quarta-feira, 20 de março de 2013

DESFRAGMENTAÇÃO DOS DADOS

Em linhas gerais, a desfragmentação consiste numa longa sequência de leituras e gravações destinadas a recompor e rearranjar os arquivos em clusters contíguos, tornando-os mais facilmente acessíveis para as cabeças eletromagnéticas do HD. A frequência com que esse processo deve ser realizado varia conforme o uso do computador e o sistema operacional e seu respectivo sistema de arquivos, e o tempo que ele leva para ser concluído depende da velocidade e capacidade do drive, do percentual de espaço ocupado e do índice de fragmentação dos arquivos, dentre outros aspectos.

Observação: Segundo a Microsoft, a desfragmentação é necessária quando o percentual de fragmentação atinge 10%, mas só será realizada integralmente caso haja pelo menos 15% de espaço livre no drive. Eu, particularmente, analiso meu HD a cada quinze dias e o desfragmento sempre que o índice ultrapassa os 3%.

O Windows ganhou seu desfragmentador nativo na versão 95, mas o programinha só proporcionava bons resultados se fosse executado no modo de segurança (o mesmo vale para as demais versões 9.x/ME). O XP trouxe a possibilidade de desfragmentar o HD e realizar outras tarefas concomitantemente, mas impacto do Defrag no desempenho do sistema recomendava (ou recomenda, para quem ainda utiliza o XP) encerrar todos os programas – inclusive o antivírus – e ir tirar um cochilo, lavar o carro, namorar ou cuidar de outros assuntos.

Observação: Há desfragmentadores de terceiros, tanto pagos quanto gratuitos, que realizam um trabalho mais elaborado do que o Defrag do Windows. Eu, particularmente, gosto muito do Puran Defrag e do Smart Defrag 2, embora haja dezenas de outras sugestões em nossas postagens (para conferir, digite “desfragmentador” ou “desfragmentação” no campo de buscas do Blog). Além da rapidez, o diferencial desses programinhas são os recursos adicionais, tais como a desfragmentação off-line (feita durante a inicialização, de maneira a atuar sobre arquivos que ficam inacessíveis depois que o Windows é carregado), a otimização (regravação dos arquivos do sistema no início do disco para acelerar o desempenho), a consolidação do espaço livre, e por aí vai.

Nas versões mais recentes do Windows a fragmentação é bem menos significativa – até porque o próprio sistema procura evitar que ela ocorra. Por conta disso, a Microsoft automatizou o Defrag e suprimiu o comando que permitia executá-lo no Vista, mas voltou atrás no Windows 7, como você pode conferir clicando em Iniciar/Todos os programas/Acessórios/Ferramentas do Sistema/Desfragmentador de disco.
Falando no Seven, muitos analistas asseguram que seu desfragmentador nativo foi aprimorado e ficou tão bom quanto (ou até melhor do que) os utilitários de terceiros. No entanto, como ele vem programado para rodar todas as quartas-feiras, à 1h da madrugada, clique no botão Configurar agendamento e ajuste esses parâmetros caso você não costume manter o computador ligado nesses dias e horário. Demais disso, também é possível executar o Defrag por demanda, bastando abrir o Windows Explorer, dar um clique direito sobre o ícone que representa a unidade desejada, selecionar Propriedades, clicar na aba Ferramentas, em Desfragmentar agora e em Analisar disco. Se o grau de fragmentação justificar, clique em Desfragmentar agora e aguarde a conclusão do processo.
Note que, diferentemente das versões anteriores, o Defrag do Seven não exibe barrinhas que mudam de lugar ou quadradinhos que trocam de cor, mas permite acompanhar o andamento do processo pela telinha que exibe os passos e os respectivos percentuais.

Amanhã a gente conclui; abraços e até lá.
Postar um comentário