-se nos dedos de uma só mão os apps que precisam realmente ficar rodando em segundo plano o tempo todo.

Com pouca RAM, basta você abrir seu cliente de email, duas ou três abas do navegador e um editor de imagens, por exemplo, para que o desempenho do computador entre em colapso. Como paliativo, a memória virtual emula RAM quando o consumo chega a cerca de 90% da memória física disponível. Isso evita o travamento do sistema por falta de memória, mas degrada o desempenho, já que o arquivo de paginação é baseado disco rígido, e o disco rígido é milhares de vezes de vezes mais lento que a já relativamente lenta memória RAM.

Há quem sugira ajustar manualmente os parâmetros do arquivo de paginação para melhorar a performance do computador. Eu, particularmente, não recomendo até recomendava nas edições vetustas do Windows, mas não no Windows 10. Todavia, se você quiser experimentar (por sua conta e risco):

— Abra o Explorador de Arquivos, dê um clique direito em Este Computador, clique em Propriedades, depois em Configurações avançadas do sistema.

— Na janelinha das Propriedades do Sistema, clique na aba Avançado e, no campo Desempenho, pressione o botão Configurações...,

— Clique novamente em Avançado e, no campo Memória Virtual, clique em Alterar...

— Desmarque a opção Gerenciar automaticamente o tamanho do arquivo de paginação de todas as unidades, selecione a unidade que contém o arquivo de paginação — geralmente a partição em que o sistema está instalado —, marque a opção Tamanho personalizado e preencha os campos Tamanho inicial e o Tamanho máximo com os valores desejados e confirme em Definir.

Desde os tempos do velho XP que os palpiteiros de plantão sugerem configurar ambos os campos com o valor (em megabytes) correspondente a uma vez e meia a quantidade de RAM instalada, mas há quem sugira usar o valor total da memória física no campo Tamanho inicial e o quíntuplo desse valor inicial no campo Tamanho máximo

Note que não costuma ser necessário reiniciar o computador ao aumentar o tamanho do swap-file (arquivo de troca), mas a reinicialização é necessária em caso de redução. Note também que basta seguir os passos acima para desabilitar o arquivo de paginação. Embora a Microsoft não recomende fazê-lo, PCs com 8 ou mais GB de RAM ficam mais rápidos sem o arquivo de paginação, mas desde que você não trabalhe com programas pesados, como de edição de vídeos ou manipulação de gráficos em alta resolução.

Continua na próxima postagem.