sexta-feira, 4 de maio de 2012

CHKDSK (final) e humor...


Vimos anteriormente que podemos executar o CHKDSK tanto via interface gráfica quanto pelo prompt de comando – em ambos os casos as rotinas de verificação são basicamente as mesmas, embora a segunda opção costume ser um pouco mais demorada.
O funcionamento do CHKDSK pode ser dividido em 4 etapas, sendo a última opcional. Nas três primeiras, o utilitário identifica o espaço ocupado e o disponível, examina todos os índices do volume e verifica os descritores de segurança (você pode acompanhar a progressão a partir de uma contagem de 0 a 100% que é exibida na tela em cada uma das etapas).

Observação: Os descritores de segurança contêm informações sobre o proprietário do arquivo ou diretório, além de dados sobre a permissão de NTFS e de auditoria. Nessa etapa, o CHKDSK verifica se a estrutura de cada descritor de segurança está bem formada e é consistente internamente.

A etapa opcional, realizada somente mediante o parâmetro /r, comanda a busca por setores ruins no espaço livre do volume (quando um setor ilegível é encontrado, o cluster respectivo é adicionado a uma “lista negra” e um novo cluster é alocado para substituí-lo).
Note que uma verificação completa pode levar de muitos minutos a algumas horas – ou dias, conforme o número de arquivos e diretórios e o grau de fragmentação do volume e da MFT, bem como da quantidade de memória do sistema, do poder de processamento da CPU, das características do disco, etc.

Passemos agora à piadinha da vez:

João chega no céu e São Pedro lhe explica que ali não se faz sexo, e que ele só será admitido se concordar com a amputação de seu órgão genital. Sem alternativa, o pobre rapaz é levado até uma ante-sala e colocado numa fila, atrás de dois outros infelizes. Minutos depois, uma anja estonteante vem buscar o primeiro. Ouvem-se gritos horripilantes, e ela volta para buscar o segundo. Ouve-se então um único grito, e ela vem buscar João, que lhe pede uma explicação.
– Aqui gente elimina o negócio de acordo com a profissão que o sujeito exercia na Terra. O primeiro gritou muito porque era serralheiro; o segundo deu só um berro porque era açougueiro.
João cai na gargalhada e diz à anja:
– Eu era sorveteiro!

Bom f.d.s a todos.
Postar um comentário