sexta-feira, 30 de agosto de 2013

PRIVACIDADE - CONTAS DE USUÁRIO NO WINDOWS - Humor de sexta-feira

MELHOR COMER VERDES OS FRUTOS A DEIXAR QUE O LADRÃO OS ROUBE MADUROS.

Quem acompanha este Blog sabe que eu sempre torci o nariz para o assim chamado “Computador da Família”, pois a experiência ensina que compartilhar o PC com quem quer que seja não costuma ser uma boa ideia. Claro que é melhor ter 50% de alguma coisa do que 100% de coisa alguma, de modo que, por limitações de ordem financeira – em outras palavras, falta de grana –, muitas famílias recorriam ao famigerado uso comum do PC, com escalonamento de horários que não raro provocava desavenças entre os usuários, mas isso já é outra história.
De uns anos a esta parte, a estabilidade econômica, o câmbio favorável e outros fatores que agora não vem ao caso enumerar derrubaram o preço dos microcomputadores em geral e dos notebooks em particular, sem mencionar a popularização dos smartphones e tablets, que também contribuiu para que cada usuário tenha sua própria máquina, compartilhando, se tanto, o sinal de Internet através de um roteador Wi-Fi.
Infelizmente, a ótica míope da equipe econômica lulopetista não soube aproveitar os ventos favoráveis que sopraram até o início do ano passado, talvez pensando que, como praticamente não fomos atingidos pela crise de 2008, passaríamos incólumes também pela atual, quando a realidade é bem outra: nos últimos meses, o real foi a moeda que mais se desvalorizou frente ao dólar, sinalizando a fragilidade da nossa economia e sua sujeição aos humores externos.

Observação: Com o fim do “dólar barato”, ficamos novamente confinados ao nosso próprio quintal, pagando mais caro para passar uma semana no nordeste do que em Miami, onde, além do passeio em si, gastávamos bem menos do que aqui para encher a mochila com tênis, roupas e acessórios de grife, além dos indefectíveis gadgets. Afinal, Tio Patinhas cobra em dólar.

Além de repercutir na economia em geral, a alta do dólar terá efeitos indesejáveis no preço dos produtos importados – ou dos fabricados localmente a partir de insumos importados –, sem mencionar que os oportunistas de plantão são rápidos no gatilho para multiplicar por 10 o preço de seus produtos diante de um aumento de 5% em seus custos de fabricação (e viva o povo brasileiro!). No entanto, é possível que alguns acertos – desde que feitos em tempo hábil – evitem a subida descontrolada dos preços, ou até mesmo reduzam os índices de inflação ao "status quo ante" no médio prazo, mas até lá você pode esperar um desembolso maior para trocar sua máquina ou presentear sua consorte ou seus rebentos com PCs, smartphones ou tablets de última geração. E o Natal está aí...

Para concluir (aliás, era este o mote desta pastagem), se for realmente preciso amargar mais algum tempo compartilhando seu computador com os demais membros da família, não deixe de criar contas de limitadas para cada um (inclusive para você, que deve deixar sua conta de Administrado para usar somente quando isso for indispensável), de modo a reduzir sensivelmente a ocorrência de problemas de privacidade, desconfiguração acidental do sistema, ação danosa de malwares, e por aí vai (para saber mais, clique aqui).
Passemos agora à nossa tradicional piadinha de sexta-feira:

Nosso velho conhecido Joãozinho chega ao confessionário:
- Padre, eu pequei. Fui seduzido por uma mulher casada que se diz séria.
- És tu, Joãozinho?
- Sou, padre, sou eu.
E com quem estiveste?
- Padre, eu já disse o meu pecado... Ela que confesse o dela.
- Olhe, mais cedo ou mais tarde eu vou saber. É melhor que me digas agora. Foi a Isabel Fonseca, da farmácia?
- Meus lábios estão selados – disse Joãozinho.
- A Maria Helena Gomes, mulher do médico?
- Por mim, jamais o saberás...
- Ah, já sei... Foi a Maria José, do bazar?
- Não direi nunca.
- A Rosa do Carmo, do colégio?
- Padre, não insista.
- Então foi a Glorinha, da pastelaria?
- Padre, isto não faz sentido.
- Foi a Maria Inês, do Banco do Brasil?
- Jamais apontarei alguém, padre.
O padre rói as unhas, desesperado:
- És um cabeça dura, Joãozinho, mas admiro a tua postura. Reza vinte Pais-Nossos e dez Ave-Marias e vá com Deus...
Joãozinho sai do confessionário e senta num dos bancos da igreja. Seu amigo Maneco desliza para junto dele e sussurra:
- E então? Conseguiu a lista?
- Consegui. Tenho meia dúzia de nomes de mulheres casadas que dão para todo mundo.
Conclusão: O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMEÇA COM A ANÁLISE DO MERCADO.

Bom final de semana a todos.
Postar um comentário