segunda-feira, 22 de setembro de 2014

MP3, FLAC E OUTROS QUE TAIS

O PUDOR É A MAIS AFRODISÍACA DAS VIRTUDES.

Como dito anteriormente, numa escala de 0 a 10, onde o valor máximo corresponde à música gravada em estúdio, a qualidade de reprodução dos discos de vinil leva nota 7, e a dos CDs comerciais, nota 5. Usando a mesma escala para responder a pergunta que eu deixei em aberto no post anterior, os MP3 Players levam uma singela nota 0,5 (meio ponto).
Claro que isso se refere à qualidade sonora, já que esses ecléticos gadgets são capazes não só de reproduzir arquivos no formato .Mp3, com também, em muitos casos, manipular arquivos .Wav e .Wma, gravar áudio, funcionar como dispositivos portáteis de armazenamento de dados e até sintonizar estações de rádio.
De tamanho reduzido, os brinquedinhos cabem no bolso ou na bolsa, e sua capacidade de armazenamento é espantosa (um iPod chega a comportar cerca de 40.000 arquivos), permitindo ouvir música ininterruptamente, por meses a fio, sem repetir uma única faixa.
Existe uma vasta gama de formatos de arquivos de áudio, e detalhar cada um deles foge ao escopo deste post. Para simplificar, digamos que eles se dividem, basicamente, em “comprimidos” e “não comprimidos”, e que os primeiros privilegiam a economia de espaço em detrimento da qualidade de reprodução, ao passo que nos demais se dá justamente o oposto.
O formato .WAV, p. ex., criado pela Microsoft em parceria com a IBM, baseia-se no PCM – sigla de Modulação por Código de Pulsos, em inglês, que é a mais antiga das tecnologias de digitalização sonora –, e preserva (dentro das suas limitações) a qualidade da gravação original, além de ser compatível com a maioria dos Players disponíveis no mercado (o problema é que 1 minuto de gravação nesse formato ocupa, em média, 10 MB). Já o consagrado .MP3, surgido nos anos 90, tornou-se extremamente popular por gerar arquivos leves, ideais para envio por email ou publicação na Web (uma faixa musical nesse formato ocupa apenas um décimo do espaço do arquivo original).

Observação: No tempo da Internet discada, o download de um disco levava quase 40 horas (quase 4 horas para cada faixa), enquanto um CD inteiro em MP3 podia ser baixado em cerca de 100 minutos. Atualmente, o download do disco em alta qualidade leva 2 horas, e a versão em MP3, cerca de 6 minutos.  

Claro que uma compressão capaz de tal façanha implica necessariamente em perda de qualidade sonora, ainda que não a ponto de tornar a audição desagradável, ou mesmo ser perceptível para a maioria de nós. Mas também existem formatos comprimidos que quase não sacrificam a qualidade da reprodução, dentre os quais o mais popular é o FLAC.
Um .FLAC mediano preserva 70% da qualidade de reprodução sonora original – o que equivale a um vinil da melhor categoria –, enquanto um top de linha chega a 99%. Já o tamanho resultante fica entre 40% e 60% do original. O grande problema é o preço: para ouvir em casa,  gasta-se, no mínimo, R$ 10 mil em equipamentos (PC com banda larga responsável, conversor digital-analógico, pré-amplificador, amplificador e caixas acústicas de última geração), embora haja aficionados que, chegam a pagar mais de US$ 50 mil só pelas caixas de som (RAHIDO). Para ouvir música em trânsito, não entanto, não basta um iPod ou smartphone; é preciso investir cerca de R$ 2 mil num player adequado e num bom par de headphones.
Durma-se com um barulho desses!
Abraços e até amanhã.

Observação: Esta postagem integra informações obtidas a partir da matéria publicada na seção TECNOLOGIA da revista VEJA, edição de 27/08/11.

Falando em música, ouça esta:


Depois assisa a esse vídeo:

Postar um comentário