quinta-feira, 29 de outubro de 2015

ANTIVÍRUS PARA CARROS? POIS É...



VOCÊ ESPERA QUE A PESSOA AMADUREÇA, E AÍ ELA VAI E APODRECE.

Se você estranhou o título desta matéria, lembre-se de que os “vírus eletrônicos” (ou “malwares” ou “pragas digitais”, melhor dizendo, já que, para se enquadrar na categoria do vírus, os códigos maliciosos precisam preencher alguns requisitos, como foi visto nesta postagem) são programas de computador como outros quaisquer; a diferença fica por conta das instruções maliciosas ou destrutivas definidas por seus criadores.

Vale relembrar que as pragas digitais não só se multiplicaram exponencialmente desde a pré-história do PC — e mais significativamente a partir do momento em que a Internet se tornou popular entre usuários domésticos —, mas também ampliaram sobremaneira seu leque de ações. Se, num primeiro momento, elas eram apenas incomodativas, hoje são extremamente perigosas, não tanto pelo fato de serem capazes de destruir arquivos importantes e obrigar os usuários a reinstalar seus sistemas, mas sobretudo porque se transformaram na principal ferramenta de trabalho dos cibercriminosos, já que muitas delas garantem acesso remoto não autorizado às máquinas infectadas e/ou roubam dados e informações pessoais (com destaque para senhas bancárias e números de cartões de crédito) dos usuários desprotegidos (e até dos mais cautelosos, é bom que se diga).

Enfim, tudo isso já foi discutido à saciedade aqui no Blog; para mais informações, insira termos-chave como vírus, trojan, spyware, segurança, antivírus e outros que tais no campo de buscas do site, pressione Enter, e o mecanismo irá vasculhar as quase 2.400 postagens já publicadas e oferecer as sugestões adequadas. Importa mesmo é dizer que ninguém mais está seguro (se é que algum dia esteve) sem um arsenal de defesa responsável, composto, no mínimo, por um aplicativo antimalware, um firewall e um anti-spyware. Felizmente, há dezenas de opções disponíveis para download, tanto sharewares (pagas) quanto freewares (gratuitas). O ideal seria instalar uma boa suíte de segurança (Internet Security), mas, como a maioria delas é paga, aos muquiranas de plantão resta instalar os componentes individualmente.

Mas não só os PCs (aí compreendidos os modelos de mesa e portáteis) que demandam proteção contra esse tipo de ameaça. Todo dispositivo comandado por um sistema operacional é passível de ser “infectado” (ou seja, de executar códigos maliciosos), de modo que é enfaticamente recomendável estender a proteção a smartphones, tablets e distinta companhia. E com a popularização (ainda incipiente, mas enfim) da “internet das coisas”, a conclusão é óbvia.

Observação: Por “Internet das Coisas”, entenda-se um avanço tecnológico cujo objetivo consiste em conectar eletrodomésticos, roupas, meios de transporte e outros itens usados no dia a dia, como já acontece atualmente com computadores, smartphones, tablets e afins.

Para evitar que esse texto fique extenso demais, a conclusão fica para o post de amanhã. Abraços a todos e até lá.
Postar um comentário