terça-feira, 8 de setembro de 2009

Firmwares e atualizações

Todo projeto passa por atualizações ao longo do seu ciclo de existência, e o PC não é exceção, razão pela qual o BIOS precisa “evoluir” para poder reconhecer os novos dispositivos e padrões que surgem constantemente. Aliás, o BIOS é um bom exemplo de “firmware” – termo que designa um conjunto de instruções programadas pelo fabricante de um equipamento eletrônico e armazenadas permanentemente num chip de memória não volátil (ROM, PROM, EPROM, EEPROM ou Flash).
Mas o firmware não é um atributo exclusivo dos computadores; ele está presente também num vasto leque de equipamentos eletrônicos modernos – tais como telefones celulares, iPODs e outros tocadores portáteis de mídia digital, câmeras digitais, consoles de games, impressoras, fornos micro-ondas, lavadoras, etc. E ainda que essa programação seja tida como “inalterável”, já que fornece as mesmas informações sempre que o aparelho é ligado, há situações em que você pode – e deve – atualizá-la, seja para tornar o aparelho mais rápido, estável e seguro, seja para incluir novas funcionalidades e ampliar sua vida útil.
A freqüência de atualização de um firmware varia conforme o produto, cabendo ao usuário buscar periodicamente novas versões e ficar atento aos alertas que os próprios fabricantes costumam divulgar. Alguns dispositivos não recebem qualquer atualização durante toda sua vida útil (como é o caso dos processadores, que se beneficiam das atualizações da placa-mãe); outros (como HDs e drives ópticos, por exemplo), somente em caso de problemas críticos.
Alguns fabricantes recomendam ignorar as atualizações – a não ser que o equipamento em questão esteja realmente com problemas de hardware –, e a despeito de muitos especialistas defenderem o uso das versões mais recentes, esse upgrade costuma ser susceptível a problemas e difícil de reverter.
Caso resolva atualizar um aparelho ou dispositivo qualquer, SÓ O FAÇA APÓS LER ATENTAMENTE O MANUAL DO USUÁRIO, OBTER INFORMAÇÕES ADICIONAIS NO SITE DA EMPRESA E ASSEGURAR-SE DE QUE A NOVA VERSÃO DO FIRMWARE SEJA A CORRETA. Demais disso, siga cuidadosamente as instruções do fabricante e, em caso de dúvida, consulte sempre o suporte técnico.
A maneira mais simples de atualizar firmwares de placas-mãe (upgrade de BIOS, assunto da postagem de 17 de abril do ano passado) é através de aplicativos de “flash” que rodam no Windows, mas vale lembrar que nem todas as marcas e modelos oferecem essa facilidade (algumas contam somente com um utilitário baseado em DOS que deve ser executado a partir de um disquete inicializável, o que não só dificulta a atualização como aumenta sensivelmente o grau de risco). Já celulares, roteadores e dispositivos móveis costumam ser mais amigáveis – na maioria dos dispositivos de rede, por exemplo, basta acessar a tela de configuração digitando o endereço de IP em seu navegador, localizar a opção de atualização de firmware, baixar a nova versão, dar alguns cliques e reiniciar o aparelho para validar o upgrade.
Boa sorte.

P.S. Falando em atualizações, hoje é dia de Patch Tuesday, e a Microsoft ficou de liberar cinco correções para falhas de alto risco, quatro das quais afetam o Vista e o Server 2008 do Windows (mas as versões 2000, XP e Server 2003 também devem ser atualizadas).
Postar um comentário