quarta-feira, 14 de abril de 2010

Revisitando os portáteis (conclusão)

Antes de qualquer outra coisa, vale lembrar que ontem foi dia de Patch Tuesday, e embora a dona Microsoft tenha se fingido de morta e não me enviado o aviso tradicional (e eu vou puxar a orelha dela por isso), tem um bocado de correções críticas esperando por você. Então, caso não tenha configurado seu sistema para fazer o download e instalar automaticamente os remendos, clique em Iniciar, Todos os Programas e em Windows Update para se manter protegido.
Feita essa ressalva, podemos prosseguir no assunto em pauta dizendo que a bateria que alimenta um computador portátil também exige cuidados, ou sua autonomia e vida útil serão drasticamente abreviadas (a autonomia remete ao espaço de tempo durante o qual a bateria permite que você utilize seu portátil desconectado da tomada, enquanto que a vida útil tem a ver com o número de recargas que ela irá suportar até perder sua funcionalidade). Claro que essas questões são mais relevantes para quem utiliza o computador “em trânsito”, já que, em casa ou no escritório, é natural mantê-lo alimentado pela rede elétrica. Mesmo assim, convém conhecer algumas regrinhas simples que podem adiar o inevitável, ou seja, prolongar a vida útil da bateria até a hora de substituir o aparelho por um modelo novinho em folha. Confira:

1- Baterias recarregáveis suportam um número determinado de recargas, ao final do qual se tornam incapazes de armazenar energia. Nesse caso, não há como fazer o elemento químico (lítio) segurar mais elétrons. Se a carga de sua bateria estiver se esgotando rapidamente, ou o notebook estiver apresentando problemas para medir a quantidade de energia restante, você pode até pode instalar qualquer software externo que faça uma medição mais precisa, mas isso só permite saber quanto tempo de carga restante o portátil tem; não existe programa algum que seja capaz de recuperar a saúde de uma bateria desgastada pelo tempo.

2- Alguns especialistas recomendam remover a bateria sempre que o note for utilizado conectado à tomada, embora esse procedimento anule a função de no-break (com a bateria instalada, uma interrupção inesperada no fornecimento de energia da rede elétrica não impedirá que você continue trabalhando normalmente, ou que encerre os programas adequadamente, caso prefira desligar o computador). Seja como for, convém colocar a bateria em uso a cada dois meses, esperar o sistema operacional desligar o notebook, recarregar e, então, guardá-la novamente (uma bateria sem uso perde suas propriedades químicas, e isso também compromete sua vida útil).

Observação: A maioria dos portáteis atuais é projetada para desligar antes que a carga da bateria se esgote completamente. O Windows 7 e o Vista oferecem uma configuração para esta finalidade: clique em Iniciar, digite energia, tecle Enter e selecione o item Opções de energia. Feito isso, escolha um dos dois planos disponíveis (Equilibrado ou Economia de energia), selecione a opção Alterar Configurações do Plano e o item Alterar configurações avançadas de energia. Na janela aberta, role a página até o item Bateria e clique no sinal de adição (+) para expandir mais opções. Escolha Nível de bateria crítica e preencha o campo com o valor 5%.
3- Evite remover ou recolocar a bateria com o notebook ligado, mesmo que ele esteja no modo de espera (isso pode travar o sistema e até mesmo causar danos ao hardware). Só o faça com o aparelho no modo de hibernação ou totalmente desligado (e com o cabo de força desconectado da tomada).

4- Ao contrário do que muita gente imagina, não é boa política esperar a bateria descarregar totalmente antes de recarregá-la (o efeito cumulativo dessa prática acaba encurtando a vida do componente). Todavia, se você constatar que sua bateria não consegue mais segurar carga, experimente descarregá-la totalmente, recarregá-la totalmente e repetir o processo uma segunda vez (isso nem sempre funciona, mas enfim...).

5- Há quem diga que a bateria nunca deve ser recarregada totalmente, conquanto inexistam provas irrefutáveis de que essa prática possa acarretar qualquer dano. Em última análise, é melhor sair de casa com a bateria totalmente carregada do que precisar correr atrás de uma tomada no meio do caminho.

6- A vida útil da bateria (do note, do celular, da câmera digital, e até mesmo das pilhas comuns) diminui conforme a temperatura aumenta. Então, certifique-se de que as ranhuras de ventilação do seu portátil (que geralmente ficam na parte de baixo ou numa das laterais) não estejam bloqueadas, e – conforme já comentamos –, evite trabalhar com o aparelho sobre almofadas, mantas ou travesseiros. Por outro lado, jamais espere melhorar o desempenho da bateria guardando-a na geladeira (mesmo que ela seja acondicionada em um saco plástico, a condensação pode acarretar sérios danos ao dispositivo). O melhor é mantê-la em local seco longe de fontes de calor.

No que concerne à autonomia:

1- Para prolongar a duração da bateria, ajuste o brilho da tela para o nível mais baixo possível, desligue todos dispositivos que não sejam indispensáveis ao trabalho (Bluetooth, Wi-Fi, etc.) e evite usar mouse externo e o sistema de som.

2- Habitue-se a não deixar muitos programas abertos simultaneamente – quanto mais aplicativos abertos, maior a necessidade de acesso ao HD para guardar informações de trabalho e mais energia será consumida (só não vá desabilitar o antivírus ou firewall (a não ser que esteja desconectado da Internet).

3- Para não desligar e religar o aparelho com freqüência, você pode se valer do modo de espera sempre que interromper seus trabalhos por períodos curtos, como no horário de almoço, por exemplo. Disponível no Windows 7, Vista e XP, esse recurso mantém o computador ligado, mas com um consumo mínimo de energia, e permite voltar às atividades em poucos segundos (bem mais rapidamente do que num boot convencional).

4- Já para ausências mais prolongadas – uma hora ou mais –, o melhor é optar pela hibernação, que salva todo o ambiente (inclusive as aplicações abertas) no disco rígido e desliga completamente o aparelho. Note, porém, que o Windows leva mais tempo para entrar e sair da hibernação do que no modo de espera (em alguns casos, o processo pode levar mais de um minuto).

Era isso, pessoal. Espero que tenham gostado.
Abraços e até amanhã, se Deus quiser.
Postar um comentário