quarta-feira, 7 de outubro de 2015

SEGURANÇA DIGITAL – VEJA COMO NÃO CAIR NAS ARMADILHAS QUE INFESTAM A WEB.


NÃO ME ARREPENDO DE CONHECER QUEM QUER QUE SEJA, MAS SIM DE PERDER TEMPO COM QUEM NÃO MERECE.

Quem leu minha recente postagem sobre Hackers, Crackers & Cia sabe que são os crackers que criam vírus, invadem sistemas, desfiguram sites, roubam senhas bancárias e números de cartões de crédito, e por aí afora. E se você acha que não há nada no seu computador que justifique o interesse de um invasor, tenha em mente que isso não o tira da lista de vítimas potenciais, razão pela qual manter um arsenal de defesa responsável, ativo e operante é o mínimo que você deve fazer para preservar sua privacidade e manter seus dados seguros.

Há diversas maneiras de um invasor obter acesso não autorizado a um PC, mas a coisa fica mais fácil quando a máquina é compartilhada (no trabalho, ou mesmo em casa) sem a recomendável criação de contas de usuário e senhas de acesso (para saber mais, leia esta postagem e respectiva continuação).

ObservaçãoCom o uso de contas individuais protegidas por senhas, o sistema cria um ambiente personalizado e respeita as configurações e preferências de cada usuário, levando-o a se sentir como se tivesse seu próprio Windows e evitando invasões de privacidade e reconfigurações que afetem os demais.

Na maioria das vezes, quem abre as portas do computador para os invasores são programinhas maliciosos que exploram vulnerabilidades do Windows, de seus componentes e demais aplicativos. E o pior é que, não raro, as correções já foram disponibilizadas, mas o PC continua vulnerável porque o usuário não atualizou o sistema nem migrou para as versões mais recentes dos aplicativos. E as consequências são as mais diversas, variando conforme os propósitos e o modus operandi da praga, que tanto pode ser um spyware (programa espião) quanto um trojan (programa que garante acesso remoto a quem dispuser do respectivo módulo cliente), um keylogger (que monitora a digitação visando capturar senhas, números de cartões de crédito e outras informações confidenciais para posterior envio ao cibercriminoso de plantão), e assim por diante.

Mesmo estando com o software devidamente atualizado (acesse esta postagem para saber como proceder a propósito) e dispondo de uma suíte de segurança responsável (como as excelentes Avast Internet SecurityAVG Internet SecurityBitdefender Internet SecurityBullGuard Internet Security e Norton 360, apenas para citar algumas das mais afamadas), é fundamental evitar navegar por águas turvas (leia-se sites cabulosos), abrir anexos de email ou clicar em links suspeitos sem antes verificar se eles são confiáveis (para saber como fazer isso, acesse esta postagem), por exemplo.

Vale lembrar que a criatividade dos estelionatários digitais parece não ter limites, razão pela qual é preciso ficar atento ao phishing scam (técnica que se vale da Engenharia Social para explorar a ingenuidade ou a ganância das vítimas para levá-las a entregar de bandeja informações que permitam aos cibercriminosos alcançar seus propósitos escusos). Tenha sempre em mente que instituições financeiras e órgãos governamentais (como a Receita Federal, a Justiça Eleitoral, etc.) não enviam emails solicitando recadastramento de senhas ou atualizações de dados cadastrais ─ caso você receba uma mensagem dessa natureza, as possibilidades de se tratar de golpe são de praticamente 100%, de maneira que convém você não clicar em nada sem antes confirmar a autenticidade do comunicado entrando em contato telefônico com o suposto remetente. Adicionalmente, atente para os 10 mandamentos consubstanciados nesta postagem.

Ainda que não visem limpar sua conta corrente ou fazer maracutaias usando seus dados pessoais (RG, CPF e data de nascimento são suficientes para fazer um bocado de estrago) ou número do cartão de crédito (lembre-se de que, para compras online, o vigarista não precisa descobrir sua senha, já que basta fornecer o número do cartão, a data de validade e o código de segurança que consta no verso), os cibercriminosos podem “sequestrar” seus arquivos e pedir um resgate para fornecer a senha de liberação, ou mesmo transformar seu PC num “zumbi” e usá-lo para desfechar ataques de negação de serviço (quando uma grande quantidade de solicitações é disparada simultaneamente, visando “derrubar” um determinado website) ou distribuir SPAM sem que você tenha conhecimento, e por aí vai.

ObservaçãoRedobre os cuidados ao fazer download de músicas, filmes e aplicativos craqueados (quando a esmola é demais, o santo desconfia), e evite acessar seu webmail, serviço de netbanking ou fazer compras online a partir de máquinas públicas (da escola, do trabalho, de lanhouses, etc.).

Por último, mas não menos importante, ao acessar um website qualquer que exiba banners ou janelas pop-up dando conta de que seu PC está infectado e se oferecendo para limpá-lo, fuja correndo. E o mesmo vale para mensagens dando conta de que é preciso atualizar seu FlashJavaSilverlight, etc., e se oferecendo para fazê-lo mediante um simples clique do mouse. Na dúvida, faça uma busca na Lavasoft Rogue Gallery (ou lista de antivírus falsos da Lavasoft, numa tradução livre). Como eu costumo dizer, “cautela e canja de galinha nunca fizeram mal a ninguém”.

Abraços e até a próxima.
Postar um comentário