quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Túnel do Tempo

A Restauração do Sistema, incorporada ao Windows a partir da versão ME, é um recurso extremamente útil, embora muita gente não lhe conceda a merecida importância. Não vou repetir aqui o que já disse em outras oportunidades (para saber o que é, como funciona e como deve ser configurado e utilizado esse expediente, basta você digitar "restauração" no campo Pesquisar Blog e reler as postagens), apenas reforçar que a restauração não é um remédio para todos os males, mas pode poupar muita dor de cabeça em caso de desconfigurações acidentais do sistema ou de ações danosas impostas por vírus ou outros malwares, por exemplo.
Traçando um paralelo com nosso quotidiano, imagine que, ao caminhar tranquilamente pela cidade você escorregue numa casca de banana e acorde no hospital com um galo enorme na testa. Se a vida nos concedesse uma "segunda oportunidade" - como faz a Restauração do Sistema - bastaria simplesmente voltar ao momento anterior ao escorregão e, ciente da existência da tal casca de banana, evitar o tombo e suas respectivas conseqüências.
Ainda que o Windows crie automaticamente pontos de restauração (desde que satisfeitos os pressupostos que o permitam fazê-lo, conforme já comentamos em outras postagens), nada impede que você também o faça manualmente, logo que der início aos trabalhos (ou quando for fazer alguma reconfiguração no sistema, instalar um software qualquer, ou mesmo antes de abrir um anexo de e-mail suspeito, por exemplo). Na hipótese de haver problemas, é só reverter o sistema ao ponto que você criou e tudo voltará a ser como antes no quartel de Abrantes. Lembre-se apenas de que será necessário reinstalar quaisquer eventuais atualizações (do Windows ou de aplicativos, especialmente do antivírus e antispyware), caso elas tenham sido implementadas após a criação do ponto de restauração para o qual você reverteu seu computador.
Bom dia a todos e até a próxima.
Postar um comentário