segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Memória: quanto mais, melhor?

Em tese, sim; na prática, todavia, a teoria é outra.
Sabemos que o upgrade mais eficiente (e barato) para melhorar o desempenho do PC consiste em ampliar o subsistema de memória - afinal, é na RAM que são carregados e executados tanto o sistema operacional quanto os aplicativos, pastas, arquivos e todas as demais informações que manipulamos quando utilizamos o computador. Em vista disso - e diante da queda no preço dos módulos -, rodar o XP com míseros 256 MB de RAM é puro masoquismo.
Entretanto, antes de correr para a loja de informática mais próxima, saiba que o impacto no desempenho não cresce na mesma proporção do aumento da memória: se você tem apenas 256 MB de RAM, irá experimentar uma melhoria sensível ao duplicar (ou quadruplicar) esse valor, mas os ganhos serão bem menos expressivos ao passar de 1 para 2 GB (a não ser que trabalhe com aplicações pesadas, como programas de editoração gráfica e de multimídia, talvez você nem chegue a sentir a diferença). E além de levar em conta as limitações de seu equipamento (ou seja, a quantidade máxima de memória que ele aceita), é preciso ter em mente que sistemas operacionais de 32 bits são capazes de endereçar "apenas" 4 GB de RAM (mesmo assim, uma parte substancial dessa memória será reservada para mapeamento do BIOS, de modo que poucos PCs irão acessar mais de 3 GB).
Para resgatar essa memória "perdida", só utilizando um SO de 64 bits - o que exige um processador de 64 bits, e o molho acaba saindo mais caro do que o peixe... Em relação ao Vista, a Microsoft diz que essa reserva de memória pode variar de uma máquina para outra, uma vez que ela é diferente da memória total instalada (mais informações em http://support.microsoft.com/default.aspx/kb/929605).
Enfim, para conferir a quantidade de RAM reconhecida pelo seu sistema, dê um clique direito em Meu Computador e, na aba Geral, verifique as informações apresentadas no campo "Computador". Note que, se sua placa gráfica for on-board, uma parte da RAM será alocada para o processamento de vídeo, e o valor declarado será proporcionalmente inferior à quantidade total de memória física instalada. Mas se você fizer a verificação pelo BIOS, deverá ver discriminados tanto o total de memória quanto a reserva para o subsistema de vídeo, o que significa que o reconhecimento é integral. Assim, caso seu PC disponha de 2 módulos de 1 GB cada, por exemplo, e só reconheça 1 GB de memória total, aí a porca torce o rabo - até porque o BIOS não oferece qualquer opção para atuar sobre a memória; ao consultar informações sobre esse componente, é possível apenas visualizar o que está instalado.
Então, o jeito é partir para o método da tentativa e erro: remova um dos módulos de memória, reinicie a máquina e verifique a quantidade de RAM reconhecida. Repita a operação com os demais, até localizar o responsável pelo problema, lembrando sempre que o vilão da história tanto pode ser um módulo, um slot - o que é pior -, ou ambas as coisas - o que é pior ainda). No caso de identificar um pente problemático, consulte seu fornecedor quanto à possibilidade de substituí-lo gratuitamente (às vezes o problema decorre de uma simples incompatibilidade, sem falar que alguns fabricantes de memórias de primeira linha oferecem garantia "life-time" para seus produtos).
Boa sorte.
EM TEMPO:
Amanhã é dia de Patch Tuesday, e a Microsoft deve disponibilizar 12 correções para falhas - sete “críticas” e cinco “importantes” - envolvendo aplicativos do pacote Office, o próprio Windows, o IE e o Media Player 11.
Das atualizações consideradas “importantes”, duas se aplicam ao Windows, uma ao Outlook Express e ao Windows Mail, e as duas restantes ao Messenger e ao Word.
Curiosamente, apenas as versões Vista e Server 2008 do Windows terão de ser atualizadas para solucionar as vulnerabilidades no sistema operacional; as edições mais antigas (Windows 2000, XP e 2003) precisam de apenas uma atualização.
Postar um comentário