quinta-feira, 23 de julho de 2015

COMO LIMPAR O CACHE DO SISTEMA

QUEM ABRE MÃO DA LIBERDADE EM TROCA DE SEGURANÇA ACABA SEM NENHUMA DAS DUAS.

Mesmo que a evolução tecnológica propicie avanços significativos em intervalos cada vez mais curtos, continua distante o dia em que os usuários ficarão plenamente satisfeitos com o desempenho de seus PCs (se é que esse dia chegará). Não obstante, diversos paliativos se propõem a minimizar a modorra que se instala no Windows com o passar do tempo e o uso normal da máquina (para saber mais, digite manutenção, desempenho, performance ou outro termo afim no nosso campo de buscas e pressione Enter).

Uma providência que pode ajudar é limpar o cache do sistema. Mas ─ perguntaria um leitor mais atento ─ isso não é feito automaticamente quando desligamos o computador? Sim ─ responderia este obscuro articulista ─, mas a verdade é que nem sempre estamos dispostos para interromper o que estamos fazendo e reiniciar a máquina, mesmo porque, dependendo do tempo de estrada e das condições da dita-cuja, isso pode levar muitos minutos

O PC utiliza memórias de diversas tecnologias, formatos e qualidades (como já vimos em outras oportunidades e tornaremos a ver numa das próximas postagens). A memória cache (ou cache de memória, ou simplesmente cache) consiste numa pequena quantidade de memória RAM estática (extremamente veloz) que se destina a armazenar os dados e instruções que um dispositivo computacional utiliza com maior frequência, de maneira a agilizar o acesso e otimizar o desempenho do sistema como um todo.

Observação: Quando falamos em cache, logo nos vem à mente o processador, que se vale desse recurso desde a época dos jurássicos 386, quando se constatou que a lentidão da RAM obrigava a CPU a perder vários ciclos de clock aguardando a liberação dos dados necessários à execução das tarefas. Inicialmente, o cache fazia parte da placa mãe, e era formado por alguns chips soldados a ela. A partir dos 486, uma pequena quantidade dessa memória velocíssima foi integrada ao núcleo da CPU, dando origem à distinção entre os caches L1 e L2 (este último continuava fazendo parte da placa mãe). Alguns processadores da AMD, como o K6-III, incluíam ainda um terceiro nível de cache (L3), mas, devido ao custo elevado e a questões de ordem técnica, essa solução não se popularizou. Mais adiante, o cache passou a ser usado também em HDs, servidores, placas de sistema, e até mesmo em softwares ─ como é o caso dos navegadores, que guardam as páginas localmente para evitar consultas constantes à rede (solução especialmente útil quando se navega por páginas estáticas).

Voltando ao que interessa, para limpar o cache sem reiniciar o Windows, basta executar o comando %windir%\system32\rundll32.exe advapi32.dll,ProcessIdleTasks ─ tanto via prompt quanto através do menu Executar, mas é mais fácil criar um atalho no Desktop (que pode ser remanejado para outro local, se for o caso) e dar duplo clique sobre ele sempre que necessário. Veja como:

1. Para acessar o prompt de comando, digite cmd na caixa Pesquisar programas e arquivos do menu Iniciar e dê duplo clique sobre cmd.exe. Na janelinha do prompt, digite o comando retrocitado (ou copie-o da postagem, dê um clique direito num ponto qualquer da janelinha e selecione a opção Colar) e pressione a tecla Enter.

2. Caso o menu Executar não figure na coluna direita do seu menu Iniciar, pressione Windows+R e, na janelinha que for exibida em seguida, digite (ou cole) o comando em questão na caixa de diálogo e tecle OK.

3. Para criar o atalho, dê um clique direto num ponto vazio de sua área de trabalho e, no menu suspenso, clique em Novo > Atalho. Na telinha que se abrir, digite (ou cole) o tal comando, clique em Avançar, insira um nome que faça sentido para você (Limpar HD, por exemplo) e clique em Concluir.

Ao clicar no atalho, você não verá qualquer indicativo do sucesso da operação, mas basta continuar a operar o computador para sentir a diferença. Só não espere milagres; embora essa dica seja uma mão na roda quando você não pode (ou não quer) interromper uma tarefa importante, o desligar o PC proporciona melhores resultados, até porque ele limpa os demais caches de memória e a própria memória RAM.

Observação: Quando desligamos o computador, interrompemos o fornecimento da eletricidade que alimenta os circuitos da placa-mãe e demais componentes, propiciando o "esvaziamento" das memórias voláteis. Na reinicialização, todavia, o intervalo entre o encerramento do Windows e o boot subsequente nem sempre permite que os capacitores esgotem totalmente suas reservas de energia. Então, a não ser por ocasião de atualizações e/ou reconfigurações do Windows e de aplicativos cuja validação exija a reinicialização do computador, o recomendável é desligar totalmente a máquina e tornar a ligá-la depois de um ou dois minutos.

Abraços a todos e até amanhã.
Postar um comentário