segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

ALTERNATIVAS AO WINDOWS – LINUX UBUNTU


NÃO HÁ VENTO FAVORÁVEL PARA AQUELE QUE NÃO SABE AONDE VAI.

Para concluir esta sequência, cumpre dedicar algumas linhas ao UBUNTU, que, a meu ver, é a distribuição GNU/Linux mais amigável para quem ensaia seus primeiros passos nos domínios do Pinguim.

Observação: Numa tradução livre, o termo UBUNTU significa algo como “humanidade para os outros” e designa uma filosofia africana que defende uma irmandade universal.

Mesmo sem participação no preço de capa, eu recomendaria a leitura do volume dedicado ao Linux Ubuntu na saudosa Coleção Guia Fácil Informática, mas como Robério e eu lançamos essa edição em 2007, as possibilidades de encontrar um exemplar pedido por aí são bastante remotas. Fuçando a Web atrás do dito-cujo, porém, eu encontrei uma alternativa gratuita que você pode baixar clicando aqui.
Durante o período em que eu utilizei o Ubuntu para respaldar a elaboração do nosso livrinho, chamaram-me a atenção sua praticidade, capacidade de rodar em PCs de configurações “pobres” e ampla compatibilidade com dispositivos de hardware e periféricos, além do seu excelente conjunto de aplicativos (navegador, cliente de e-mail, player de músicas e vídeos, software para organização de imagens e suíte de produtividade equivalente ao pacote MS Office). E por se tratar de um software “open source” gratuito, usuários avançados podem também estudá-lo, aprimorá-lo e redistribuí-lo sem ônus algum e dentro da mais completa legalidade.
Para baixar o arquivo de instalação diretamente do site da Comunidade Ubuntu Brasil, clique aqui – caso seu hardware suporte, escolha a versão 64-bit. Enquanto espera a conclusão do download (são 883 MB), clique em Faça um Tour online para ir se familiarizando com o novo sistema.

Observação: O resultado do download será uma imagem de disco (um arquivo único com as mesmas pastas, arquivos e propriedades do disco original), que você terá de transportar para um DVD. Caso não disponha de alguma suíte de gravação de terceiros, você poderá utilizar os recursos nativos do próprio Windows (para saber como, clique aqui). Na época da elaboração do livrinho, também era possível solicitar o envio da mídia de instalação pelo correio, mas agora, quando eu fui checar, de não ser mais gratuito (o preço atual é de £ 5,04 para uma unidade), o serviço estava temporariamente suspenso por falta de material.      

A instalação é intuitiva e dispensa intervenções – a não ser quanto à escolha do idioma, layout de teclado e outros requisitos básicos –, mas eu sugiro a você que não “queime as caravelas” logo de cara: teste primeiro o novo sistema diretamente da mídia (que não é Bombril, mas tem diversas utilidades, como veremos em outra oportunidade). Se gostar, faça uma instalação em dual boot (clique aqui para acessar um tutorial detalhado a propósito) use o Ubuntu por alguns meses e, somente quando tiver certeza de que é o certo a fazer, reparticione o disco para reaproveitar o espaço ocupado pelo velho XP.
Note o leitor que as distribuições Linux também são tidas e havidas como blindadas contra malwares, mas isso não é bem verdade. Volto a lembrar que a quantidade de usuários é um fator determinante para colocar um software na mira da bandidagem digital, e como a participação do Pinguim está em torno de 1,5% (contra quase 90% da Microsoft) a conclusão é óbvia.
A rigor, não existe sistema operacional 100% seguro. É certo que a permissão do usuário ROOT (com amplos poderes) é exigida antes de qualquer instalação ou modificação ser procedida no sistema, mas os cibercriminosos, sempre muito criativos, já encontraram meios de contornar esse obstáculo. A bola da vez é o “water hole”, que consiste em infectar um site legítimo que, por sua vez, repassará a praga para seus visitantes desprotegidos. Há também grupos que compram espaço publicitário em sites de grande acesso e colocam anúncios aparentemente legítimos, mas cujos links redirecionam os incautos para um site destinado a disseminar o malware. Aliás, a própria comunidade  Ubuntu reconhece a necessidade de manter o Pinguim protegido, como você pode conferir clicando aqui.

Um grande abraços a todos e até mais ler.
Postar um comentário