terça-feira, 20 de novembro de 2012

HD ELETROMECÂNICO / SSD / READYBOOST / RAM DISK

Todo usuário sonha com um PC capaz de “responder” ao botão de Power tão rapidamente quanto uma lâmpada a um toque no interruptor, mas o progressivo agigantamento dos sistemas e aplicativos demanda cada vez mais recursos (processamento, capacidade das memórias, agilidade na transferência de dados e outros que tais), o que nos leva a imaginar se realmente chegaremos a ver esse prodígio acontecer.
Para piorar, a despeito da evolução ocorrida nas últimas décadas, os Discos Rígidos continuam muito mais lentos do que a RAM – o que faz deles o principal gargalo de dados nos sistemas computacionais –, e a despeito de os desenvolvedores virem buscando um substituto versátil e economicamente viável para o BIOS, nada indica que algo nesse sentido ocorra no curto prazo.
É certo que os drives de estado sólido proporcionam resultados bem superiores aos dos HDs convencionais, mas o alto custa dessa tecnologia vem levando os fabricantes a optar por sistemas híbridos, que combinam SSDs de 32 ou 64 GB com HDs de grandes capacidades, de modo a agilizar a execução do SO e aplicativos e oferecer fartura de espaço para os demais arquivos por um preço que não assuste (muito) o consumidor final.
Outra gambiarra interessante é o ReadyBoost, conquanto você possa obter resultados bem mais expressivos com um RAM Disk – drive virtual criado a partir da alocação de parte da memória física do sistema –, cujas velocidades de leitura e gravação deixam no chinelo não só os HDs mais velozes (veja o comparativo na ilustração à direita) como também os mais sofisticados drives SSD.
Claro que esse artifício só vale para máquinas com muita memória – como a porção alocada pelo disco virtual fica indisponível para o sistema e aplicativos, é preciso dispor de 8 GB de RAM para criar um drive de 4 GB. Além disso, como esse tipo de memória é volátil – ou seja, seu conteúdo “evapora” quando o computador é desligado –, talvez seja preciso configurar o RAM Disk (dependendo do uso que você for fazer dele, como veremos oportunamente) para copiar no HD uma “imagem” dos dados e recarregá-la no próximo Boot – procedimento que retarda sensivelmente o encerramento e a inicialização do sistema –, bem como providenciar um no-break, de modo a prevenir a perda acidental das informações no caso de um apagão inesperado.
Se a ideia ainda lhe atrair depois de sopesados os prós e os contras, não deixe de ler a próxima postagem, na qual veremos como criar esse drive virtual. Abraços e até lá.
Postar um comentário