quinta-feira, 20 de maio de 2010

De volta ao RAID

Tempos atrás, por conta de uma sugestão do Leonardo (sumido, mas não esquecido), lembro-me de ter falado sobre RAID (embora pareça nome de inseticida, essa é a sigla em inglês para Arranjo Redundante de Discos Baratos). O assunto voltou à baila devido ao comentário que eu deixei tempos atrás numa postagem do Blog do Victor (cujo endereço consta da nossa área de links).
Passando ao que interessa, a maioria dos sistemas modernos de computadores e placas-mãe oferece suporte ao RAID, que, no caso de usuários domésticos, geralmente é implementado nos modos zero ou um.

O RAID 0 (zero) requer pelo menos dois drives, e sua implementação não implica em redundância, já que ele apenas divide os dados para maximizar o desempenho de leitura e escrita (assim, dois discos idênticos de 160 GB, por exemplo, são enxergados pelo sistema com um único drive de 320 GB; todavia, se um deles falhar, a perda dos dados se estenderá a ambos).

Já o RAID 1 (um) trabalha com redundância pura. Nesse caso, o conjunto de 320 GB do exemplo anterior seria visto como um único disco de 160 GB - como os dados são espelhados em ambos os discos, a escrita fica um pouco mais lenta, mas a leitura costuma ser mais rápida, pois um drive pode ler uma parte do arquivo e o outro, a parte restante. A grande vantagem dessa configuração é que, na hipótese de um disco apresentar problemas, o outro fornecerá as informações necessárias para que o computador continue funcionando normalmente.

Bom dia a todos e até mais ler.

7 comentários:

Guará Matos disse...

Fernandão,
Seria tipo " a união faz a força", não é?
- Dois é melhor que um;
- Chega de solidão;
- Tristeza nunca mais.

Agora não pode ser igual a paraquedas de português: " Estou contigo e não abro".
É....
Bj.

FERNANDO disse...

Oi, Guará.
Muito bem colocado. Em poucas palavras, você definiu "o espírito da coisa" (risos).
Essa do pára-quedas é ótima (risos de novo). Ainda não tinha ouvido.
Abraços e até mais, meu caro.

Mariana disse...

Fernando , falaste grego comigo, eu não entendi nada...
acho q vou pintar o meu cabelo para faz jus.

lucidreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lucidreira disse...

Pois foi isso que fizemos aqui, colocamos dois discos de 160, diz a pessoa que instalou que um fica como escravo, acho que foi isso que ele disse.
Estamoos satisfeitos com o resultado.
Boas dicas e mais conhecimento no seu poste.
Abraço

Cris disse...

Fernando!
Perdoe a sinceridade, mas eu vou com a Mariana. Não entendi nada, mas porque, como já disse outras vezes, sou analfabeta no assunto.
Bjs.

FERNANDO disse...

A todos:
Apesar da terminologia um tanto empolada (como a gente cosutma dizer, toda disciplina tem seu jargão específico, e a informática não é exceção, de modo que nem sempre dá pra evitar o uso de termos técnicos), a coisa é bem simples.
A maioria dos usuários domésticos dispõe de apenas um disco rígido (e às vezes nem o particiona), mas existe a possibilidade de instalar dois ou mais e mantê-los funcionando de forma autônoma (o que é mais comum), ou de combiná-los das maneiras que eu expus na postagem, seja para melhorar o desempenho do sistema, seja para protegê-lo de falhas de disco (sem ganho de espaço).
Abraços a todos, obrigado pela presença e um ótimo final de semana.