quarta-feira, 5 de julho de 2017

VOCÊ CONHECE SEU PC? ― Parte V

O ANALFABETISMO POLÍTICO SE VENCE COM A INFORMAÇÃO.

Explicar como um PC funciona transcende o escopo e as possibilidades desta sequência de postagens, mas sempre se pode trocar em miúdos as funções dos principais componentes que integram essas máquinas maravilhosas. Acompanhe.

Todo computador depende de energia elétrica para funcionar, daí haver uma “fonte de alimentação”, que é o dispositivo responsável por converter a corrente alternada em contínua e fornecer as tensões necessárias aos demais elementos do sistema computacional (não confundir com sistema operacional). Além de potência adequada, a fonte deve disponibilizar os conectores apropriados e integrar uma ventoinha poderosa, mas silenciosa e durável.

Máquinas de grife costumam oferecer fontes de boa qualidade, de modo que só é preciso se preocupar com esse componente se e quando ele deixar de funcionar. Ainda assim, substituí-lo é bem simples: nos desktops, basta abrir o gabinete, desaparafusar a fonte defeituosa, colocar outra em seu lugar, fixá-la e reconectar os cabos. 

Nos portáteis (laptops ou notebooks), a fonte é o próprio “carregador”, que é um componente externo e, portanto, facílimo de substituir ― isso não significa que custe barato, mas aí já é outra história. Aliás, a própria bateria dos portáteis também pode ser trocada pelo próprio usuário, já que a maioria dos aparelhos apresenta uma portinhola de encaixe ― ou uma tampinha aparafusada, conforme o caso ― que dá acesso à bateria. A exceção fica por conta dos portáteis da Apple, nos quais esse serviço deve ser feito numa assistência técnica autorizada ou por um Computer Gay de confiança.

A CPU (ou processador) é o “cérebro” do computador, e daí a razão de muitos usuários tomarem sua velocidade (ou frequência de operação) como parâmetro de desempenho do aparelho. Isso até fazia sentido nos primórdios da era PC ― quando Gordon Moore, então presidente da Intel, previu que a capacidade de processamento dos microchips dobraria a cada 18 meses, e coisa e tal. Só que muita água rolou por debaixo da ponte desde então, e a performance das máquinas passou a depender de outras variáveis ― algumas até mais importantes do que o clock, que, em última análise, indica apenas o número de operações que a CPU executa a cada segundo; o que ela é capaz de fazer em cada ciclo já é outra história (mais detalhes nesta postagem).

Para resumir essa novela, quando a frequência de operação dos processadores bateu na casa dos 3 GHz, os fabricantes se deram conta de que seria  impraticável aumentar ainda mais o número de transistores e a velocidade de operação sem que o custo de produção se elevasse a ponto de inviabilizar a comercialização dos microchips. Para contornar o problema, eles recorreram, inicialmente, ao multiprocessamento lógico ― tecnologia mediante a qual uma única CPU física funciona como duas ou mais CPUs virtuais ― e, mais adiante, às CPUs multicore ― com dois ou mais núcleos.

Depois de desbancar os demais fabricantes de processadores para PCs, a Intel e a AMD passaram a disputar focinho a focinho (ou ciclo de clock a ciclo de clock) a preferência dos usuários. A gigante dos microchips levou a melhor, embora a AMD ofereça excelentes produtos a preços mais palatáveis que os da concorrente. Assim, a maioria dos PCs atuais integra chips da família Intel Core X-series (i3, i5, i7). 

Core i9 deve ser lançado em breve, com modelos de até 18 núcleos físicos e 36 threads e 3,3 GHz (expansível a 4,5 GHz com a tecnologia Turbo Boost Max 3.0) ao preço de US$ 2 000 ― e isso lá nos EUA ―, para concorrer com o AMD Ryzen Threaddripper, de 16 núcleos e 32 threads. Mas isso já é conversa para uma outra vez.

Continuamos no próximo capítulo. Até lá.

TEMER E A PRISÃO DO AMIGO GEDDEL 

Postagens atrás, eu escrevi que o presidente se apequenava mais a cada dia. Pensando melhor, na verdade ele só está mostrando seu real tamanho.

Se esperava calmaria nesta semana, Temer deu com os burros n’água, agora por conta da prisão de Geddel Vieira Lima ― mais um integrante de seu folclórico “time de notáveis. 

Geddel era ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República até novembro do ano passado, quando se demitiu, devido a desentendimentos com o então ministro da CulturaMarcelo Calero (que também se demitiu). Era amigo de Temer de longa data, talvez não tão íntimo quanto Eliseu Padilha ou Moreira Franco, mas próximo o bastante para sua prisão e a perspectiva de um acordo de delação deixarem em pé os sempre bem penteados cabelos grisalhos do amigo Michel

Foi a delação de Lucio Funaro, doleiro e operador de Eduardo Cunha, que levou à prisão de Geddel, e a caca vai respingar por toda a cúpula do PMDB. Ainda que seja um político tarimbado, com vários processos na justiça, e que, assim como Cunha, tenha estrutura para resistir durante algum tempo na prisão, mais hora, menos ora ele vai acabar falando.

Seja como for, isso era “tudo o que Temer mais precisava” neste momento tão delicado. Vamos acompanhar as consequências e os fatos novos que certamente irão surgir. Para mal dos pecados de sua excelência, a possibilidade de esses fatos favorecerem o governo é bastante remota.

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/
Postar um comentário