sábado, 20 de janeiro de 2018

GLEISI HOFFMANN E A PRISÃO DE LULA


Político brasileiro não tem currículo, tem ficha-corrida. Se for do PT, então, nem se fale. Mas seria de esperar coisa muito diferente de um partido chefiado por um hepta-réu condenado, e presidido por uma débil mental que, em recente entrevista ao site vermelho Poder 360, saiu-se com a seguinte barbaridade: Para prender o Lula, vai ter que prender muita gente, mas, mais que isso, vai ter que matar gente. Aí, vai ter que matar.”

Gleisi Hoffmann ― ou “coxa”, como era identificada na planilha de propinas da Odebrecht ― é senadora pelo PT do Paraná e presidente nacional do Partido dos Trambiqueiros. Ela e seu notório marido ― Paulo Bernardo, ex-ministro do Planejamento de Lula e das Comunicações no governo Dilma ― são réus por corrupção passiva e lavagem de dinheiro num processo que já tem mais de 3.000 páginas e cujo julgamento deve ser pautado assim que o STF retornar do recesso. Mas esse currículo “invejável” não a impediu de suceder a Rui Falcão na presidência da ORCRIM; afinal, ninguém melhor do que um criminoso para comandar uma quadrilha.

Gleisi fez por merecer o posto. Não só liderando a tropa de choque de Dilma durante o impeachment, mas também cometendo toda sorte de atrocidades. Um bom exemplo se extrai do papelão que ela fez no ano passado, quando, acompanhada de outras quatro “companheiras de ideologia” e industriada por certo ex-guerrilheiro de araque e pelo mui suspeito presidente da CUT, ocupou a mesa diretora do Senado e obstruiu por mais de 6 horas a votação da reforma trabalhista. Para um país que mal superou o trauma de ter tido como primeira presidente mulher uma besta teleguiada pelo padrinho, esse protesto feminista com controle remoto masculino foi mais que lamentável.

Mas não é só. Ao assumir a presidência do PT, a senadora-ré declarou que o partido não faria autocrítica de seus atos escabrosos para não fortalecer o discurso dos adversários. E jamais perdeu uma chance de enaltecer a ditadura venezuelana: ao abrir o 23º encontro do Foro de São Paulo, na Nicarágua, Gleisi prestou solidariedade ao PSUV ― vítima, segundo o PT, de violenta ofensiva da direita pelo poder na Venezuela. “Temos a expectativa de que a Assembleia Constituinte possa contribuir para uma consolidação cada vez maior da revolução bolivariana e que as divergências políticas se resolvam de forma pacífica”, disse a desqualificada, a despeito de aquele país amargar a segunda maior taxa de homicídios do mundo, conviver com uma taxa de inflação de mais de 2.000% ao ano e estar em permanente clima de “quase guerra civil”. Aliás, com a cara mais deslavada do mundo, a senadora delirante atribuiu as denúncias contra o governo de Nicolás Maduro a uma campanha da CIA e da “imprensa golpista”. É mole?

A entrevista de Gleisi ao site Poder 360, do “cumpanhêro” Fernando Rodrigues, demonstra não só a lamentável escalada de radicalização que os baba-ovos de Lula vêm promovendo contra o julgamento no TRF-4, mas também o descontrole emocional que domina as principais lideranças do partido. Aliás, em entrevista concedida à agência de notícias Bloomberg, a senadora mandou um recado aos investidores estrangeiros para que não se preocupassem, pois Lula, segundo ela, é um líder político conciliador e estaria disposto a publicar uma nova versão da carta aos brasileiros para garantir seus compromissos com o equilíbrio fiscal.

Como boa parte dos políticos em Brasília, Gleisi se descolou da realidade, principalmente depois de ver de ver se agigantarem as chances de seu amado líder ser impedido de concorrer à presidência da República e acabar seus dias na cadeia. Em sua página no Facebook, essa sumidade postou uma foto da torcida do Futball-Club Bayern München com uma mensagem que, para ela, seria de apoio a Lula ― como se o julgamento desse cafajeste estivesse mobilizando até mesmo torcidas organizadas alemãs ―, quando na verdade a foto mostrava uma faixa onde se lia “Forza Luca”, em alusão a um acidente sofrido por um torcedor. Ou seja, o fanatismo patético da senadora provocou uma ilusão de ótica que a fez ler Lula em vez de Luca.

De acordo com Merval Pereira, outros três episódios evidenciam que o julgamento de Lula no TRF-4 está mexendo com os nervos da presidente do partido. E não só com os dela. Os advogados do petralha resolveram  ― de última hora  ― incluir como “nova prova” da inocência de seu cliente a penhora do tríplex do Guarujá ― determinada indevidamente por uma juíza do DF numa ação movida por credores contra a OAS (mais detalhes na postagem de ontem). 

Zanin e companhia alegam que essa penhora demonstra de maneira irretorquível que o apartamento de Lula não é do Lula, esquecendo-se ― muito convenientemente ― de que Lula foi condenado justamente por tentar esconder a posse de fato do imóvel (que, aliás, foi confiscado judicialmente pelo juiz Sérgio Moro como produto do crime que resultou na condenação).

Em outra tentativa de alterar o andamento do processo, os rábulas lulistas pediram que seu cliente fosse ouvido novamente no TRF-4 antes do julgamento, alegando que o depoimento ao juiz Moro teria sido comprometido pela parcialidade do magistrado. O desembargador João Pedro Gebran Neto, relator dos processos da Lava-Jato no TRF-4, rejeitou o pedido, naturalmente, até porque para aceitá-lo seria preciso anular o primeiro depoimento, o que só poderia ser feito pelo plenário da Corte de apelação. E a mais recente trama foi tentar incluir um advogado americano entre os defensores de Lula, mas ele não tem registro na OAB e, portanto, não pode atuar em nosso país. 

Para tumultuar ainda mais o julgamento, os deputados petistas Wadih Damous e Paulo Teixeira participarão da sessão e farão sustentações orais em favor do corréu Paulo Okamoto, presidente do Instituto Lula  ― que foi absolvido por Moro, mas recorreu da decisão (tem cabimento uma coisa dessas?). 

Enfim, o espetáculo circense está sendo armado, e o Tribunal, transformado em palanque com mais essa estratégia do PT para politizar o julgamento. Okamoto, registre-se, minimizou a verborragia estapafúrdia de Gleisi sobre prender Lula e morrer gente, afirmando tratar-se de força de expressão, e coisa e tal. O fiel escudeiro do petralha se imolou simbolicamente para atenuar o disparate da desmiolada, mas isso não diminui a gravidade da conclamação da militância a responder com violência à condenação de seu amado líder. 

Como se vê, o périplo do presidente do TRF-4 a gabinete de autoridades em Brasília, em busca de garantias para que o julgamento transcorra sob controle das forças de segurança, não foi desmotivado. O apelo ao confronto salta aos olhos na alta cúpula e na militância petista. Esperemos que sejam apenas bravatas irresponsáveis (o que já não é pouco), e que o “vai morrer gente” da presidente do PT seja mesmo força de expressão, mais uma de suas notórias “viagens na maionese”. A conferir nos próximos 4 dias.

Visite minhas comunidades na Rede .Link:
Postar um comentário