terça-feira, 9 de agosto de 2011

Upgrade de Disco

O upgrade de HD também pode trazer grandes benefícios, tanto em termos de espaço quanto no que diz respeito ao desempenho do computador, pois quanto maior for a sua taxa de transferência e mais rápido o acesso às informações, melhor será a performance do sistema como um todo.
Atualmente, é possível encontrar modelos de até 3 TB, de modo que, em situações normais, um único drive já dá conta do recado, notadamente devido à popularização dos pendrives de grandes capacidades e ao barateamento dos HDs externos. No entanto, toda essa fartura de espaço cobra seu tributo, pois somente PCs de fabricação recente estão preparados para lidar com eles . Demais disso, com o preço de um drive de 3 TB (cerca de R$ 700), você pode comprar dois HDs de 2 TB cada, e ainda se livrar dos problemas de compatibilidade.
Para que o HD possa ser acessado pelo processador, é preciso que haja uma interface de comunicação. Até algum tempo atrás (e desde o lançamento dos PCs 386), o padrão IDE ATA reinava absoluto e as placas-mãe traziam nativamente duas controladoras, cada qual capaz de controlar até dois dispositivos (devidamente configurados como MASTER e SLAVE).
Devido à crescente demanda por desempenho, o padrão SATA passou a ser utilizado com vantagens, dentre as quais a compatibilidade com a tecnologia anterior, a fácil instalação (que dispensa a configuração MASTER/SLAVE) e o suporte ao Plug and Play real. Isso sem mencionar seus cabos e conectores de apenas 7 vias – mais finos e maleáveis que os cabos flat de 80 vias dos IDE ATA – ocupam menos espaço e permitem melhor circulação de ar dentro do gabinete.
Na hora de escolher um HD, prefira modelos de marcas tradicionais e que ofereçam espaço adequado às suas necessidades. Atente para a densidade da mídia e rotação dos discos (quanto maiores esses valores, melhores serão as taxas de transferência e o desempenho do dispositivo); já o tempo médio de acesso, quanto menor, melhor.
Do ponto de vista do hardware, adicionar um HD ou substituir o original é um procedimento é bastante simples; a maior dificuldade geralmente consiste em remover e recolocar todos os parafusos de fixação – pode ser necessário abrir o gabinete de ambos os lados e, eventualmente, desinstalar algum componente que dificulte a introdução da chave Philips. No entanto, é fundamental fixar o drive com todos os parafusos (vibração excessiva não só resulta em barulho como também abrevia a vida útil do componente).
Cada interface IDE é composta por dois canais, identificados como IDE 0 e IDE 1 ou IDE 1 e IDE 2, conforme a placa. Os cabos flat geralmente têm três conectores; se você for ligar um único dispositivo, use os plugues das extremidades (o intermediário deve ser reservado para um segundo dispositivo que compartilhe a mesma interface IDE). Nunca ligue o conector central a um dispositivo quando não houver outro drive usando o conector da extremidade do cabo. Nos cabos de 80 vias, o plugue preto é ligado no drive, e o azul, na placa-mãe.
Na prática, o mais comum é encontrar PCs com um HD e um drive de CD/DVD (em controladoras separadas, para evitar degradação do desempenho). No caso de dois HDs, o melhor é manter o principal sozinho, na controladora primária, e o adicional na controladora secundária, junto com o drive de mídia óptica (devidamente configurados como MASTER e SLAVE através dos jumpers existentes em suas faces posteriores). Alguns modelos apresentam a opção DRIVE IS MASTER, SLAVE PRESENT (use-a sempre que existir uma unidade Slave compartilhando a mesma interface), enquanto que outros oferecem suporte ao CABLE SELECT (a configuração é feita automaticamente, de acordo com a posição do cabo flat). Os cabos de energia que alimentam esses dispositivos têm plugues idênticos e intercambiáveis (com quatro furos e formato hexagonal), intercambiáveis e que só encaixam na posição correta.
Já os discos SATA dispensam configuração MASTER/SLAVE, mas requerem interfaces e cabos apropriados – diferentes dos utilizados no padrão IDE/ATA, tanto para dados quanto para energia. Cada interface permite controlar apenas um disco, embora as placas-mãe costumem oferecer entre duas e quatro delas (note que, embora seja tecnicamente possível “adaptar” um modelo SATA numa placa-mãe antiga, que ofereça suporte nativo exclusivo ao IDE ATA, esse procedimento é lá muito recomendável).
Tome muito cuidado ao escolher os parafusos para fixação dos HDs: modelos 6-32 (ligeiramente mais grossos e de maior espaçamento que os M3) podem danificar as roscas e, em situações extremas, perfurar a carcaça dos drives. Temperatura máxima de operação, nível de ruído e consumo de energia também são detalhes que devem ser analisados à luz da capacidade da sua fonte de alimentação (na dúvida, utilize a calculadora da  ASUS). Vale lembrar ainda que adição de componentes ou sua substituição por modelos mais “poderosos” resulta em mais calor, o que por vezes exige a instalação de ventoinhas adicionais. Paralelamente, não deixe de juntar os cabos, atá-los com braçadeiras plásticas e orientá-los de maneira a não comprometer o fluxo de ar no interior do gabinete.
Amanhã a gente continua, focando então o upgrade de processador.
Abraços e até lá. 
Postar um comentário