sexta-feira, 4 de abril de 2008

Phishing e Dia da Mentira.

A vigarice virtual está com a corda toda, e a "criatividade" dos cibermalfeitores parece não ter limites.
Diariamente, uma quantidade astronômica de mensagens de phishing são enviadas para milhões de endereços eletrônicos, visando espalhar malwares que, uma vez executados no computador do internauta, configuram regras de exceção no firewall para conectar o servidor do cracker por diversas portas de saída (os phishings não trazem anexos; do e-mail, o usuário é levado a clicar em um link, e objetivo do cracker é um só: roubar informações pessoais e utilizá-las ilegalmente).
Sites especializados em segurança relatam que uma nova versão do worm Storm, que tem como tema o Dia da Mentira e vem se espalhando rapidamente pela internet. Seus códigos executáveis foram modificados para dificultar sua detecção por antivírus tradicionais, baseados em assinatura (nesse caso, o mehor é usar ferramentas que se baseiem em tecnologias de comportamento). Vale lembrar que, com a proximidade do Dia das Mães, devemos redobrar a atenção para mensagens que se aproveitam do apelo publicitário e emocional dessa data.
E para encerrar o post desta sexta-feira (dia de humor aqui no Blog), segue a transcrição de duas das farsas mais "divertidas" da internet, com base no ranking publicado pela PCWorld (EUA):

Em 1º de abril de 2007, o blog da organização People for the Ethical Treatment of Animals (PETA) trazia uma notícia sobre um grupo anticaça do Minnesota, que havia traçado um engenhoso plano para proteger os animais locais dos caçadores: sedar os veados e cobrir seus corpos com pinturas de camuflagem. Apesar de absurda, a técnica gerou centenas de comentários de protesto, até que uma voz solitária finalmente perguntou: “vocês sabem que dia é hoje, né?”.

Os posts do “Forum on Risks to the Public in Computers and Related Systems”, mais conhecido como Risks, são focados em falhas de segurança em programas de computador – e suas conseqüências e perigos para a vida real. Mas no dia 1º de abril de cada ano, o Risks muda de tom e reporta casos satíricos - e até macabros - sobre usos da tecnologia que deram errado. A edição deste ano relatava o caso de um motorista que ficou preso numa rotatória por 14 horas, devido a uma falha em seu software de controle de tráfego, além do anúncio de um novo software da Universidade de Cambridge de mapas em escala real (1:1), que conteria erros na localização de vias e edifícios no mundo físico.

Ria (se puder).
Um bom final de semana a todos.
Postar um comentário