segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

WINDOWS UPDATE — RESOLVENDO PROBLEMAS



VOCÊ JAMAIS TERÁ DE EXPLICAR ALGO QUE NÃO DISSE.

Ainda que os sistemas e programas sejam testados exaustivamente antes do lançamento comercial, nenhum código é imune a bugs (erros) e, por isso, alguns problemas podem vir à tona mais adiante, quando então se impõe corrigi-los através patches (remendos) ou upgrades (novas versões). A indústria de TI trabalha com uma margem de erros (“x” bugs para “y” linhas de código) que reputa “aceitável”, até porque muitas falhas são inócuas e outras, apesar de incômodas, não comprometem a segurança dos usuários. No entanto, não faltam bugs que fragilizam o sistema e, para piorar, eles costumam ser prontamente explorados por “hackers do mal”, de modo que é fundamental neutralizá-los com a possível urgência.

Observação: Bug significa inseto, mas, no âmbito da TI, o termo é sinônimo de “defeito”, tanto de hardware quanto de software. Essa acepção se deve às frequentes queimas de válvulas provocadas pelas mariposas, que, atraídas pelo calor, invadiam os gigantescos mainframes da pré-história da computação. Aliás, circuitos de placas-mãe e de expansão destruídos por formigas (que buscam abrigo e calor no interior do gabinete) não são exatamente incomuns, mesmo nos dias atuais.

Uma falha que leva um aplicativo a travar de tempos em tempos não deixa de ser um aborrecimento, mas quando permite que um “hacker do mal” acesse e opere remotamente o PC, ela passa a ser um problemão. Para piorar, a atualização de softwares sempre foi considerada pelos usuários como coisa de importância menor; primeiro, por ser um processo trabalhoso e aborrecido (era preciso vasculhar os websites dos desenvolvedores em busca de atualizações/novas versões de seus produtos), segundo, porque muitos achavam que remendos e upgrades serviam apenas para tornar os aplicativos “mais pesados” e comprometer o já reduzido espaço disponibilizado pelos discos rígidos dos anos 80 e 90.

Por conta disso, a Microsoft criou o Windows Update — implementado no Win98 e aprimorado ao longo das edições subsequentes do sistema —, e o mesmo fizeram os demais desenvolvedores de software, ou pelo menos os mais zelosos. Assim, a maioria dos aplicativos atuais conta com um comando (geralmente em Ferramentas ou Ajuda) que, mediante uns poucos cliques do mouse, permite localizar, baixar e instalar as atualizações.

Observação: Ciente de que a maioria dos consumidores prefere amaldiçoar a escuridão a acender uma vela, a empresa de Redmond aprimorou seu serviço de atualizações, que foi rebatizado como Microsoft Update e passou a englobar aplicativos do MS Office e demais produtos Microsoft que porventura estejam instalados no PC.

Com o lançamento do segundo Service Pack para o Windows XP (para quem não sabe, um SP é uma coleção de updates e hotfixes destinada a corrigir bugs e agregar novas funções a um programa) veio a “Central de Segurança”, que tornou mais fácil identificar e solucionar algumas vulnerabilidades — basicamente, ela verifica se o firewall (nativo ou de terceiros) está habilitado, se existe um antivírus ativo e operante e se as atualizações do SO estão adequadamente configuradas. E para debelar a grita dos tradicionais insatisfeitos (como bem disse JFK, é impossível agradar todo mundo ao mesmo tempo), a Microsoft abriu o leque de configurações do Windows/Microsoft Update, e a despeito de padronizar a opção que automatiza a verificação, identificação, descarga e instalação dos patches, permitiu que a ferramenta fosse ajustada para apenas alertar os usuários da existência de atualizações ou baixá-las automaticamente, mas deixando a instalação a critério de cada um (essa liberdade foi bastante reduzida no Windows 10, mas isso já é assunto para se discutir noutra ocasião).

É importante frisar que os programas “não-Microsoft” não são contemplados pelo Windows/Microsoft Update, embora seja importante mantê-los devidamente atualizados. Antivírus e suítes de segurança que exigem atualizações constantes costumam oferecer como opção o update automático (permitindo ao usuário configurar o horário e a freqüência desejada) ou incluir em suas interfaces links ou botões para disparar manualmente o processo (procure algo como “atualizar” ou “check for update”). Outros apps trazem links em suas interfaces ou embutem comandos em seus menus — para atualizar o CCleaner, por exemplo, clique em Verificar atualizações, no canto inferior direito da janela principal; no Chrome e no Firefox, o processo é automático, mas você pode convocá-lo manualmente no primeiro pressionando o botão Ferramentas e clicando em “Sobre o Google Chrome”, e clicando em Ajuda > Verificar atualizações no segundo, e o mesmo vale para o Adobe Acrobat Reader, que se atualiza sozinho, mas também conta com o comando Verificar atualizações no menu Ajuda. E assim por diante.

Mesmo que esse procedimento seja bem menos trabalhoso do que o de alguns anos atrás, quando, como dito, era preciso visitar o website de cada desenvolvedor para garimpar eventuais correções e atualizações, existem diversas ferramentas capazes de vasculhar os softwares instalados no PC, identificar as versões desatualizadas em oferecer os links para as respectivas correções. Um bom exemplo — que eu uso e recomendo — é o FILEHIPPO APP MANAGER, mas há outras opções igualmente gratuitas e eficientes, dentre as quais vale citar o OUTDATEFIGHTER e o R-UPDATER.

Amanhã a gente conclui, pessoal. Abraços e até lá.
Postar um comentário