sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

QUE PAÍS É ESTE e humor de sexta-feira


Antes de qualquer outra coisa, informo a vocês que não sou clarividente nem nada parecido, mas compus tanto a postagem anterior quando esta bem antes do temporal que deixou SAMPA literalmente debaixo d'água no final da tarde de ontem. E o pior é que, entra governo, sai governo, só mudam as moscas (para quem não é bom entendedor, a merda é a mesma). Até quando o prefeito, os ínclitos vereadores e seus apaniguados vão continuar simplesmente lamentando esse descalabro? Até quando vamos pagar mais e mais impostos a cada ano para ver se repetir infalivelmente calamidades que tais?

Que país é este???

Observação: Se você não é do pedaço, veja a foto abaixo para ter uma ideia do tamanho da caca.


Mudando de pato para ganso, na maioria dos países ocidentais a passagem de ano se dá à 0h do dia primeiro de janeiro, mas a despeito do decreto do governador romano Julio Cesar, de 46 a.C., o ano brasileiro começa depois do Carnaval (não se sabe ao certo se na quarta de cinzas, na quinta consecutiva ou na segunda-feira da semana seguinte – afinal, brasileiro adora um final de semana prolongado).

Enfim, coisas importantes ocorreram desde o réveillon (curiosamente, a festa em sim é realizada na data oficial), e nem todas boas, infelizmente, como a fatalidade que ceifou prematuramente a vida de centenas de jovens na cidade gaúcha de Santa Maria.  Já a renúncia do Papa Bento XVI – que, aos 85 anos, sentindo-se incapaz de cumprir a agenda do pontificado, resolveu pedir o boné, embora lhe fosse mais “confortável” continuar aboletado no Trono de São Pedro, gozando até o último minuto todas as mordomias possíveis e imagináveis – foi uma atitude louvável, pois reconhecer as próprias limitações é uma das maiores virtudes do ser humano.  .

Observação: O primeiro Papa a renunciar foi Ponciano, em 235 d.C., e o último, antes de Bento XVI, foi Gregório XII, há quase 600 anos.

Aliás, essa atitude do Papa deveria inspirar algumas figuras públicas tupiniquins – tais como José Sarney, Paulo Maluf e Fernando Collor, sem mencionar os recém-empossados presidentes da Câmara e do Senado.
Sarney, “pai” do malfadado Plano Real, de tão bem-quisto em seu Estado natal, mudou de domicílio eleitoral e se elegeu senador pelo Amapá. Maluf, que há mais de três anos figura na lista dos mais procurados da Interpol, continua deputado federal e tem trânsito livre no Congresso Nacional (pode???), enquanto Collor, defenestrado da Presidência em 1992, foi eleito senador pelo PTB (pode???). Henrique Alves e Renan Calheiros foram guindados ao comando do Congresso com o apoio da Presidente Dilma, dos partidos da base aliada e de boa parte da oposição, embora tenham suas biografias marcadas por escândalos que eu nem tenho estômago para comentar (para saber mais, clique aqui e aqui).

Que país é este???   

Falando em escândalos, dias atrás foi encaminhada ao Ministério Público de Minas Gerais a investigação do depoimento de Marcos Valério sobre o envolvimento do ex-presidente no esquema do mensalão. Segundo o publicitário, Lula era o chefe da operação e se empenhou pessoalmente na coleta do dinheiro. E a popularidade do cara continua em alta, a despeito de sua admiração confessa por sacripantas do quilate de Fidel Castro, Evo Morales, Hugo Chaves e daquele ditador iraniano de nome impronunciável...

Que país é este???

Enquanto isso, com sua maneira sui generis de governar, nossa insigne Presidenta namora o perigo ao incentivar o consumo com medidas populistas (controle rígido da taxa de câmbio, baixa forçada dos juros, contenção artificial do preço do petróleo e redução na tarifa de energia elétrica) que podem botar a perder os ganhos conquistados a duras penas pelo Plano Real. Curiosamente, os aspectos "positivos" – como a queda dos juros e do valor da conta de luz – foram  alardeadas em rede nacional de rádio e TV com pompa de discurso de palanque, mas o aumento da gasolina e do diesel e suas consequências no preço final de tudo que é consumido no país, isso a nossa conspícua Dirigenta não mencionou, até porque, como sempre, a conta vai acabar sobrando para os contribuintes.

Que país é este???

Que país é este onde cidadãos de bem podem ser presos por dirigir após tomar uma tulipa de chopp - ou, pior, comer um bombom de licor ou higienizar a boca com algum enxaguante bucal com álcool em sua fórmula - enquanto a bandidagem campeia solta e a polícia não pode socorrer vítimas de acidentes para garantir a integridade física dos delinquentes?

Que vá tudo pra p. q. p. e "viva o povo brasileiro!"

Piadinha de final de semana:


Lula morreu, e nem Deus nem o Diabo quiseram ficar com ele. Sem acordo, resolvem alternar a presença do ex-presidente no céu e no inferno, mês a mês.
No céu, Lula dissolve o sistema de assessoria pessoal dos anjos, tenta formar uma coligação de maioria absoluta na base da compra de votos, envia um projeto de lei aos apóstolos para reformar os Dez Mandamentos e anistiar Lúcifer, funda o Partido dos Trabalhadores Celestiais, com estrela azul clarinho e transforma tudo num caos. As pessoas não o suportam mais e promovem piquetes e invasões. Deus não vê a hora de chegar o fim do mês para enviá-lo ao inferno.
Quando Lula finalmente se vai, Deus respira aliviado, mas, lá pelo dia 20, começa a sofrer novamente, pensando no que o espera dali a 10 dias. 
No entanto, nada acontece no primeiro dia do mês seguinte. No quinto dia, ainda sem notícias, Deus imagina que, passando mais tempo no inferno, Lula poderia querer passar dois meses seguidos no paraíso. Desesperado diante de tal possibilidade, Ele telefona para o inferno e um demônio atende.
- Posso falar com o Diabo? - pergunta Deus.
- Qual dos dois? - quer saber o demônio. - O vermelho com chifres ou o filho da puta sem dedo?

Bom f.d.s. a todos.
Postar um comentário