segunda-feira, 25 de setembro de 2006

Dicas para reduzir o consumo de energia

Complementando o que foi visto nas postagens anteriores, seguem agora algumas dicas para racionalizar o consumo de energia e prolongar a vida útil do seu equipamento. Acompanhe:

Caso sua programação de trabalho não exija o uso da impressora, não faz sentido deixá-la o dia inteiro em stand by. Alguns modelos nem mesmo têm botões – são totalmente controlados por software, e aí a solução consiste em conectar o cabo de força à tomada somente quando necessário. Mas não vá ao extremo de imprimir uma página e desligar o equipamento, se for ligá-lo novamente, meia hora depois. E com o scanner é a mesma coisa.

O monitor é um dos grandes responsáveis pelo consumo do conjunto, mas precisa estar ativo e operante durante todo o trabalho. Entretanto, sempre é possível configurar as opções de energia (você poderá acessá-las a partir do ícone correspondente, no Painel de Controle do Windows) e obter uma economia bastante representativa. Dez minutos ociosos são mais que suficientes para o vídeo ser desligado, bem como vinte minutos, no caso do HD. Meia hora para entrar em espera e 45 minutos (ou uma hora, vá lá que seja) para hibernação (trata-se apenas de uma sugestão; você deve determinar períodos compatíveis com seus hábitos e necessidades). Outro caminho é o BIOS, através das opções stand by (ou sleep), doze e suspend (convém ler o manual da sua placa-mãe e se informar melhor antes de fazer quaisquer alterações no CMOS Setup).

Evite desligar e reiniciar o computador com freqüência superior à estritamente necessária. Se isso desfragmenta a memória RAM e dá mais “fôlego” ao SO, também diminui a vida útil do HD. Sob determinadas circunstâncias (atualizações ou instalação de programas que assim o exigem) não há alternativa, mas não faz sentido desligar a máquina apenas para telefonar ou sair para almoçar. Se você fizer ajustes racionais nas opções de energia, conseguirá economizar sem forçar seu equipamento.

Segundo um velho axioma da informática, usuários de computador podem ser divididos em duas categorias: aqueles que já perderam um HD e aqueles que ainda vão perder. O disco rígido é um dispositivo delicado, sensível a impactos e choques físicos (as cabeças eletromagnéticas ficam distantes apenas alguns micrômetros da superfície dos pratos), variações bruscas de energia e outros problemas que provocam reinicializações aleatórias, perda de dados e corrompimento de arquivos do sistema. O chkdsk é capaz de reparar determinados erros, mas apenas no nível lógico – e mesmo assim, nem todos. Danos físicos nos discos exigirão fatalmente a troca do HD.

O modem também é um componente sensível e pode queimar com facilidade, especialmente se o computador for usado durante temporais com relâmpagos. Ainda que você não esteja conectado à Internet, e até mesmo se o PC estiver desligado da tomada, a placa pode ser danificada – basta o cabo estar ligado à linha telefônica. Em plataformas on-board, não é raro acontecer de o modem levar de embrulho a própria placa-mãe.

Para finalizar: No-breaks, estabilizadores e filtros (nessa ordem) ajudam, mas não fazem milagres. Ainda assim, antes pouco do que nada. No caso dos filtros de linha, prefira modelos com led aos de fusíveis tradicionais. Como esses dispositivos geralmente oferecem diversos pontos de tomada, convém estender a “proteção” ao monitor, à impressora, ao scanner e às caixas de som. Alguns estabilizadores (e até filtros de linha) oferecem uma entrada adicional para o cabo telefônico (RJ-11), de modo que você pode usar essa “ponte” entre a tomada da linha e o modem (e, se conectar seu aparelho telefônico na saída do modem, ele também ficará "protegido").
Postar um comentário