segunda-feira, 18 de abril de 2016

COMPUTADOR NOVO ― PARTE II

QUANDO ROLA QUÍMICA É BOM. SE ROLAR FÍSICA, MELHOR AINDA. O PROBLEMA MESMO É QUANDO ROLA BIOLOGIA.

Depois de levar a efeito as providências que discutimos no post anterior, é hora de conferir a situação dos drivers da placa-mãe, do chipset e dos demais componentes de hardware do seu computador. 

O Windows é capaz de reconhecer, instalar e controlar a maioria dos dispositivos existentes no mercado à época do seu lançamento a partir de uma vasta coleção de drivers nativos disponível em seu banco de dados. No entanto, é fundamental substituir esses programinhas pelas versões atualizadas fornecidas pelos fabricantes da placa-mãe, chipset e demais dispositivos que compõem o sistema computacional, já que assim você aprimora o desempenho e a estabilidade do computador e tem acesso a diversos recursos adicionais.

Observação: Drives são dispositivos usados para armazenamento de dados ou leitura de algum tipo de mídia ― como é o caso dos drives de HD (disco rígido) e de mídia óptica, respectivamente ―, ao passo que drivers ― também conhecidos como controladores ― são programinhas de baixo nível que servem de “ponte” entre o software e o hardware, sem os quais o Windows não saberia, por exemplo, qual a versão da impressora, em qual porta ela está conectada, se está ou não funcional, se existe papel na bandeja, tinta nos cartuchos, e assim por diante.

Na sequência de quatro postagens iniciada por esta aqui, eu expliquei como checar a situação dos drivers através do Gerenciador de Dispositivos do Windows, como instalar drivers manualmente, como automatizar esse processo com a ajuda de programinhas que se encarregam de localizar, baixar e aplicar as versões atualizadas, e por aí afora. A publicação se deu em 2011, mas as informações conceituais continuam valendo, de modo que sugiro reler os artigos para ter uma ideia melhor sobre o assunto. Todavia, no que concerne à atualização de drivers, o excelente Driver Booster 3 Free facilita sobremaneira o trabalho (a versão paga é mais completa e prenhe de recursos, mas, para uso pessoal, a gratuita já está de bom tamanho). E se você dispõe da (igualmente excelente) suíte de manutenção IOBit Advanced System Care Free, nem precisa se dar ao trabalho de fazer o download. Basta clicar na aba Caixa de Ferramentas e ativar a opção Driver Booster. Feito isso, é só rodar o programinha semanal, quinzenal ou mensalmente, a seu critério, e, se houver drivers desatualizados, corrigir o problema com uns poucos cliques do mouse. Sopa no mel!

O próximo passo é eliminar todo o entulho adicionado pelo fabricante do PC no momento em que o sistema operacional é instalado. Via de regra, são dezenas de programinhas em versões de teste (trial), que não passam de completos “inutilitários”, mas ocupam espaço no disco e não raro disputam recursos importantes do sistema ― como memória RAM e ciclos de processamento ― com aplicativos de que você precisa e que realmente utiliza. Para não prolongar demais este texto, voltaremos ao assunto na próxima postagem. Abraços e até lá.  
Postar um comentário