sexta-feira, 21 de julho de 2017

VOCÊ CONHECE SEU PC? Parte XII

 “MEU SILÊNCIO NÃO ESTÁ À VENDA”, DISSE CUNHA. ORA, SE NÃO ESTÁ À VENDA, MUITO PROVAVELMENTE É PORQUE JÁ FOI COMPRADO.

O subsistema de vídeo, formado pelo monitor e pela placa gráfica, representa o principal meio de comunicação do PC com o usuário. De uma década para cá, os anacrônicos, volumosos e desajeitados monitores "de tubo" (CRT) deram lugar às telas de cristal líquido (LCD), que são mais finas e elegantes, gastam menos energia, geram menos calor, acumulam menos poeira e não estão sujeitas ao famigerado efeito flicker (cintilação).

Observação: Houve quem apostasse nas telas de plasma como substitutas do velho tubo, mas por diversas razões (dentre as quais vale citar o custo de produção elevado e, consequentemente, o preço final nas alturas), essa tecnologia acabou sendo aproveitada na construção de monitores de TV de telas imensas.

As caixas acústicas foram incorporadas aos PCs quando os drives de CD se popularizaram. Até o final dos anos 90, era preciso comprar esse componente em separado, o que não fazia muito sentido, pois os aparelhos nem sequer dispunham de uma placa de som ― contavam apenas com um pequeno alto-falante, no interior do gabinete, que era mais do que suficiente para reproduzir os "bips" produzidos pelo BIOS durante o boot e os sons rudimentares de alguns games. Todavia, quem gosta de ouvir música no PC (ou assistir a clipes de vídeo e filmes em streaming) não ficará satisfeito com o som reproduzido pelas caixinhas chinfrim que acompanham os desktops ― ou os falantes embutidos nos notebooks. Nesse caso, vale a pena adquirir um conjunto de melhor qualidade, amplificado e com sub-woofer integrado, ou, alternativamente, recorrer a bons fones de ouvido.

O modem analógico também não acompanhava os PCs de primeiras safras, mas passou a ser integrado quando o acesso à Internet via rede dial-up (conexão discada, lembrar?) começou a se tornar popular entre usuários domésticos. Anos mais tarde, a disseminação da banda larga levou os fabricantes a não mais fornecer o dispositivo (e o mesmo aconteceu com o floppy drive e o drive de mídia óptica, primeiro nos notebooks, depois nos modelos all-in-one). Já a placa de rede (LAN), utilizada na conexão em banda larga cabeada, também vem sumindo das prateleiras, notadamente depois que os smartphones e, mais adiante, os tablets popularizaram o uso dos ― hoje onipresentes ― roteadores wireless.

Por último, mas não menos importante, o teclado e o mouse, que são os principais dispositivos de entrada de dados. Existem modelos para todos os gostos e bolsos, mas um conjunto básico wireless (sem fio) das marcas Microsoft ou Logitech, por exemplo, oferece funcionalidade bastante aceitáveis e são comercializados a preços acessíveis. Quanto à conexão com o PC, a interface utilizada atualmente é a USB, que apresenta vantagens indiscutíveis em relação aos obsoletos conectores DIN/Mini-DIN, que desapareceram das prateleiras.

Observação: Não é boa política pagar caro por teclados ou mouses repletos de funções que você dificilmente irá utilizar e uma profusão de botões cuja finalidade você dificilmente se dará ao trabalho de programar

Se você usa um notebook como substituto do desktop, saiba que pode “substituir” o touchpad (aquele "tapetinho" que faz o papel do mouse) e o próprio teclado do aparelho por modelos convencionais, com interfaces USB. Na maioria dos casos, basta plugar os periféricos e reiniciar o computador para que o Windows os reconheça automaticamente.

Já os joysticks são úteis para gamers de carteirinha, já que alguns jogos são tão complexos que é quase impossível executá-los via teclado/mouse. Alguns modelos são até melhores do que os consoles dedicados, mas só vale investir nisso se você realmente é fã de games; do contrário, esses dispositivos são tão inúteis quanto pente em bolso de careca.

Isso encerra esta sequência, pessoal. Abraços e até o próximo post.

IMPRESTÁVEIS DO PRIMEIRO AO QUINTO!

PT, sindicatos e movimentos sociais ligados à quadrilha ficaram de realizar atos em defesa de Lula e pelo “Fora Temer”, pelas “diretas já” e outras bobagens que tais. Aqui em Sampa, a corja de desocupados e os vândalos que tradicionalmente vêm no pacote prometeram se reunir defronte o vão livre do MASP, como já se acostumaram a fazer. Parece que a festinha de embalo, marcada para o final da tarde desta quinta-feira, vai contar com a presença da bandida/chefa da quadrilha e ré na Lava-Jato Gleisi Hoffmann, do comandante máximo da ORCRIM e de uma certa anta vermelha com cérebro de ameba. Para quem gosta de merda, é um prato cheio.

