segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Migrando para o Windows 7



Bom dia, pessoal. 
Espero que vocês tenham votado conscientemente e que, na medida do possível, estejam satisfeitos com o resultado do pleito em seus municípios.
Mudar o que está aí não depende somente de nós mas seria um bom começo se, em vez de fazer piadas com o obsceno cenário político nacional, procurássemos demonstrar expressamente o nosso descontentamento. A meu ver, bastaria 70 ou 80 por cento de votos brancos ou nulos para que nossos "dignos" representantes e candidatos a tal desconfiassem da existência de algo podre no Reino da Dinamarca (ou na Ilha da Fantasília, melhor dizendo). Enfim, viva o povo brasileiro!


O retumbante fiasco do Vista fez do XP a mais longeva edição da história do Windows, mas o Seven se mostrou um sucessor à altura, de modo que o velho sistema está com os dias contatados. Então, considerando que o Eight ainda é uma incógnita, que tal aproveitar as promoções de final de ano para adotar o melhor SO que a Microsoft já lançou no mercado?
Interessado? Pois então saiba que você pode aproveitar seu hardware – desde que ele seja capaz de rodar o “novo sistema” – e até mesmo fazer uma atualização a partir do XP ou do Vista (para saber mais, clique aqui, leia minha postagem e siga atentamente as instruções da Microsoft), mas, a meu ver, uma evolução desse quilate merece um PC novinho em folha, com o Seven pré-instalado (para a maioria dos usuários, a versão Home Premium está de bom tamanho).

Observação: Aproveite o embalo para adquirir seu tão sonhado portátil, que tanto pode ser levado de um lado para outro quanto usado como substituto do PC de mesa, mas não deixe de analisar a configuração e as características do aparelho à luz do seu perfil de usuário. Caso mobilidade e portabilidade não lhe interessem, considere a aquisição de um modelo all-in-one, que é mais elegante, dispensa boa parte daquela incomodativa macarronada de cabos e economiza um bocado de espaço na mesa de trabalho.

Note que, diferentemente do que ocorre com um aparelho de TV ou refrigerador, a substituição de um computador não se resume a retirá-lo da caixa, conectar os periféricos e plugar o cabo de energia na tomada. Independentemente da modalidade de transição escolhida, você terá muitas horas (ou dias) de trabalho para deixar tudo “nos trinques”. Mas isso já é assunto para o post de amanhã.
Abraços a todos e até lá.
Postar um comentário