quarta-feira, 10 de agosto de 2016

FONES DE OUVIDO (FINAL)

TODO AMOR É ETERNO. SE NÃO FOR ETERNO, NÃO É AMOR.

Conforme eu mencionei no post anterior, a PROTESTE testou 10 modelos de fones de ouvido intra-articulares ― os preferidos pela maioria dos usuários, a despeito de serem menos confortáveis que os supra auriculares e circum-auriculares) e concluiu que os produtos mais caros nem sempre são os melhores.

Observação: Basicamente, os fones de ouvido se dividem em quatro tipos: os auriculares (ou earbuds), os intra-auriculares (ou in-ear), os supra auriculares (ou on-ear) e os circum-aurais (ou around-ear). Os primeiros são os mais vendidos (cerca de 150 mil unidades/mês, 68% delas em lojas de departamentos e hipermercados). São leves e práticos, mas, por ficarem apenas encaixados no ouvido, não vedam bem os ruídos externos, o que os torna mais indicados para uso em ambientes silenciosos. Os intra-auriculares são introduzidos no canal do ouvido e, por isso, vedam boa parte do som externo, permitindo ouvir música com qualidade aceitável em volume mais baixo. Em contrapartida, são menos confortáveis, e nem todo mundo se acostuma a usá-los. Os supra auriculares, semelhantes aos tradicionais headphones, são colocados sobre as orelhas e proporcionam mais conforto e melhor reprodução de graves, conquanto sejam maiores e mais pesados, o que os torna contraindicados para uso em trânsito. Já os circum-auriculares, ainda maiores, envolvem a orelha como uma concha. São confortáveis e costumam proporcionar reproduções de melhor qualidade, mas são volumosos, pesados e incômodos de carregar, sem falar que seu uso prolongado esquenta as orelhas, o que torna seu uso desagradável em ambientes quentes.

Quanto à qualidade de som, os modelos das marcas Skullcandy, Koss, Cooler Master e Sennheiser tiveram melhor desempenho. O JBL J22i foi considerado ruim, apesar de custar quatro vezes mais que o Sony MDR-EX15LP, eleito como a ESCOLHA CERTA. Os demais foram avaliados como bons ou aceitáveis.

No que concerne à capacidade de bloquear o barulho ambiente, todos se saíram bem, embora alguns não se fixem adequadamente ou provoquem desconforto quando se tenta ajustá-los ao ouvido. Nesse quesito, a Proteste aprovou com louvor os produtos das marcas Sony, Skullcandy
e Sennheiser, mas reprovou o Cooler Master ― devido aos ruídos incomodativos que ele produz quando o cabo roça na roupa, o que torna seu uso desconfortável em caminhadas, corridas e atividades afins.

Os modelos da Cooler Master e da Skullcandy agregam microfone (que permite falar ao celular) e controle no cabo, sendo por isso considerados os mais versáteis entre os concorrentes testados. No quesito durabilidade, o produto da Philips foi o que se saiu melhor; o JBL e o Cooler Master foram considerados aceitáveis, e o Multilaser, o pior da amostragem: apesar do material resistente, o fio já vem enrolado e assim fica permanentemente, reduzindo o tempo de vida útil do dispositivo. Os fios do Edifier e do Sennheiser também enrolam facilmente ― embora não venham assim ―, e os demais foram considerados bons, pois o cabo chato evita o indesejável enrolamento.

Os modelos da Skullcandy, Cooler Master e Everlast são os preferidos da garotada e de quem utiliza esses dispositivos enquanto faz caminhadas ou jogging, pois a cor vermelha, nos dois primeiros, e amarela, no último, chamam a atenção dos motoristas que trafegam pelo local. Mas é bom ter em mente que aparência descolada nem sempre anda de mãos dadas com qualidade e/ou segurança. 

Adicionalmente, o artigo da revista recomenda não dobrar os cabos na hora de guardar os fones ― em vez disso, deve-se enrolá-los com movimentos circulares, para prevenir o rompimento dos circuitos internos ―, acondicioná-los em local limpo, seco, ao abrigo do sol e da poeira, bem como desconectá-los do aparelho puxando pela parte rija próxima ao conector, nunca pelo fio.

Para acessar o arquivo em PDF com o artigo publicado na revista impressa, clique aqui.  

Era isso, pessoal. Abraços e até a próxima.    
Postar um comentário