Observação: Estou escrevendo este texto no meio da tarde da quinta-feira, de modo que a avaliação dos movimentos ficará para a manhã de sexta.

Além da capital e do estado de São Paulo, Rio, Bahia, Minas, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Brasília também devem ser brindados com atos similares. E no próximo dia 27 será a vez do Vem Pra Rua, com sua “Marcha Contra a Impunidade e Pela Renovação”, que pede a saída de Temer, a prisão de Lula, e o andamento célere das condenações e a prisão dos facínoras que tomaram de assalto o país.

Está mais que na hora de acabar com essa palhaçada, jogar uma pá de cal nesse revanchismo idiota e formar uma frente coesa contra a impunidade, em prol de uma reforma cabal na política, com a imediata deposição de TODOS os parlamentares enrolados na Justiça e substituição do purgativo Michel Miguel Elias Temer Lulia pelo próximo na linha sucessória QUE NÃO SEJA RÉU NEM ALVO DE INVESTIGAÇÃO NA LAVA-JATO.

Esse enredo falacioso de “ruim com Temer, pior sem ele” é tão convincente quanto a inocência de Lula. Pior sem Temer? Só se for para ele e seus confluentes, como já se viu no plano internacional ― onde o presidente já não encontra abrigo ―, na economia ― onde o mercado já “precificou” a troca de comando ―, e na política ― onde é a presença de Temer, e não seu possível afastamento, o maior fator de instabilidade. Essa história de que a deposição (mais uma) do chefe do Executivo agravaria a crise só reverbera entre a reduzidíssima confraria de apaniguados que apoia Michel Temer por interesses pessoais. Fora do círculo de ministros e assessores do presidente, contam-se nos dedos (da mão esquerda de Lula) os poucos gatos-pingados que defendem sua permanência no cargo ― e apesar do esforço que o Planalto tem feito para demonstrar o contrário, Rodrigo Maia não é um deles, como ficou claro, na última terça-feira.

É certo que tudo isso não passa de um jogo de interesses, no qual as peças mudam no tabuleiro como as imagens num caleidoscópio. Temer, ministros e dirigentes do DEM minimizaram os fatos e agora dizem que a questão está superada. Pode até estar, mas não se sabe até quando.

Claro que não é hora para construir muros, mas sim pontes na relação com aliados. Todavia, como cada deputado irá votar no próximo dia 2 ― caso se consiga quórum de 342 parlamentares, sem o que a votação não pode ser iniciada ― vai depender do que acontecer até lá. Faltam 11 dias, mas no contexto político atual, onde tudo muda o tempo todo... Enfim, vamos acompanhar e ver o que vai dar.

E já que estamos falando em imprestáveis, Lula parece alimentar esperanças de reverter a condenação imposta por Moro no TRF4. A cantilena é a de sempre, ou seja, ele é uma vítima inocente, um perseguido político, e blá, blá, blá. Segundo a Folha de S. Paulo, dois dos desembargadores da 8ª Turma, que vai julgar o recurso de Lula, aplicaram, na última quarta-feira, aquela que pode ser a maior pena da Lava Jato. Eles condenaram Sérgio Mendes, da Mendes Jr, a 47 anos e 3 meses de prisão ― a sentença do juiz Sergio Moro tinha sido bem mais camarada: 19 anos e 4 meses. Lula lá!

Para encerrar, a versão condensada de um texto de Ricardo Noblat:

Nada mais natural e ao mesmo tempo moralmente indefensável do que distribuir cargos e verbas em troca de votos de parlamentares. É o que Michel Temer vem fazendo desde o primeiro dia como presidente (interino), o que fizeram todos os governos que o antecederam e o que farão os que o sucederem, infelizmente. Até porque um presidente que se cercasse de adversários e desprezasse os aliados não resistiria no cargo durante muito tempo. Mas aqui os cargos e verbas públicas são usadas para que parlamentares abiquem de suas convicções e traiam seus eleitores. 

Os presidentes não loteiam os cargos com o propósito de que eles sejam usados para roubar, mas sabem isso ocorrerá, discreta ou explicitamente, e é por isso que o sistema político brasileiro apodreceu. Raros são os candidatos que bancam do próprio bolso a sua campanha. A maioria paga as contas e forram seus bolsos com o dinheiro do fundo do partidário e com o que arrecadam através de apaniguados bem colocados no serviço público.

É à base do toma-lá-me-dá-cá que são produzidas as mais tenebrosas transações e, ao final, quem paga a conta são os contribuintes. É por isso que governos impopulares como o atual conseguem sobreviver às mais precárias situações. Podem ser fracos da porta da rua para fora, mas são fortes da porta do Congresso para dentro.

E como hoje é sexta-feira:


Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/
Postar um comentário