terça-feira, 17 de novembro de 2009

Antivírus (segunda parte)

O crescimento exponencial dos malwares – vírus e outros códigos nocivos como os trojans, spywares e assemelhados, cujas características, objetivos e “modus operandi” não permitem enquadrá-los na categoria dos vírus – propiciou o surgimento de novas ferramentas destinadas a imunizar o computador contra quaisquer programas maliciosos. Até algum tempo atrás, essa “proteção abrangente” exigia softwares adicionais, mas a maioria das suítes de segurança atuais e os bons antivírus de concepção recente se propõem a fazer o “serviço completo”. Particularmente, eu gosto muito do Norton 360, embora existam diversas opções gratuitas bastante eficientes (como você poderá conferir na semana que vem).

Observação: O Norton 360 oferece antivírus, anti-spyware, anti-phishing, proteção de identidade on-line, autenticação de websites e firewall bidirecionalm tudo isso num pacote fácil de instalar, configurar e utilizar. O software trabalha discretamente em segundo plano (varrendo, consertando, atualizando e fazendo backups), e se precisar da intervenção do usuário, ele irá pedi-la de forma discreta e simpática (sem aquela tradicional cascata de caixas de diálogo e janelinhas pop-up pra lá de irritantes). Mais informações no site do fabricante (http://www.symantec.com.br/).

Claro que nenhuma ferramenta de segurança é totalmente “idiot proof” – ou seja, nenhuma delas consegue proteger o usuário dele próprio –, de modo que evitar sites inseguros, links suspeitos, anexos de e-mail recebidos de desconhecidos e outras cautelas que tais continuam sendo indispensáveis.
Se você cismar com um arquivo que seu antivírus tenha avalizado, o melhor a fazer é enviá-lo para análise e obter uma segunda opinião (muitos programas possuem opções em seus menus para realizar esse procedimento, outros informam um endereço de e-mail para o qual o arquivo suspeito deva ser enviado). Alternativamente (ou adicionalmente), você pode recorrer ao VirusTotal (http://www.virustotal.com/pt/), que utiliza mais de 40 soluções diferentes de antivírus para checar se um arquivo está infectado. E se situações como essa ocorrerem com freqüência no seu dia a dia, a Hispasec (criadora do serviço em questão) disponibiliza o VirusTotal Uploader (www.virustotal.com/metodos.html), que permite enviar arquivos para teste simplesmente clicando sobre eles com o botão direito do mouse – da mesma forma como se faz para varrê-los com o antivírus residente.
Amanhã a gente conclui.
Abraços a todos, e até lá.
Postar um comentário