quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

O ÚLTIMO ADEUS DO WINDOWS 7

ATAQUE O INIMIGO ONDE ELE ESTÁ DESPREVENIDO E UTILIZE CAMINHOS QUE, PARA O INIMIGO, SEJAM INESPERADOS.

O Windows é o sistema operacional para PCs mais popular em todo o mundo. Sua criação nos anos 1980, sua conversão de interface gráfica baseada no DOS para sistema operacional autônomo em 1995, o sucesso retumbante do Win98SE, do XP e do Seven e o fiasco das malsinadas edições ME, Vista e Eight, tudo isso já foi detalhado em outras oportunidades (notadamente na sequência sobre sistemas operacionais que eu publiquei a partir desta postagem).

Relembro essa trajetória porque a Microsoft encerrou no último dia 31 a venda de licenças do Windows 7 Pro e de todas as versões do 8.1, deixando seu mais novo rebento ― o Windows 10 ― como a única opção para os fabricantes de PCs que fornecem seus produtos com o sistema pré-carregado.

A interrupção das vendas do Seven Professional estava prevista para outubro de 2014 ― dois anos depois do lançamento do Eight ―, mas a empresa de Redmond voltou atrás e suspendeu apenas suas vendas no varejo. Um ano depois, todavia, ela avisou aos fabricantes parceiros que deixaria de fornecer essas edições, e foi o que fez, coincidentemente no Dia das Bruxas (ou Halloween, como se diz lá nos EUA).

Com bruxaria ou não, os PCs com o Seven Pro não sumirão do mercado como num passe de mágica, pois os fabricantes poderão usar as licenças que ainda possuem em estoque. Vale salientar que o Windows 7 continua bastante popular ― com presença em 48% dos computadores mundo afora ―, a despeito do Windows 10, ocorrido em meados do ano passado. Além disso, as empresas com acordos de licenciamento corporativos podem continuar a comprar novos PCs e fazer o downgrade do 10 para o 7 Pro, caso queiram continuar usando essa edição do Windows.

(Com informações do portal de tecnologia IDG Now!).


A ALMA VIVA MAIS HONESTA DO BRASIL E A DELAÇÃO DO FIM DO MUNDO

Lula, o insolente, e seu filho Luiz Cláudio, o interveniente (não confundir com o primogênito Lulinha, ou “Ronaldinho dos Negócios”, que passou de catador de bosta de elefante a empreendedor do ramo do entretenimento e faturou mais de R$ 300 milhões em 15 anos de carreira), foram denunciados pelo Ministério Público Federal de Brasília por tráfico de influência, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

O MPF sustenta que os crimes foram praticados entre 2013 e 2015, quando Lula (que já é réu em 4 ações penais), na condição de ex-presidente, integrou um esquema que “vendia promessas” de interferir junto ao governo para beneficiar as empresas MMC, grupo CAOA e SAAB, clientes da Marcondes e Mautoni Empreendimentos e Diplomacia.

Luiz Cláudio se mudou para o Uruguai, onde foi contratado pelo modesto Juventud de Las Piedras, que atualmente ocupa a sétima colocação do Campeonato Uruguaio. O menino de ouro já foi auxiliar de preparador físico e olheiro do Corinthians, mas ganhou notoriedade na Operação Zelotes, quando se veio a saber que sua empresa ― a LFT Marketing Esportivo ―, que nem mesmo tinha funcionários, teria recebido R$ 2,4 milhões do escritório de advocacia Marconi & Mautoni por uma “consultoria” que consistiu em simples cópia de material publicado na Internet. Mais adiante, descobriu-se que a maracutaia chegou a quase R$ 10 milhões, dos quais R$ 4 milhões vieram da Marcondes & Mautoni, e o restante, “de outras fontes suspeitas” que ainda estão sendo investigadas.

Comparado aos R$ 224 milhões embolsados pelo ex-governador do Rio Sérgio Cabral e seus asseclas, a propina garfada pelo pimpolho de Lula (considerada aqui pelo valor menor) é uma merreca. Por outro lado, como a renda média do brasileiro mal chega a R$ 2 mil, seria preciso trabalhar 105 anos sem gastar um centavo para juntar os R$ 2,4 milhões pagos ao ex-ajudante de treinadores de futebol que fundou duas empresas e faturou ― até onde se sabe ― mais R$ 13 milhões a título de consultoria e patrocínio.

Entrementes, em outro ponto da Banânia, “o homem da Odebrecht em Brasília (Cláudio Melo Filho) entregou à PGR um calhamaço de 82 páginas, onde relaciona 40 políticos a R$ 68 milhões pagos pelo setor que a Odebrecht chama de “operações estruturadas”, mas que ficou conhecido como “departamento de propinas” por gerenciar toda a circulação clandestina do dinheiro com que a empreiteira financiava a compra de leis, medidas provisórias e decisões de interesse do Grupo Odebrecht. Dinheiro que, segundo o delator, molhou a mão de caciques da Banânia do quilate do presidente Michel Temer (ou MT, como ele aparece na lista da empreiteira, onde todos os beneficiários são identificados por um codinome para manter sua identidade real no anonimato). Pessoalmente, eu tenho cá minhas dúvidas, até porque seria muita falta de imaginação referir o presidente pelas iniciais e atribuir aos demais apelidos tão criativos quanto Justiça (Renan Calheiros); Caju (Romero Jucá), Babel (Geddel Vieira Lima), Caranguejo (Eduardo Cunha), “Primo” (Eliseu Padilha); Ferrari (Delcídio do Amaral); Polo (Jaques Wagner); Índio (Eunício Oliveira); Gato Angorá (Moreira Franco); Botafogo (Rodrigo Maia); Gripado (Agripino Maia) e por aí afora.

