terça-feira, 14 de julho de 2015

DICAS PARA AUMENTAR A AUTONOMIA E A VIDA ÚTIL DAS BATERIAS (continuação)


UM HOMEM DE SUCESSO É O QUE GANHA MAIS DINHEIRO DO QUE SUA MULHER CONSEGUE GASTAR; UMA MULHER DE SUCESSO É A QUE CONSEGUE ENCONTRAR UM HOMEM DESSES.

Mutatis mutandis, o que foi dito no post anterior em relação a notebooks vale também para smartphones e tablets, lembrando que, nesse segmento específico, quem reina é o Android (com quase 55,68% de participação, contra 29,78% do iOS e 1,9% do SO da Microsoft, conforme dados da StatCounter GlobalStats, de março deste ano). A propósito, vale lembrar também que os ajustes disponibilizados por esses gadgets podem diferir tanto na nomenclatura quanto na localização dos comandos nos menus, de acordo com a marca, o modelo, o sistema operacional e respectiva versão. Assim, é de importância fundamental ler o manual de instruções do seu aparelho, preferencialmente na versão digital (geralmente na forma de um arquivo .PDF), onde as informações costumam ser mais completas e detalhadas do que no folheto impresso (foi-se o tempo dos livretos, infelizmente). Feitas essas ressalvas, passemos às considerações conceituais e dicas práticas. Acompanhe:

·        Os aparelhos de marcas bem conceituadas no mercado trazem baterias e carregadores homologados pelos respectivos fabricantes, e é recomendável manter esse padrão de qualidade se for preciso substituí-los (situação em que a compra deve ser feita numa loja regularmente estabelecida, mediante nota fiscal). Como dito alhures, capinhas, películas de proteção do display e outras "perfumarias" podem ser compradas no mercado informal, já que, nesse caso, a economia não implica em riscos para a segurança.
·        Devido à baixa amperagem da tomada 12V do carro e das portinhas USB do computador, prefira plugar o carregador numa tomada da rede elétrica e, se possível, manter o aparelho desligado durante a recarga.
·        Mantenha os conectores da bateria e do respectivo compartimento livres de poeira e outras impurezas que possam prejudicar o contato (use um pincel umedecido em álcool isopropílico para limpar e um pano macio para secar).
·        Telas grandes e taxas de resolução elevadas aumentam significativamente o consumo de energia, mas é possível obter alguma economia reduzindo o brilho da tela e o tempo de timeout (modo de espera). No caso específico dos celulares (dumbphones ou smartphones), vale manter o teclado bloqueado, de modo a evitar que a iluminação seja acionada acidentalmente. E se o aparelho dispuser de flash, não deixe de ajustá-lo para atuar somente em condições de pouca luminosidade.

Observação: Se seu gadget tiver uma tela AMOLED (como diversos modelos fabricados pela Samsung), utilize um fundo de tela escuro, pois essa tecnologia só ilumina os pixels coloridos (ou seja, deixa os pretos apagados e, consequentemente, reduz o consumo de energia quando se utiliza um fundo escuro).

·        Wi-Fi, Bluetooth, 3G/4G, NFC, GPS e avisos sonoros ou vibratórios que dão conta do recebimento torpedos, emails, e assemelhados são vorazes consumidores de energia e, portanto, devem ser ativados somente em situações de real necessidade. Adicionalmente, vale configurar um ringtone como alerta de chamada e deixar o vibracall para situações ou ambientes onde “não cai bem” o aparelhinho berrar o hino do Timão ou outro toque musical de gosto igualmente discutível (note que, em termos de consumo, tanto faz usar os toques-padrão do aparelho quanto trechos de arquivos MP3, pois o que voga é o número de vezes que o toque é reproduzido até que o usuário atenda a chamada).
·        Quanto mais aplicativos ativos, maior o consumo de energia. Habitue-se a encerrar tudo o que estiver sendo executado desnecessariamente em segundo plano e a proceder manualmente à sincronização de emails, redes sociais, etc.

Observação: O Android oferece uma visão geral do consumo de bateria de cada aplicativo e de cada processo. Para conferir, abra o menu Configurações, selecione Bateria e veja a lista dos apps mais esfaimados. Limpar o cache dos gulosos pode ajudar, mas se não resolver, o jeito será você deletar o aplicativo e procurar um similar que consuma menos energia.

