sexta-feira, 20 de julho de 2012

HIBERNAR ou DESLIGAR e humor...


Como dizia um velho amigo meu, "SE TODO MUNDO FALAR SOMENTE DAQUILO QUE REALMENTE ENTENDE, O SILÊNCIO SE TORNARÁ INSUPORTÁVEL".


Muito já foi dito aqui no Blog sobre o uso da hibernação, que todo computador atual suporta e que reduz sensivelmente o tempo que o sistema leva para ser recarregado. Dias atrás, no entanto, li numa publicação especializada (que até então eu reputava confiável) que esse recurso não é "mais ecológico" do que o desligamento, pois não reduz o consumo de energia.
Então, vamos combinar: nstand by (modo de espera), diversos componentes do sistema computacional são desenergizados, mas a máquina continua ligada e, portanto, consumindo energia (pouca, é verdade, mas ainda assim...).  Ao hibernar, todavia, sistema transfere o conteúdo da RAM para uma área pré-definida do HD e desliga totalmente o computador (que pode inclusive ser desconectado da tomada).
Vale frisar que essa prática não tem influência direta sobre vida útil do HD, mas como esse dispositivo é desenvolvido para suportar algo em torno de 50 mil inicializações, seria preciso religar a máquina umas 20 vezes por dia durante cerca de oito anos para que o drive "abrisse o bico". E se hoje em dia quase ninguém utiliza o mesmo PC durante tanto tempo, a conclusão é óbvia.

Passemos agora ao nosso tradicional humor de sexta-feira:

Eu disse a ela: “Não sou rico nem tenho apartamento de luxo ou carros importados como o meu amigo Carlos Eduardo, mas te amo muito e é isso que importa”.
Então ela fitou, comovida, me abraçou bem forte e, num transbordamento de carinho, sussurrou: “Se você me ama de verdade, me apresenta ao Carlos Eduardo”.

Cientistas alegam que molhar o interior da vagina com suco de limão, antes do sexo, é uma solução contraceptiva simples e barata. Como somos brasileiros, juntamos o útil ao agradável e acrescentamos gelo, açúcar e vodka, usamos o pênis como socador e assim fazemos uma caipiroska – ou caipichana, caipichota, caipireca, caipiceta, embora os puristas prefiram chamar de caipigina.

Recepcionistas de consultórios médicos costumam fazer perguntas constrangedoras. Certa vez, uma deles me perguntou por que eu queria ver o doutor.
- Tenho um problema com o meu pênis - respondi.
Como alguns dos presentes riram, ela retrucou, irritada:
- O senhor não deveria dizer coisas como essa diante das pessoas.
- Ué, eu simplesmente respondi sua pergunta - retruquei.
- O senhor poderia dizer que tinha um problema no ouvido e discutir o verdadeiro motivo da consulta com o doutor.
Então eu sorri, saí da sala, tornei a entrar e disse:
- Bom dia, senhorita!
- Um tanto espantada, a moça disse:
- Pois não?
- Eu tenho problema no ouvido.
Aí ela sorriu e perguntou:
- E o que acontece com o seu ouvido, senhor?
- Arde quando eu mijo.


Bom fds a todos
Postar um comentário