segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Inicialização empacada


Dias atrás, jogando conversa fora com alguns amigos, veio à baila a lentidão dos PCs – não só do sistema como um todo, mas especialmente da inicialização e, em certos casos, do desligamento. Quando eu comentei que minha máquina leva pouca mais de 1 minuto para inicializar e algo em torno de 15 segundos para desligar, um dos participantes do papo ficou espantado, pois, no seu caso, o processo demora mais de 10 minutos!
Antes de qualquer outra coisa, convém ter em mente que a inicialização envolve diversas tarefas cujo tempo de execução varia conforme a configuração do aparelho, tanto do ponto de vista do hardware quanto do software. Mesmo um computador “de ponta”, com um sistema muito bem configurado, não irá se pôr “instantaneamente” à nossa disposição. Alguns portáteis de última geração, equipados com drives SSD e outros aprimoramentos, prometam “acordar” da hibernação tão rapidamente quanto uma Ferrari alcança 100 Km/h a partir da imobilidade, mas no boot convencional a história é outra – ainda que fique bem aquém dos 10 minutos amargados pelo meu infeliz amigo.
Quando o botão Power é pressionado, a máquina realiza o POST (autoteste de inicialização), procura os arquivos de Boot (conforme a seqüência pré-ajustada via CMOS SETUP), “carrega” o sistema para a memória e exibe a tradicional tela de boas vindas. Quando o usuário faz o logon, suas configurações personalizadas (plano de fundo da Área de Trabalho, programas preferidos, arranjo dos ícones sobre a tela e privilégios de acesso a programas e arquivos, dentre outras coisas) são carregadas, num processo complementar que leva mais algum tempo para ser concluído.    
Para conviver com essa “morosidade”, eu configurei o logon automático e, a partir de então, ligo o computador e vou até a cozinha tomar um cafezinho; quando volto, já encontro tudo “no jeito”. Note que essa solução deixa o PC “desprotegido” e só deve ser implementada por quem não o compartilha com outros usuários – mesmo assim, nunca se sabe quando pode surgir um abelhudo (como o irmãozinho da namorada, por exemplo, ou mesmo ela própria, o que pode representar um perigo ainda maior).
A boa notícia é que há uma maneira de contornar esse problema, como veremos no post de amanhã. Um ótimo dia a todos e até lá.
Postar um comentário