quinta-feira, 17 de abril de 2014

TRANSFERÊNCIA FÁCIL DO WINDOWS


UMA VEZ DESCARTADO O IMPOSSÍVEL, O QUE SOBRAR, POR MAIS IMPROVÁVEL QUE PAREÇA, DEVE SER A VERDADE.

A Transferência Fácil do Windows é a maneira mais simples de transferir arquivos e configurações de um computador para outro e cai como uma luva na migração do XP para o Seven ou o 8.1. Mas como ela passou a ser fornecida a partir do Seven, você terá de instalá-la na sua maquina antiga – basta clicar aqui e seguir as instruções da mãe da criança (na hipótese de seu XP ser de 64-bits, o que é altamente improvável, clique aqui).

Observação: Sem prejuízo do que foi dito no post anterior sobre a criação manual de um backup dos arquivos, a Transferência Fácil vem sendo aprimorada a cada nova versão, e agora inclui um novo explorador de arquivos que permite escolher exatamente aquilo que deve ser copiado para o novo computador. Caso o Windows encontre um arquivo ou configuração com que não consiga trabalhar, a transferência será concluída e um relatório com tudo o que efetivamente foi migrado, exibido. Para acessá-lo, abra o menu Iniciar, digite Relatório na caixa de pesquisas e clique em Relatórios da Transferência Fácil do Windows (caso não esteja logado com sua conta de administrador, forneça a senha respectiva para ter acesso ao serviço).

A ferramenta transfere arquivos, pastas, emails, vídeos, músicas, favoritos, cookies, configurações de acesso à Internet e algumas do sistema e de determinados aplicativos (embora não transfira os aplicativos propriamente ditos, que terão de ser reinstalados).
O processo pode ser levado a efeito diretamente do PC antigo para o novo através de uma redecabeada ou Wi-Fi –, mas eu sugiro usar um cabo de transferência USB, que você encontra em grandes magazines e lojas de suprimentos de informática (nesse caso, execute a Transferência Fácil do Windows no computador novo, conecte o cabo quando lhe for solicitado e siga as instruções na tela).
Também é possível transferir os dados do PC antigo para um pendrive ou HD externo e dali repassá-los para a máquina nova (ou para o sistema novo no mesmo PC, se for o caso), embora essa opção dê um pouco mais de trabalho. No XP, os arquivos são salvos por padrão na pasta C:\Documents and Settings no PC com o XP. Copie-a para sua mídia removível e, na máquina nova, transfira esses dados para as pastas apropriadas dentro de C:\Users, que contém as pastas Documentos Desktop, dentre outras, no Windows Vista, 7 e 8. Se você não cultiva o (saudável) hábito de salvar seus documentos em Meus Documentos e subpastas, faça uma varredura manual ou recorra ao campo de buscas do menu Iniciar.
O tempo que a transferência demora para ser concluída varia conforme a modalidade escolhida, os recursos dos PCs envolvidos e quantidade de dados. Qualquer que seja sua opção, não deixe de varrer os arquivos com um antivírus responsável, antes e depois de instalá-los no computador novo (ou no sistema novo, se for o caso).

Observação: Não deixe de varrer os arquivos envolvidos na transferência com um antivírus eficiente e devidamente atualizado, e repetir a operação depois de migrá-los para a nova versão do Windows.  
Espero ter ajudado.

Antes de encerrar, considerando que o bacalhau é fartamente consumido na Páscoa, seguem algumas dicas úteis:

Primeiramente, vale lembrar que nem todo bacalhau “norueguês” provém da Noruega – aliás, no Brasil, todo peixe salgado é considerado comercialmente como bacalhau. Então, para não levar gato por lebre, atente para o tipo e a classificação do produto, observe a forma do peixe (que deve ser ter cor de palha e ser quase reto, ou, no máximo, ligeiramente encurvado para dentro) e confira se a pele se solta com facilidade. Vale também segurar o bacalhau pela “cabeça” e soltar a cauda; se ele ficar reto – ou quase reto – é porque está bem curado.
O bacalhau deve ser mantido em local seco e refrigerado, mas só deve ser congelado depois de dessalgado. Para tanto, corte-o em postas, coloque-as num vasilhame e deixe sob água corrente por pelo menos 10 minutos. Ao final, mantenha o vasilhame na geladeira por um período entre 24 e 48 horas, conforme a grossura das postas (imerso em água gelada, ele não irá exalar aquele cheiro característico). Se o bacalhau ficar mais salgado do que o desejado, cubra-o com leite fervente e deixe-o por 30 minutos (e repita a operação, se necessário).
Procure remover a pele com o bacalhau salgado e seco: levante-a numa das extremidades e retire-a com puxadas firmes (o mesmo vale para retirar as espinhas, ou seja, com o peixe ainda salgado e seco), e calcule a quantidade necessária considerando porções individuais de aproximadamente 200 g por pessoa.
Jamais ferva o bacalhau – a menos que a receita exija expressamente esse procedimento –, pois a fervura prejudica o paladar e resseca a carne. Se for fazer bacalhau ao forno ou na brasa, faça um pré-cozimento em fogo brando, sem borbulhar, por cerca de 10 minutos. Para apurar o sabor – desde que a receita permita –, deixe-o temperado com azeite e ervas (coentro ou salsa) ou mergulhado no leite durante pelo menos 2 horas. Procure usar azeite extra-virgem (português, de preferência), azeitonas portuguesas (pretas ou verdes) e batatas roxas ou HBT.  
Para saber mais, visite http://bacalhau.com.br/, onde, dentre outras informações preciosas, você irá encontrar deliciosas receitas (eu, particularmente, fico com a minha picanha).

DEPOIS DE TANTAS MENTIRAS, PELO MENOS UMA VERDADE:


Bom feriadão a todos, uma ótima Páscoa e até terça, se Deus quiser.
Postar um comentário