quinta-feira, 28 de maio de 2009

Atualizações e outros que tais...

Reinstalar o Windows é uma tarefa aborrecida - conquanto eventualmente necessária. E ainda que o XP seja mais amigável do que as versões anteriores (o processo é praticamente automático), o trabalho pode levar dias, face à necessidade de se reconfigurar e atualizar o sistema, reinstalar todos os aplicativos, e daí por diante.
Claro que existem ferramentas como o Norton Ghost (da Symantec) por exemplo, que criam imagens do disco e permitem “recolocar o bonde nos trilhos” de maneira rápida e pratica, mas são programas pagos e, via de regra, solenemente ignorados pela maioria dos usuários domésticos.
Passando ao que interessa, dias atrás um leitor me perguntou em que pasta o XP armazena as atualizações feitas via Windows Update - talvez pensando em economizar algumas horas de download transportando o conteúdo dessa pasta - C:\WINDOWS\SoftwareDistribution\Download - para o sistema reinstalado (uma idéia interessante, convenhamos, mas que, na prática, não funciona).
Tanto as atualizações do Windows quanto as instalações de softwares são processos complexos (embora pareçam simples à primeira vista, já que são quase totalmente transparentes para os usuários), nos quais a cópia dos arquivos é apenas “a parte visível do iceberg”. Quando rodamos o Windows Update, o serviço identifica as atualizações disponíveis para nossa versão do sistema, e se concordamos com a instalação, os arquivos serão transferidos dos servidores da Microsoft para nosso computador - o andamento pode ser acompanhado pela barrinha de progressão que é exibida numa janelinha. Concluído o download, será dado início à instalação propriamente dita - que também pode ser acompanhada pela barrinha de progressão, e envolve a descompactação e execução de arquivos, a criação de pastas, subpastas e arquivos temporários, a inclusão de novas entradas no Registro, e por aí vai. Ao final do processo, pode ser preciso reinicializar o sistema (para validar as modificações) e, em alguns casos, tornar a rodar o Windows Update (já que determinadas atualizações/correções só podem ser implementadas depois que outras - como um Service Pack, por exemplo - tenham sido instaladas e efetivadas).
Não fossem esses “detalhes”, a coisa seria bem mais simples, e nem seria preciso tornar a instalar os aplicativos após a reinstalação do Windows (bastaria copiar o conteúdo da pasta Arquivos de Programas do sistema “velho” e colá-los na do “novo”, mas, a despeito da vertiginosa evolução da informática, ainda não chegamos a esse ponto).
Para concluir, não custa lembrar que você pode se valer de “atalhos” para atualizar seu sistema após uma reinstalação. Além da própria Microsoft, alguns websites oferecem pacotes completos com patches cumulativos para diversas versões do Windows, como é o caso do http://www.softwarepatch.com/windows/index.html.
Bom dia a todos e até mais ler.
Postar um comentário