quarta-feira, 15 de junho de 2016

HD, FULL HD, ULTRA HD, 4K, 8K? O QUE REPRESENTAM ESSAS SIGLAS E COMO ESCOLHER A RESOLUÇÃO ADEQUADA NA HORA DE COMPRAR UMA TV (PARTE 3)

A JUVENTUDE NÃO É UMA ÉPOCA DA VIDA, MAS SIM UM ESTADO DE ESPÍRITO. 

Vimos no post anterior que o “p” das nomenclaturas 1080p, 2160p e 4320p remete a uma tecnologia conhecida como “progressive scan” ― ou “varredura progressiva” ―, mediante a qual as imagens são desenhadas na tela de uma só vez, diferentemente das antigas TVs de tubo, que exibiam as linhas pares e ímpares separadamente, ainda que numa transição tão rápida que a gente nem chegava a perceber.

Vale frisar que o “entrelaçamento” não foi aposentado junto com os monitores CRT. TVs modernas, com telas LCD, mas identificadas pelo número de linhas seguido da letra “i”, de “interlaced” (como em 1080i) se valem dessa tecnologia e, portanto, exigem imagens menos nítidas e com bordas mais irregulares do que utilizam a varredura progressiva (identificada, conforme já foi dito, pela letra “p”, como em 1080p). Embora ambas sejam resoluções de alta definição, o entrelaçamento faz com que somente metade dos frames seja desenhada na tela a cada varredura. Em outras palavras, a imagem é dividida em dois “quadros”, cada qual com 540 linhas de pixels, que são atualizados de maneira alternada, ou seja, primeiro as linhas pares e, em seguida, as linhas ímpares, ficando a cargo do cérebro do usuário o trabalho de unir os dois quadros e formar a imagem final.

O lado bom da história é que a maioria dos modelos de alta definição de gerações recentes são capazes de converter o sinal entrelaçado para o formato progressivo. Ainda assim, em cenas que envolvem velocidade, como corridas de automóveis e outros eventos esportivos, é possível visualizar um leve borrão durante a troca de cenas. Mas como você certamente assiste ao jogo do seu time ou o GP de F1 tomando uma breja gelada, talvez nem perceba esse detalhe ― a não ser em telas de grandes dimensões.

Em telas com menos de 42 polegadas, a maioria das pessoas nem nota diferença entre o 1080i e o 1080p, até porque, como dito, a formulação é tão rápida que a gente visualiza somente a imagem já pronta, e não as partes se unindo. No entanto, se a diferença de preço não for absurda, convém investir num modelo 1080p, que é considerado superior por apresentar maior nitidez na formação das imagens.

Vale salientar também que TVs Ultra HD (ou 4K) combinam melhor com aposentos amplos, até porque essas tecnologias são usadas quase que exclusivamente em aparelhos de grandes dimensões (também nesse caso os benefícios não são perceptíveis em modelos de 32 polegadas ou de tamanhos inferiores. Isso porque as imagens com essa resolução são compostas por mais de 8 milhões de pixels ― contra pouco mais de 2 milhões na resolução Full HD (1080 linhas), e quanto maior número de pontos, mais visíveis se tornam os detalhes. Isso nos leva a achar maravilhosas as TVs Ultra HD expostas nas prateleiras dos espaçosos hipermercados, mesmo quando olhamos as imagens bem de perto. Todavia, quem mora num imóvel acanhado (ou em apertamentos, que parecem estar na moda nas grandes metrópoles) dificilmente terá como acomodar um monstro desses e assistir à programação de uma distância que não o obrigue a virar a cabeça de um lado para outro, como se estivesse acompanhando de perto um jogo de tênis de mesa. Pense nisso antes de sacar seu poderoso cartão de crédito.

No que concerne à falta de conteúdo em 4K, é bem verdade que isso desestimula o consumidor, pois limita significativamente o aproveitamento das altas taxas de resolução disponibilizadas pelos caros aparelhos de topo de linha. E ainda que a oferta de vídeos em Full HD ― e mesmo em Ultra HD ― por serviços de streaming como os da Amazon, Hulu, Netflix e YouTube venha aumentando progressivamente, as emissoras e os serviços por assinatura deverão continuar a transmitir em HD por mais um bom tempo, pois a transmissão em 4K exige investimentos vultosos, e a coisa é ainda pior no caso da difusão do sinal via satélite.

A conclusão fica para a próxima postagem, pessoal. Abraços e até lá.
Postar um comentário