sábado, 10 de fevereiro de 2007

Deu Pau? - Terceira Parte

Tanto o Windows quanto os demais softwares que você utiliza podem “dar pau”.
O XP trava bem menos que as versões anteriores, sendo capaz de se recuperar sozinho de boa parte dos problemas (de uma maneira até transparente para o usuário). Em certos casos, se mantido em sua configuração default, ele apresenta uma mensagem atinente à falha, informa ao operador que o programa problemático será encerrado (e se desculpa pelo inconveniente) e pede autorização para enviar um relatório à Microsoft. Noutros, ele reinicia automaticamente, podendo ou não exibir uma mensagem dando conta da recuperação de um erro fatal ou coisa parecida.
Entretanto, ainda que importunas, as mensagens de erro do Windows não são o problema em si, mas pistas importantes que podem ajudar você a encontrar a solução. Os travamentos do sistema e as temidas “telas azuis da morte” (muito comuns nas versões mais antigas do Windows e que já levaram muita gente a “arrancar os cabelos”) decorrem no mais das vezes de má organização no uso da memória.
As interrupções são causadas pelo hardware ou pelo sistema operacional, ao passo que as exceções estão normalmente associadas aos demais programas. Quando alguma coisa desse tipo acontece, o mecanismo de tratamento suspende as atividades do computador, salva os registradores do programa, identifica a origem da anormalidade e, então, busca e executa a rotina adequada ao tratamento do evento. Se a falha for recuperável, o programa retorna à execução; do contrário, o sistema permanecerá travado até que seja reiniciado ou que o computador seja desligado e religado (dependendo da gravidade do erro, isso pode ser necessário).
Infelizmente, não existe uma cura ou um remédio eficaz que se aplique indiscriminadamente a todos os males, mas você pode se valer de algumas estratégias. Confira:

Se um programa trava, mas não é encerrado automaticamente, e tampouco é possível fechá-lo pelas vias convencionais, peça socorro ao Gerenciador de Tarefas. Salve seu trabalho, encerre os demais aplicativos em execução e reinicie o computador (embora isso não seja indispensável em todos os casos, a experiência demonstra que o travamento de um aplicativo interfere no funcionamento dos demais e acaba comprometendo a estabilidade do sistema como um todo, de modo que a reinicialização é no mínimo recomendável). Veja como fazer isso:

1. Dê um clique com o botão direito do mouse numa área vazia da Barra de Tarefas e clique em Gerenciador de Tarefas. Se não for possível convocá-lo dessa maneira (devido ao travamento), pressione simultaneamente as teclas <Ctrl+Alt+Del> (tábua de salvação desde os tempos do jurássico DOS, para quem se lembra).
2. A tela do Gerenciador de Tarefas apresenta diversas abas, mas interessa-nos de momento a aba Aplicativos. Clique nela, selecione o programa rebelde e escolha a opção Finalizar Tarefa.
3. Aguarde até o Windows fechar o programa ou apresentar uma mensagem dando conta de que o programa não está respondendo. Nesse caso, comande novamente seu encerramento pela caixa de diálogo.
4. Se o sistema puder ser desligado normalmente, faça-o via menu Iniciar. Se não, clique no menu Desligar do Gerenciador de Tarefas e escolha a opção Reiniciar (ou Desativar).

Se um aplicativo ou alguma instância ou componente do Windows travar de vez em quando, não há muito com que se preocupar. Afinal, nenhum programa é perfeito, até porque os programadores também não o são.
Alguns softwares “dão pau” apenas em determinadas circunstâncias (talvez o fabricante não tenha realizado todos os testes no afã de disponibilizar o produto comercialmente o mais rápido possível), mas há aqueles que “não se entendem” com outros aplicativos - ou com processos, serviços, drivers de dispositivos e até com versões específicas do Windows (às vezes, um aplicativo trava; você reinicia o computador, e ele volta a travar...).
Nem sempre é fácil descobrir a origem da anormalidade - e nessa hora talvez seja mais importante resolver o problema do que encontrar o responsável, de maneira que o jeito é adotar as medidas de praxe e torcer para que uma delas acerte o alvo.

Assegure-se de que o sistema esteja atualizado. De passagem, procure informações que remetam ao seu problema específico (o mesmo vale para os drivers de hardware). Atualize as definições de vírus e sua ferramenta antispyware, faça uma verificação completa no sistema e analise cuidadosamente os resultados.

Se o problema for recente, veja se não é possível associá-lo a algum programa ou atualização de softwares ou drivers (ou do próprio Windows, por que não?) que você tenha instalado. Remova e torne a instalar o aplicativo ou a atualização; reverta o driver problemático ou tente utilizar a Restauração do Sistema para voltar o sistema operacional para uma data anterior, quando tudo corria bem.

Amanhã tem mais.
Abraço e até lá.
Postar um comentário