terça-feira, 29 de maio de 2012

EMAIL, ARROBA e mais cultura inútil...

Numa das primeiras postagens publicadas aqui no Blog, eu dizia que os “endereços” de email são grafados geralmente em letras minúsculas, sem acento ou espaço entre as palavras (embora elas possam ser separadas por ponto, hífen, underline etc.), e que algo como zedaesquina@bol.com.br significa que alguém que se intitula Zé da Esquina tem uma conta no BOL, que é um provedor de natureza comercial (.com) hospedado no Brasil (.br).

Observação: Embora tenha sido criada há quase seis anos, a postagem em questão abre uma sequência bastante interessante – para acessá-la, clique aqui.

Durante a Idade Média os livros eram escritos à mão pelos copistas, que, precursores dos taquígrafos, simplificavam o trabalho substituindo letras, palavras e nomes próprios por símbolos, sinais e abreviaturas – não por falta de tempo, mas sim porque papel e tinta, naquela época, eram produtos caríssimos.  Assim, em vez de usar o m ou o n para indicar que a vogal anterior era nasalada, por exemplo, passou-se a adicionar-lhe um til (~); já o nome Francisco, também grafado Phrancisco, foi abreviado para Phco ou Pco – originando o apelido Paco, muito comum entre os espanhóis.
Para identificar os santos, os copistas os recorriam a algum detalhe significativo de suas vidas: São José, por exemplo, era seguido de Jesus Christi Pater Putativus – ou seja, o pai putativo (suposto) de Jesus Cristo. Mais tarde, passou-se a adotar a abreviatura JHS PP, e, mais adiante, simplesmente PP (abreviação cuja pronúncia, em Espanhol, explica o apelido Pepe).
Há muito que os copistas desapareceram, mas algumas de suas “criações” são utilizadas até hoje, como é o caso do símbolo @, que substituía a preposição latina ad (a qual, dentre outras coisas, significava “casa de”). Originalmente, nos países de língua inglesa, esse símbolo (que significa at) era inserido entre o número de unidades de determinada mercadoria e seu preço (10@£3, por exemplo, significava 10 unidades de alguma coisa, ao preço de 3 libras cada), mas, por alguma razão incerta e não sabida, os espanhóis o adotaram como unidade de peso (arroba), que corresponde a 15 quilos (aproximadamente ¼ de 1 quintal).
Em 1874, quando as máquinas começaram a ser comercializadas em sua forma definitiva, o símbolo @ foi incluído no padrão QUERTY e mantido nos teclados dos computadores atuais. Um século depois, ao criar o Correio Eletrônico, Roy Tomlinson resolveu utilizar esse símbolo para separar o nome do usuário do designativo do domínio, e a coisa continua sendo feita assim até os nossos dias.
Na maioria dos idiomas, o símbolo @ recebeu o nome de alguma coisa que remete ao seu formato: em italiano, chiocciola (caracol); em sueco, snabel (tromba de elefante); em holandês, apestaart (rabo de macaco), e por aí vai. Para nós, ele manteve a denominação original: arroba.
Abraços e até mais.
Postar um comentário