Vale lembrar que o delator baiano é apenas um dos 77 informantes da chamada Delação do Fim do Mundo, e que há uma escala de valores entre eles.  Os cinco delatores mais importantes são Emílio Odebrecht, Marcelo Odebrecht, Alexandrino Alencar, Pedro Novis e Benedicto Júnior, que compraram o Poder Executivo ― em particular o PT, repassando propinas a Lula, Dilma e aos ex-ministros da Fazenda Antonio Palocci e Guido Mantega, que atuavam como tesoureiros clandestinos do esquema. A despeito dos Petralha News terem comemorado o fato de Dilma não ter sido mencionada nominalmente, a lacuna deverá ser preenchida em breve pelo “Príncipe das Empreiteiras”(*), mas o ex-secretário particular da nefelibata da mandioca, Anderson Dornelles ― o Las Vegas ― e o ex-ministro da Casa Civil, Jaques Wagner ― o Polo ― já entraram na dança, acusados de receber mesadas de R$ 50 mil e propina de R$ 3 milhões, respectivamente.

(*) Marcelo Odebrecht deverá explicar à Lava-Jato como repassou R$ 4 milhões à senadora Gleisi Hoffman, a pedido da amiga Dilma. O dinheiro proveio do departamento de propinas da empreiteira, e foi usado pela senadora petralha para quitar dívidas milionárias com o marqueteiro responsável por sua campanha ao governo do Paraná, em 2014. Isso comprova o que todo mundo já sabia ― que Dilma faltava com a verdade quando afirmava jamais se ter envolvido diretamente nas maracutaias que pululavam durante suas campanhas eleitorais e ao longo de seus imprestáveis mandatos. Demais disso, a PGR do DF abriu mais um inquérito contra a imprestável, desta vez por conta das pedaladas fiscais de 2015. Com isso, a mulher sapiens passou a ser formalmente investigada em pelo menos dois inquéritos civis e um criminal. E vem mais coisa por aí. Pelo andar da carruagem, em breve a jabuticaba parida por ocasião do julgamento do impeachment, que manteve os direitos políticos da ex-presidanta, não lhe será mais de qualquer serventia, pois uma condenação em qualquer das ações retro citadas (e nas que ainda vierem a ser ajuizadas) resultarão na cassação de seus direitos políticos

Pelo visto, Ary do Cavaco ― compositor do refrão “se gritar pega ladrão, não fica um, meu irmão”, morto em 2011 ― é quem sabia das coisas.

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/

4 comentários:

Carlos disse...

O suporte do Windows 7 vai até 2020

Fernando Melis disse...

Oi, Carlos.
Sim, o suporte estendido do Windows 7 SP1 termina 14 de janeiro de 2020 (o suporte base expirou em 13 de janeiro de 2015).
Note que é possível continuar usando uma edição do Windows depois que ela deixa de ser suportada pela Microsoft (muita gente ainda usa o XP, inclusive empresas de tecnologia bancária, como você pode conferir se tiver oportunidade de presenciar a reinicialização de um caixa eletrônico, por exemplo). Claro que, devido à interrupção no desenvolvimento e disponibilização de atualizações e correção críticas e de segurança, o sistema desassistido se torna potencialmente inseguro. Por outro lado, a bandidagem digital costuma concentrar suas baterias nas bolas da vez, ou seja, nos sistemas e aplicativos mais utilizados, que para essa raça espúria representa um número mais expressivo de vítimas potenciais.
Então, a conclusão é de que você estará menos protegido usando o XP, por exemplo, mas também será menos visado pelos crackers e assemelhados.
Obrigado pela participação. Volte mais vezes e escreva sempre que quiser.

Martha disse...

Oi Fernando
Eu ainda não chamei meu amigo Computer Guy...continuo com os problemas mas está dando para levar...
Eu tenho uma saudade imensa do Seven...
Não adianta chorar sobre o leite derramado...
Quanto ao restante:estou a cada dia mais pasma em relação ao caráter das pessoas...
Ninguém é perfeito mas daí a ser corrupto vai uma grande diferença!!!
Você não vê um arrependimento ou qualquer esboço de consciência nessas pessoas...
O que aconteceu com o nosso povo?
Somos tão imorais assim?
Bjs e obrigada sempre!!!!

Fernando Melis disse...

Oi, Martha.
Também gostei muito do Seven. E do XP antes dele. Mas a fila precisa andar.
Confesso a você que, com a possível exceção do upgrade de aniversário problemático, não tenho queixas do Ten a ponto de dizer que me arrependo da evolução.
No mais, vivemos dias sombrios, doutora. Claro que, como se costuma dizer, primeiro é preciso piorar para depois melhorar. Aliás, Churchill dizia que nunca se deve deixar uma crise ser desperdiçada. Mas tudo tem limites.
Enfim, vamos tocando o barco a sopro, tateando no escuro, rezando para não soçobrar antes de chegar a algum lugar.
Beijos e até mais ler.