segunda-feira, 18 de maio de 2009

De volta à gripe suína

Parece que a “gripe suína” vem ocupando cada vez menos espaço na mídia (aliás, hoje se fala no vírus H1N1, para evitar que os menos esclarecidos associem a disseminação da doença com o consumo de carne de porco), visto que o tal vírus parece não ser tão letal quanto a princípio se imaginava. Todavia, como seguro morreu de velho, convém manter as barbas de molho, até porque não é fácil diferenciar os sintomas dessa doença daqueles provocados pela gripe comum, conforme a gente comentou no post do último dia 30.
Passando ao que interessa, volto ao assunto por conta de um e-mail que recebi dias atrás, cujo teor eu transcrevo abaixo, “ipsis litteris” (inclusive com os deslizes ortográfico-gramaticais presentes no original). Leiam, ponderem, tirem suas próprias conclusões e deixem seus comentários.

GRIPE SUÍNA --- SERÁ UMA FARSA? (Texto escrito por um brasileiro, morador da Cidade do México):

Pessoal, antes de qualquer coisa, gostaria de deixar bem claro que moro na Cidade do México [sou sãopaulino] e estou vivendo toda essa tensão sobre a suposta gripe suína. Hoje recebi um e-mail que está circulando na internet de que a gripe suína [influenza] é uma farsa. Ou seja, esta historia da gripe suína foi inventada pelos governantes dos países para desviarem atenção do povo dos problemas reais. Por isso, decidi traduzir este texto do Espanhol ao Português para que vocês leiam e tirem suas próprias conclusões. O texto oferece muitas razões para se duvidar desta gripe.

No dia 2 de abril, deste ano, durante a reunião do grupo do G7, integrado por USA, Reino Unido, Canadá, Alemanha, Itália e Japão, se concluíram o seguinte: 1) a economia mundial necessitava uma mudança; 2) o FMI destinaria 500,000 milhões de dólares para ajudar às economias emergentes (países pobres dispostos a colaborar). Pois bem, os dados estavam no ar; 3) Logo veio a reunião privada do presidente Obama e Felipe Calderón [presidente do México] no dia 16 e 17 de abril. Coincidentemente, na sexta-feira, dia 23 de abril, o presidente do México, Felipe Calderón, convocou uma reunião de emergência com seu gabinete, e pela noite o secretário de saúde, José Ángel Córdoba Villalobos, anunciava em cadeia nacional a aparição do vírus da influenza, e as medidas imediatas, como, por exemplo, a suspensão das aulas em todos os níveis na Cidade do México e no estado do México..
No dia 24 de abril, o G7 declarava que a economia mundial deveria estar em marcha este ano, e que se lançariam todas as ações necessárias. Finalmente, segunda-feira, dia 27 de abril, a empresa farmacêutica Sanofi Aventis anuncia que injetaria 100 milhões de euros em uma nova planta de vacinas e doaria 236,000 doses ao México como apoio ao controle da influenza.
De todo o anterior, tiramos as seguintes conclusões:

1) Há 2 anos a indústria farmacêutica [Sanofi Aventis] a nível mundial tinha problemas financeiros pela baixa venta de remédios;
2) Se não se cria guerras, se cria [ou se inventa] doenças [a economia mundial deveria se por em marcha];
3) O México seria um perfeito trampolim para lançar a doença da influenza. Daqui [do México, é óbvio] sairiam turistas a diferentes partes do mundo. E curiosamente, os países que dizem ter doentes infectados pelo vírus da influenza, estiveram no México. E os países que estão reforçando a segurança sanitária são os países que integram o G7. Que curioso, não? O que acontecerá na semana que vem? Muito provável será a suspensão das atividades em todas as empresas da Cidade do México e em algumas outras cidades da República mexicana. Já as aulas estão suspendidas até o dia 06 de maio, onde o governo fará uma análise da farsa e verá [convenientemente] que siga sem aulas;
4) Pare para pensar qual é o assunto mais falado e comentado neste últimos dias: a influenza ou a crise financeira? Isto, de antemão, é um alívio para o Banco Mundial e para as bolsas do mundo.

Em outras palavras, essa história do vírus da influenza é uma farsa que os governos do mundo inventaram para desviar a atenção do povo dos problemas reais pelos quais a sociedade verdadeiramente está passando. Vocês se lembram das histórias passadas, como, por exemplo, do chupacabras, do fim do mundo e dos óvnis? Pois é, amigos, tudo isso foi invenção dos governos para distrair a atenção de suas populações e encobrir certas coisas para que a sociedade não se interasse. Vemos as notícias nas TVs e vemos como as vendas das farmácias cresceram [remédios e máscaras se vende como nunca]. Imagina como devem estar rindo as pessoas [governantes] que inventaram isso ao verem as pessoas pelas ruas da Cidade do México, amedrontadas com suas máscaras. Alguém pode objetar que a Cidade do México estaria perdendo muito com estas paralisações. Não. Pois, para isso existe o fundo que destinou o FMI. Agora imagine os lucros da farmacêutica a nível mundial. Isso é algo para se pensar.
O presidente do México sempre está anunciando que tantas pessoas já morreram em decorrência da gripe suína, porém [o autor deste texto que é mexicano, se pergunta] onde estão os mortos e onde estão concentrados os doentes? Estes dados os governo mexicano não menciona.

Coloco os seguintes pontos para que reflitamos:

1) Se realmente é tão contagiosa essa gripe, como e onde estão as famílias dos mortos? [ninguém sabe];
2) Se a influenza suína é uma mutação do vírus original dos porcos, então o início da infecção deveria ter começado no campo não na cidade;
3) Por que não mostram alguma entrevista com algum doente contagiado? [realmente nunca mostraram. Vi que entrevistam a familiares, dizendo que seu familiar está doente e que já está estável graças aos medicamentos; porém, se o familiar esteve em contato direto com o vírus, então, por que não fica doente ou em quarentena?];
4) Por que até agora não disseram o nome do anti-vírus que está curando as pessoas doentes? Alguém conhece algum doente real? [se pergunta outra vez o autor deste texto].


Uma ótima semana a todos.
Postar um comentário