segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Memória ou vaga lembrança?

A constante evolução do hardware propicia o surgimento de softwares cada vez mais exigentes, que propiciam o desenvolvimento de componentes ainda mais poderosos, num círculo vicioso (ou virtuoso) sem fim.
Isso explica por que computadores configurados para a realidade de dois ou três anos atrás já estão "obsoletos", mesmo se em perfeitas condições de conservação e funcionamento. Todavia, ainda que o ideal fosse trocarmos nossos PCs, a cada 6 meses, por modelos de ponta novinhos em folha, nem todo mundo pode se dar a esse "luxo" (mesmo considerando a expressiva redução de preço dos Desktops e Notbooks ocorrida no anos passado).
Então, se você não quer (ou ainda não pode) substituir seu equipamento, talvez obtenha bons resultados com um upgrade de memória - até porque muita gente não se atém a esse detalhe quando compra um PC (na hora de conseguir uma máquina mais em conta, vale tudo) e acaba levando para casa um equipamento com com apenas 256 MB de RAM - uma verdadeira "carroça" ao rodar o XP (o Vista, então, nem pensar). A despeito dos requisitos mínimos declarados pela Microsoft - que é modesta quando lhe convém) -, o XP precisa de, pelo menos, 512 MB (se sua placa suportar e seu orçamento permitir, compensa instalar 1 GB), enquanto que o Vista, para mostrar todo o seu poder de fogo, requer de 2 a 4 GB de memória física.
A RAM é determinante para o desempenho do computador. Quando executamos um processador de textos, um cliente de e-mail e um navegador da Internet, por exemplo, a CPU copia os executáveis do disco rígido para memória (física), juntamente com algumas DLLs (arquivos de bibliotecas de ligação dinâmica) e arquivos de dados com os quais iremos trabalhar. Considerando que o próprio SO já ocupa boa parte da RAM disponível, a execução simultânea dessas tarefas pode exigir mais do que módicos 256 MB, especialmente se vários documentos forem abertos ao mesmo tempo ou se houver páginas com muitas imagens ou gráficos. Então, para evitar mensagens de "memória insuficiente" (comuns nas versões mais antigas do Windows) e ser preciso fechar alguns aplicativos antes de abrir outros programas, o Gerenciador de Memória Virtual (VMM) localiza as seções que não são prioritárias naquele momento e as remete para a memória virtual (ou swap file - arquivo de troca, em inglês), no HD.
A título de ilustração, imagine que você esteja com o Outlook aberto, mas que não tenha enviado ou descarregado mensagens na última meia hora. Nessas circunstâncias, o VMM poderá mover todos os arquivos EXE, DLLs e dados desse programa para o disco rígido - e permutá-los posteriormente com dados de outro aplicativo ocioso, quando você tornar a convocar seu cliente de e-mail.
Com base no exposto, fica fácil compreender porque a memória virtual é apenas um paliativo - e não um substituto eficiente da RAM -, já que utiliza uma parte do espaço disponível no disco rígido para emular memória e possibilitar a execução de mais programas e dados simultaneamente. Entretanto, como o HD é um dispositivo eletromecânico e, portanto, centenas de vezes mais lento que a RAM, essa constante troca de arquivos implica uma morosidade considerável: se seu PC tiver pouca memória física e o VMM estiver sempre fazendo intercâmbio de dados (situação em que o led do disco pisca constantemente), você notará uma sensível degradação no desempenho global do sistema.
Ainda que o XP seja capaz de gerenciar automaticamente a memória virtual (recomendável), nada impede que você faça ajustes personalizados. Para tanto, o caminho é o seguinte:

1- Dê um clique direito em Meu Computador, escolha Propriedades, clique na aba Avançado e, no campo Desempenho, clique no botão Configurações.
2- Na tela das Opções de Desempenho, torne a escolher a aba Avançado e, no campo Memória Virtual, clique em Alterar.
3- Verifique então as configurações na parte inferior da janela - a caixa de diálogo de memória virtual oferece um relatório completo do espaço de disco, além do arquivo de troca. Por padrão, a opção Tamanho gerenciado pelo sistema estará selecionada.
4- Para fazer modificações, escolha Tamanho Personalizado e entre com os valores mínimo e máximo (em megabytes), que devem corresponder a algo em torno de 1,5 x a quantidade de memória física instalada (se seu PC tem 512 MB de RAM, por exemplo, insira 768 nos campos em questão). Observação: Se você possui RAM de sobra e não quer utilizar a memória virtual (coisa que a Microsoft não recomenda), marque a opção Sem arquivo de paginação.
5- Feitos os ajustes, clique no botão Definir, confirme e reinicie o computador para validar as modificações.

Amanhã a gente complementa.
Até lá.

Postar um comentário