quinta-feira, 13 de novembro de 2014

MS CONFIG NO SEVEN... (segunda parte)

NEM SEMPRE O MELHOR JOGADOR GANHA O JOGO; ÀS VEZES, GANHA QUEM SIMPLESMENTE JOGOU MELHOR.

O Utilitário de Configuração do Sistema foi criado para ajudar na solução de problemas na inicialização do Windows, mas é amplamente usado como Gerenciador de Inicialização, já que muitos desenvolvedores não oferecem soluções nativas para ativar/desativar a inicialização automática de seus produtos. Sua tela conta com cinco abas: Geral, Inicialização do Sistema, Serviços, Inicialização de Programas e Ferramentas.
A aba Inicialização de programas foi contemplada na postagem anterior, de modo que na de hoje vamos tecer alguns comentários sobre Geral e Inicialização do Sistema. Acompanhem:
  • Geral permite escolher entre as opções de inicialização Normal, de Diagnóstico e Seletiva (a primeira carrega todos os drivers e aplicativos configurados para iniciar com o sistema, a segunda, apenas os drivers e serviços básicos, enquanto a terceira personaliza a inicialização e se torna padrão quando a lista exibida na aba Inicialização de Aplicativos é modificada – para mais detalhes, reveja o post anterior).
  • Em Inicialização do Sistema, o campo Opções de Inicialização serve para reiniciar o PC no modo de segurança e customizar os recursos disponíveis. A opção Mínima carrega somente os serviços críticos do sistema; Shell Alternativo abre o prompt de comando; Reparo do Active Directory abre a interface gráfica com serviços críticos habilita o Active Directory, e Rede dá acesso à interface gráfica e habilita recursos de rede.
  • As opções à direita (veja figura ao lado) destinam-se, pela ordem, a ocultar a tela de boas vindas, salvar as informações da inicialização num arquivo específico, abrir a interface gráfica em modo VGA mínimo, exibir os drivers carregados na inicialização, temporizar o menu de inicialização e gerenciar a reversão das alterações.

Observação: Como a coisa é um tanto nebulosa, sugiro acessar o modo de segurança nos moldes convencionais, ou seja, pressionando intermitentemente a tecla F8 durante o boot e usando as teclas de seta para selecionar a opção desejada.

O botão Opções avançadas de inicialização permite ajustar o número de processadores usados na inicialização – ou de núcleos, no caso de CPUs multicore -  mas essa questão divide a opinião dos analistas: alguns afirmam que o Windows utiliza todos os núcleos durante o boot, e que a ferramenta serve apenas para limitá-los (como o botão de TURBO dos PCs de antigamente, que, ao contrário do que se costumava pensar, servia para reduzir a frequência de operação da CPU, de modo a permitir a execução de programas ainda mais antigos), mas a tela das opções avançadas de inicialização do meu PC mostra apenas um núcleo habilitado por default. Para adicionar o segundo, eu marquei a caixa Número de processadores, cliquei na setinha à direita e escolhi a opção 2 e, conforme visto nesta postagem, e a partir daí observei uma redução de aproximadamente 10% no tempo de inicialização.
Vale lembrar que esse tempo pode variar devido a uma série de fatores. Quando reiniciamos o PC depois de uma limpeza e compactação do Registro, por exemplo, notamos que o Windows demora mais para nos entregar o comando da máquina, mas os boots subsequentes passam a ser mais rápidos. Em última análise, nada se perde em tentar, até porque basta desfazer o ajuste para que tudo volte a ser como antes no Quartel de Abrantes.    
As demais opções avançadas são simular uma configuração de pouca memória, Bloquear PCI, Depurar e Ajustar as Configurações Globais de Depuração. Detalhá-las foge ao escopo desta postagem (quem sabe numa próxima oportunidade). Nesse entretempo, só promova quaisquer alterações se você realmente souber o que está fazendo.

Amanhã a gente continua; abraços e até lá.
Postar um comentário