sábado, 26 de novembro de 2016

CALERO, GEDDEL E A MULHER DE CÉSAR

Diante das declarações de Marcelo Calero, esperava-se que Geddel fosse devidamente defenestrado ― até por uma questão de coerência: em entrevista concedida em maio ao Fantástico, dias depois de assumir interinamente a Presidência da Banânia, Temer disse ter alertado seus ministros de que se algum deles não agisse "adequadamente" seria demitido. No entanto, contrariando as expectativas, Geddel não caiu ― pelo menos até o momento em que escrevo estas linhas.

Para Temer, a situação é, no mínimo, desconfortável. Interessa-lhe manter Geddel na Secretaria do Governo, onde o amigo é peça-chave na articulação de importantes medidas para tirar o país da crise ― dentre as quais a PEC dos gastos ―, sem mencionar que demití-lo seria reconhecer que um de seus principais assessores de confiança tramou para se beneficiar pessoalmente. Por outro lado, a saída de Calero do ministério não foi mera divergência interna, e ignorar suas denúncias ― de que Geddel tê-lo-ia pressionado para favorecer interesses pessoais ― o presidente se vê no velho dilema da mulher de César, que além de ser honesta precisa parecer honesta.

Calero foi o quinto ministro a deixar a Esplanada desde que Temer assumiu a presidência. Antes deles, saíram Romero Jucá (Planejamento), Fabiano Silveira (Transparência), Henrique Alves (Turismo) e Fábio Osório (Advocacia-Geral da União). Geddel será o sexto?
Segundo O GLOBO, o caso Geddel reproduz o dilema do caso Jucá, quando Temer se viu obrigado a escolher entre priorizar a amizade ou defender um padrão ético minimamente aceitável no poder. Aliás, ser ético e ter reputação ilibada é o mínimo que se espera de um ministro de Estado ― ou não? No entanto, sua excelência não deixou dúvidas sobre sua posição: mesmo sob pressão para afastar Geddel do cargo, ele escolheu manter o amigo.

Para entender melhor essa novela ― que parece estar longe de terminar ―, o empreendimento imobiliário La Vue Ladeira da Barra, do qual Geddel é proprietário de uma unidade e seus parentes são representantes legais do edifício, foi embargado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Apesar das tentativas via AGU, o órgão determinou que o prédio não tivesse mais do que 13 andares (o projeto original previa 31 pavimentos), contrariando os interesses da construtora Cosbat. Calero diz que Geddel tê-lo-ia pressionado a liberar o projeto, que as pressões continuaram mesmo depois do parecer contrário do Iphan, que Temer teria dito que a decisão do órgão criara “dificuldades operacionais” em seu gabinete, que “o ministro Geddel se encontrava bastante irritado”, e que “política tinha dessas coisas, esse tipo de pressão”. Além de Temer e de Geddel, o ex-ministro implica também Eliseu Padilha, chefe da Casa Civil, que lhe teria recomendado “construir uma saída com a AGU”.

Temer disse que tratou duas vezes com Calero sobre a divergência com Geddel, mas negou que tenha feito pressão para modificar decisão do Iphan. Em nota pública, o presidente afirma que sugeriu uma avaliação jurídica da AGU sobre o tema, uma vez que “o órgão federal tem competência legal para solucionar eventuais dúvidas entre órgãos da administração pública”. Na última segunda-feira (21), a Comissão de Ética Pública da Presidência da República decidiu abrir um processo para investigar a conduta de Geddel no episódio. Nos últimos dias, Geddel admitiu ser proprietário de um apartamento no empreendimento, confirmou que procurou o então ministro da Cultura para tratar do embargo à obra, mas negou que o  tivesse pressionado para liberar a obra.

Aguardem novas emoções.

ATUALIZAÇÃO:

Novas emoções que vieram logo em seguida, com o pedido de exoneração apresentado por Geddel, que continuará sendo investigado ― e agora, vale lembrar, sem a prerrogativa de foro.

Resta saber o que realmente contém a gravação que Calero diz ter feito durante sua conversa com Temer, mas a verdade é uma só: os dois envolvidos deixaram de ser ministros, e, restando comprovada a culpa deste ou daquele, a punição de perda do cargo já não faz mais sentido. Temer, todavia, continua à frente da Presidência ― e deverá continuar, a despeito do ridículo pedido de impeachment que o PSOL deverá protocolar na próxima segunda-feira.

Para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a saída de Geddel encerra a crise, e  agora o presidente deve se preocupar em colocar no lugar do (mui) amigo outro articulador que lhe faça as vezes. Até porque o país precisa seguir adiante, e a PEC dos gastos, a reforma da Previdência, o combate à corrupção (as famosas 10 medidas que já chegaram a 18) e outras tantas precisam ser votadas e aprovadas o quanto antes.  

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/

2 comentários:

Martha disse...

Oi Fernando
A cada segundo um flash...
Misericórdia!!!
Pobre país que precisa ter um Temer e toda a patota para não aguentar o PT e sua família fanática...
Aonde iremos parar?
Estou muito preocupada pois o risco de uma revolução popular não pode ser descartada....e aí?
O que virá depois?
Oremos!!!!
Bjs e obrigada sempre!!!!

Fernando Melis disse...

Mais uma vez, você sintetiza com maestria as minha ilações e preocupações.
Quanto ao que virá, só Deus sabe. Aliás, Fidel ja se fué... Quem sabe o molusco abjeto não demore a seguí-lo – e leve com ele sua abominável cria, que agora, não contente com o salário e as mordomias de ex-presidente e a aposentadoria de 5 mil e lá vai fumaça pela Previdência, ainda quer um vale combustível de mais 3 mil por mês. Acho até que a Casa Civil deveria atendê-la, desde que ela usasse o combustível para fazer uma formidável fogueira e pular dentro dela.
Quosque tandem abutere, Catilina, patientia nostra?