terça-feira, 30 de agosto de 2011

Tablets

Depois dos notebooks e dos netbooks, a “bola da vez” são as tablets, que vêm disputando com os smartphones a preferência dos aficionados por gadgets e novidades afins.
Semelhantes aos e-readers em tamanho e formato, esses aparelhos oferecem recursos que vão bem além da simples leitura de arquivos; em última análise, eles combinam a funcionalidade dos PCs convencionais com a portabilidade dos smartphones, proporcionando uma excelente experiência para quem quer navegar na Web, jogar, gerenciar e-mails e assistir a vídeos, por exemplo, conquanto não sejam muito práticos para criação de conteúdo, processamento de texto e tarefas que tais.
Para ser considerado como tablet, o aparelho deve ter a touch screen como principal recurso para comandos e entrada de dados – embora alguns modelos ofereçam teclados deslizantes ou aceitam teclados Bluetooth. No entanto, como suas telas são bem maiores que as dos telefoninhos inteligentes (onde qualquer descuido pode fechar o navegador em vez de abrir o link que você deseja acessar, por exemplo), seu uso no dia-a-dia é bastante é bastante amigável.
Escolher entre uma tablet e um laptop é mais uma questão de preferência pessoal do que qualquer outra coisa. Cada arquitetura tem suas vantagens e desvantagens, de modo que é importante você estabelecer seu perfil de usuário e a partir daí encontrar a solução que melhor atenda suas necessidades e possibilidades. Tanto num caso como noutro, os preços variam conforme a marca, o modelo e os recursos do aparelho, e as diferenças nem sempre são óbvias: antes de sacar seu poderoso cartão de crédito, analise as dimensões da tela, o tamanho e o peso do modelo, a autonomia da bateria, as opções de conectividade, os acessórios incluídos, e só faça comparações de preços entre produtos de características semelhantes.
No que concerne ao hardware, telas resistivas são mais baratas, mas menos sensíveis do que as capacitivas. O tamanho varia entre 7 e 10,1 polegadas (telas menores favorecem a portabilidade, mas as maiores são bem mais confortáveis de usar). No mais, 1 GB de RAM costuma ser suficiente, especialmente com um processador dual core como o TEGRA2, da NVIDIA, que, combinado com o Android, resulta numa solução bastante confiável – existem diversas opções de SO para tablets, mas as mais comuns são o iOS4 (para produtos da Apple) e o Android OS - que também equipa diversos modelos de smartphones. Note que o sistema escolhido definirá os apps (aplicativos) que você poderá instalar no seu aparelho; caso venha a optar pelo Android, assegure-se de que a versão seja 3.x (desenvolvida especialmente para tablets).

Ainda em dúvida sobre qual plataforma escolher? Então, fique com as duas: o Eee Pad Transformer TF101, da ASUS – tablet com sistema Android campeão de vendas em todo o mundo – chega agora ao Brasil.
Com processador Tegra II 1 GHz dual core, 16 GB + microSD, tela de 10.1” e movido a Android 3.1 Honeycomb, câmera de 1.2 MP, saída miniHDMI e preço sugerido de R$ 1.599, essa belezinha promete dar trabalho à concorrência, especialmente por se transformar em Notebook com a ajuda de uma DOCK
O peso do aparelho (691 g) passa a ser de 1,3 kg com a Eee Station (vendida separadamente, preço ainda não definido), que integra teclado físico, touchpad, leitor de cartão SD e bateria extra. Se desejar, você ainda pode espetar mouse e teclado nas 2 portas USB 2.0. Pena que fica faltando o 3G, já que o Wi-Fi é o único caminho oferecido pelo aparelho para acessar à Internet.  

 Um ótimo dia a todos e até mais ler.
Postar um comentário