·        Baterias recarregáveis suportam um número limitado de recargas, ao final do qual se tornam incapazes de armazenar energia. Se sua bateria começar a pedir recargas com frequência cada vez maior, o melhor a fazer é substituí-la com a possível urgência. Note que, ao contrário do que muitos acreditam e alguns querem fazer crer, ainda não se desenvolveu um programa capaz de restituir a funcionalidade a uma bateria desgastada pelo tempo, embora haja uma vasta gama de aplicativos, muitos deles gratuitos, que gerenciam o consumo e exibem diversas informações interessantes, mas nada além disso.
·        Volto a lembrar que baterias de íon de lítio não estão sujeitas ao efeito memória, e, portanto, você não deve esgotá-las totalmente antes de recarregá-las (aliás, isso nem é mais possível, pois os aparelhos de fabricação recente desligam-se automaticamente quando o nível de cai para algo em torno de 5%, de maneira a não comprometer a vida útil do componente). Todavia, se sua bateria deixar de segurar carga, experimente realizar dois ciclos seguidos de carga e recarga completas (isso nem sempre resolve o problema, mas a tentativa é válida).
·        A despeito do muito que se diz, não há provas cabais de que carregar totalmente uma bateria de íon de lítio prejudique sua vida útil, mas a maioria dos (bons) carregadores interrompe o fluxo de energia quando o nível de carga atinge de 90% a 95%, visando prevenir superaquecimentos e sobrecargas indesejáveis. Como seguro morreu de velho, desligue o cabo da tomada tão logo o aviso de carga completa seja exibido.
·        Há ocasiões em que pode ser preciso checar emails em trânsito, embora seja enfaticamente recomendável deixar para fazer isso a partir do PC de casa ou do trabalho. E o mesmo se aplica a navegar na Web, trocar recadinhos via programas mensageiros, assistir a vídeos em streaming, ouvir música em rádios online e realizar atividades que tais, pois o tráfego de dados é um ávido consumidor de energia.
·        Diversos aplicativos prometem gerenciar o consumo de energia, mas a maioria deles não passa de simples "task killers". Se seu smartphone for baseado no Android, experimente o DEEP SLEEP BATTERY SAVER, que mesmo na versão gratuita oferece cinco perfis diferenciados, sendo um deles personalizável.
·        Se você não for usar seu telefone por longos períodos (durante um semestre sabático num vale tibetano, por exemplo), desligue-o, retire a bateria e guarde tudo num local fresco e seco. Note que o ideal é que a carga da bateria esteja pela metade (guardá-la "seca" ou totalmente carregada pode prejudicar sua capacidade de armazenamento).
·        É essencial manter o software do seu portátil devidamente atualizado (aliás, na hora de optar por este ou aquele aparelho, dê preferência a versões mais recentes do SO, ainda que o impeça de aproveitar eventuais promoções). No entanto, o download automático das atualizações dos aplicativos (configuração padrão dos aparelhos baseados no Android) não só consome bateria como também esgota mais rapidamente a franquia do seu plano de internet móvel. Então, acesse as Configurações do Play Store e marque Não atualizar apps automaticamente ou Atualizar apps automaticamente somente via Wi-Fi, a seu critério.
·        Lembre-se de que smartphones e tablets são, essencialmente, computadores, e a quantidade de malwares dirigidos a essa plataforma vem crescendo a passos de gigante, justificando amplamente a adoção de uma ferramenta de proteção adequada. E na condição de SO mais popular para dispositivos móveis, o Android é o principal alvo dos cibercriminosos (segundo a empresa de segurança russa Kaspersky, mais de 90% das ameaças atuais são direcionadas a essa plataforma). Então, seja seletivo ao instalar apps, e procure fazê-lo preferencialmente a partir do Google Play Store (clique em Aplicativos e toque no ícone Play Store). Caso seu portátil seja um iPhone ou um iPad, baixe os programinhas da Apple Store; se for um aparelho baseado no Windows, recorra à loja virtual da Microsoft.

Observação: Eu, particularmente, uso e recomendo o PSafe, que oferece proteção contra pragas digitais, gerencia aplicativos, exclui arquivos desnecessários, bloqueia ligações e mensagens de números indesejáveis, monitora o consumo de carga, ajuda a encontrar o telefone em caso de perda, furto ou roubo, e por aí vai.

Abraços a todos e até amanhã.
Postar um comentário