segunda-feira, 18 de outubro de 2010

De olho na configuração

Ao checar a configuração de um PC, muita gente ainda confunde o espaço disponibilizado pelo disco rígido (HD) com a quantidade memória RAM, já que ambos são expressos em Gigabytes. Todavia, a semelhança termina aí, pois esses componentes têm funções diferentes e são fabricados a partir de tecnologias distintas. O drive de HD é a “memória de massa” do computador. Ele é constituído basicamente por um ou mais discos que giram em altíssimas rotações e armazenam de forma “persistente” as intermináveis seqüências de bits 0 e 1 que compõem os arquivos (tanto de sistema e de programas quanto os que são criados/modificados pelo usuário). Os dados são gravados por cabeças eletromagnéticas comandadas por um atuador, mediante a inversão da polaridade das moléculas de óxido de ferro da camada que reveste as superfícies dos discos.
Já a RAM é a “memória física” na qual o sistema operacional, aplicativos, pastas, arquivos e todas as demais informações que manipulamos quando utilizamos o computador são carregadas e executadas. Por ser totalmente eletrônica, ela permite acesso aleatório aos dados e chega a ser centenas de milhares de vezes mais rápida que o HD, conquanto seja incapaz de reter os dados quando o fornecimento de energia é interrompido, de modo que o boot precisa ser refeito sempre que ligamos a máquina.
Embora tenham evoluído sobremaneira, os HDs continuam sendo dispositivos eletromecânicos e, portanto, representam um dos principais “gargalos” do sistema computacional. E como já quase não existe margem de manobra para torná-los mais velozes, a tendência é de que eles venham a ser substituídos por drives  SSD, conquanto essa tecnologia ainda esbarre no custo elevado e na baixa capacidade de armazenamento.
Ao escolher um computador (seja de mesa ou portátil), privilegie uma configuração equilibrada: mesmo um processador de primeira linha só é capaz de mostrar todo o seu “poder de fogo” quando assessorado por uma placa-mãe de boa estirpe, um subsistema de memórias compatível e um HD responsável.
No que diz respeito à RAM, o padrão atual é o DDR3, que proporciona taxas de transferência entre 800 e 2400 MHz – ainda que os módulos tenham o mesmo formato, tamanho e número de pinos que os DDR2, as duas tecnologias são incompatíveis entre si. Note também que, a despeito de a fartura de memória proporcionar melhor performance ao sistema como um todo, de nada adianta investir em 4 ou mais GB de RAM e instalar uma versão 32-Bit do Windows, que reconhece entre 2.75 e 3.5 GB (uma parte substancial da memória física é reservada para o mapeamento do BIOS e outros que tais).

Observação: Para conferir a quantidade de RAM reconhecida pelo XP, basta dar um clique direito em Meu Computador, clicar em Propriedades > Geral e verificar as informações apresentadas no campo “Computador”. Note que, se sua placa gráfica for onboard, uma parte da RAM será alocada para o processamento de vídeo, e o valor declarado será proporcionalmente inferior à quantidade total de memória física instalada. No entanto se você fizer a verificação pelo BIOS, deverá ver discriminados tanto o total de memória quanto a reserva para o subsistema de vídeo, o que significa que o reconhecimento é integral.

No que concerne ao HD, prefira o padrão  SATA (no qual um pequeno conector substitui a ligação de 40 pinos IDE/ATA usada nos drives mais antigos), cuja versão 3 permite transferência de dados na casa dos 6 Gb/s. É importante também atentar para a rotação (que vai de 5.400 a 10.000 RPM, conforme o modelo), o buffer de memória e a taxa de transferência externa (vazão de dados suportada pelo barramento), balizando-se pela regra do “quanto maior, melhor”. Já com o tempo de acesso dá-se o contrário: quanto menor ele for, melhor será o desempenho do drive.
Uma boa semana a todos e até mais ler.
Postar um comentário