segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

TEMPESTADE ELÉTRICAS - DICAS SOBRE COMO SE PROTEGER

O SEGREDO DA VERDADE É QUE NÃO EXISTEM FATOS, SOMENTE HISTÓRIAS.


Seguem algumas dicas de como se proteger durante tempestades com relâmpagos:

1.   Céu escuro, sensação de leve formigamento no corpo e braços com os pelos arrepiados denunciam a aproximação de uma tempestade elétrica. Se você estiver em casa, desligue a chave geral no quadro de força e mantenha uma distância segura de grades metálicas (como aquelas que protegem portas e janelas). Deixe para tomar banho mais tarde, mesmo que seu chuveiro seja a gás, e use o telefone apenas se o modelo for sem fio.

2.   Na hipótese de um apagão, evite que seus aparelhos sejam danificados por picos de tensão religando a chave geral minutos depois de o fornecimento de energia ser restabelecido.

3.   Se o temporal apanhá-lo em campo aberto – como em áreas rurais, onde a distância que separa os imóveis costuma ser maior do que nos grandes centros, e a quantidade de pára-raios, menor –, fuja do topo de morros e locais altos. Evite ainda buscar abrigo sob árvores isoladas (note que, em grupo, as árvores não atraem raios) e segurar objetos metálicos longos, como tripés, varas de pesca ou guarda-chuvas.

Observação: O pára-raios cria um caminho, com um material de baixa resistência elétrica, para que a descarga entre ou saia pelo solo com um risco mínimo às pessoas presentes no local. 

4.   Não havendo nenhuma estrutura de alvenaria onde se esconder até a coisa amainar, agache-se e mantenha os pés juntos (os raios se espalham de forma concêntrica; se você mantiver as pernas afastadas, a diferença de potencial entre seus pés permitirá a passagem da corrente pelo seu corpo).

5.   Na praia, lago ou piscina, saia da água com a possível urgência e procure abrigo em local coberto. Lembre-se de que o prego que se sobressai é o que leva a martelada, e a cabeça do banhista na água...

6.   O automóvel com as janelas fechadas é um
abrigo seguro contra raios, pois as descargas elétricas são dissipadas pela superfície metálica e absorvidas pelo solo sem causar danos a quem estiver em seu interior. Só o abandone em caso de enchentes, e mesmo assim se a água chegar a um nível preocupante.

Observação: Engana quem pensa que os raios não caem duas vezes no mesmo lugar. A rigor, eles costumam “repetir” um local quando há condições de atração, como no caso é o Cristo Redentor, no morro do Corcovado, no Rio de Janeiro, que é atingido anualmente por uma média de seis raios.

Note que as concessionárias de energia podem ser responsabilizadas por eventuais danos decorrentes de picos de tensão, apagões e quedas de raios. Para tanto, basta seguir as orientações que serão publicadas na postagem de amanhã.

Abraços e até lá. 
Postar um comentário