segunda-feira, 14 de junho de 2010

HD x SSD

Embora tenham encolhido de tamanho – os primeiros modelos eram compostos por 50 pratos de 24 polegadas – e expandido substancialmente sua capacidade – que, originalmente, era de apenas 5 MB –, os frágeis e lerdos HDs continuam mantendo os mesmos princípios de funcionamento de quando foram criados, há mais de 50 anos.
Por ser um dispositivo eletromecânico, o disco rígido representa um dos principais pontos de estrangulamento de um computador, de modo que deve ser substituído, no médio prazo, pelo SSD (sigla em inglês para “disco em estado sólido”). A utilização de chips de memória Flash em vez de discos magnéticos proporciona um tempo de acesso extremamente baixo, o que agiliza o boot e melhora o desempenho da máquina como um todo. Além disso, por não ter partes móveis, o SSD é mais resistente, consome menos energia e proporciona um funcionamento bem mais silencioso.
Por outro lado, a disseminação dessa nova tecnologia ainda esbarra no alto custo de fabricação e nas limitações de espaço e número de ciclos de leitura e gravação que esse tipo de memória suporta (esperemos que esses problemas sejam superados em breve). Embora já existam drives híbridos – que combinam a estrutura dos HDs com memória flash – e a despeito de alguns PCs integrarem drives SSDs, os modelos disponíveis no mercado ainda não oferecem a mesma capacidade dos HDs convencionais (que já rompeu a barreira do Terabyte), sendo disponibilizados mais comumente em notes ultraportáteis, onde suas vantagens podem ser mais bem aproveitadas.
Ainda assim, já existe uma disputa pelo prêmio de SSD mais rápido, cujo troféu, por enquanto fica com o Vertex Limited Edition, o “pequenino veloz” da OCZ (http://www.ocztechnology.com/), cuja nova e revisada arquitetura permite alcançar marcas de 270 MB/s em leitura, 250 MB/s em escrita e 15.000 IOPS (operações de entrada/saída por segundo).
Interessado? Pois então saiba que essa belezinha pode ser encontrada em opções de 100 e 200 GB por 350 e 700 Euros, respectivamente, no mercado europeu (ou por US$ 399 e US$ 829 nos EUA).
Haja bolso!
Postar um comentário