quarta-feira, 26 de novembro de 2014

DRIVERS DA PLACA-MÃE, CHIPSET E DISPOSITIVOS – IOBIT DRIVER BOOSTER 2

A CIÊNCIA SEM A RELIGIÃO É MANCA, A RELIGIÃO SEM A CIÊNCIA É CEGA.

Inicialmente, cumpre alertar os neófitos que os termos drive e driver designam coisas distintas. Aliás, isso e muito mais foi visto numa sequência de quatro postagens publicadas há pouco mais de três anos (começando por esta aqui), e se volto agora ao assunto, faço-o para dedicar algumas linhas ao Driver Booster, da conceituada IObit, que se destaca com louvor entre as demais ferramentas gratuitas para gerenciamento de drivers.

Observação: Drives são dispositivos usados para a leitura de algum tipo de mídia – como é o caso dos drives de DVD, drives de HD, etc. –, ao passo que drivers (ou controladores) são programinhas de baixo nível que servem como “ponte” entre o software e o hardware. Sem eles o Windows não saberia, por exemplo, qual a versão da impressora, em qual porta ela está conectada, se está ou não funcional, se existe papel na bandeja, tinta nos cartuchos, e daí por diante.

Todo hardware precisa de drivers para funcionar, e ainda que o Windows seja capaz de instalar e operar a maioria dos componentes existentes no mercado a partir de sua formidável coleção de controladores nativos, é recomendável instalar as versões mais recentes disponibilizadas pelos fabricantes da placa-mãe, chipset e demais dispositivos (preferencialmente nessa ordem), visando incorporar novos recursos e aprimorar o desempenho e estabilidade do computador.
Então, tenha seu PC poucos meses ou vários anos de estrada, seja ele um modelo de grife ou um Frankenstein integrado a partir de peças do mercado cinza, vale abrir o Menu Iniciar, dar um clique direito em Computador, selecionar Propriedades, clicar no link Gerenciador de Dispositivos e verificar a lista em busca de algum sinal de alerta (para tanto, convém expandi-la clicando na setinha à esquerda de cada item).

Observação: Um ponto de exclamação preto sobre fundo amarelo indica anormalidades; um “X” em vermelho dá conta de que o dispositivo está desabilitado ou não possui driver instalado; um “i” em azul sinaliza que o componente está usando uma configuração manual de recursos; um ponto de interrogação amarelo remete a hardware detectado que não possui driver instalado, e por aí vai (procure mais detalhes no quadro de propriedades).

Amanhã a gente continua; abraços e até lá.
Postar um comentário