quinta-feira, 18 de outubro de 2012

CUSTO BRASIL OU PURO DESCARAMENTO?



A Chrysler reduziu recentemente o preço de quatro modelos de suas marcas no Brasil. O Jeep Grand Cherokee, por exemplo, passou de R$ 179.900 para R$ 159.900 – mas ainda assim continua custando três vezes mais do que em Miami (assunto que foi ridicularizado no site da FORBES, como você pode conferir aqui).
Parece que, à semelhança dos políticos, as montadoras gostam de fazer o povo brasileiro de palhaço. Os modelos CamaroMalibu, da Chevrolet, também custam três vezes mais no Brasil do que nos EUA, e 
Toyota Corolla, vendido por US$ 21.658 para os argentinos, para nós não sai por menos de US$ 37.636.
Note que esse despautério atinge também os veículos fabricados localmente – que estão 30 anos atrasados em relação aos modelos internacionais, mas nem por isso deixam de figurar entre os mais caros do mundo.

Observação: Isso sem mencionar os encargos de financiamento: um carro de R$ 60 mil, se financiado em 48 parcelas e juros de 4,23% ao mês, saíra por R$ 141.144,20 (ou seja, mais do que o dobro do preço à vista).

A desculpa das montadoras é o “custo Brasil” – combinação de falta de produtividade com infraestrutura indigente, tributação excessiva da mão de obra e um cipoal de impostos e burocracia – o que até faz sentido: para se ter uma ideia, nossas tarifas de energia embutem nada menos que 14 encargos, ao passo que em países como Chile, México, Portugal e Alemanha o peso dos tributos é zero. No entanto, a margem de lucro das montadoras chega a ser três vezes maior no Brasil do que nos outros países – em alguns casos, as sucursais instaladas aqui pelas nossas bandas são responsáveis por boa parte do lucro global de suas matrizes. É mole ou quer mais?
Semana que vem tem segundo turno, pessoal. Votem conscientemente!
Postar um comentário