terça-feira, 19 de novembro de 2013

MICROSOFT - SISTEMAS, MOUSE, NAVEGADORES e outros que tais...

POLITICAMENTE CORRETO É PEGAR NA MERDA PELO LADO LIMPINHO.

A história do Microsoft se funde com a da computação pessoal, embora ela não tenha sido pioneira na criação de sistemas operacionais, nem inventado o microcomputador, o mouse, a interface gráfica ou os navegadores web.
Descendentes do Ábaco e contemporâneos das Pirâmides do Egito, os microcomputadores só deslancharam com o advento do transistor, do circuito impresso e do microprocessador, e o sucesso dos Apple I e II (este último já com unidade de disco flexível) estimulou a gigante IBM a entrar no jogo com um modelo de arquitetura aberta e sistema operacional encomendado à Microsoft – que Bill Gates adquiriu por uma bagatela da Seattle Computers e relançou com o nome de MS-DOS.  Como os computadores de então eram operados mediante intrincados comandos de prompt (sequências de letras e símbolos gráficos de difícil memorização), a Apple contra-atacou com a interface gráfica e o uso do mouse em seu revolucionário Macintosh, que se destacava tanto pelo hardware quando por sua sofisticada interface gráfica.

Observação: Desde a década de 70 que a XEROX vinha trabalhando numa tecnologia com interface gráfica, janelas, caixas de seleção, fontes e suporte ao uso do mouse que – mal sabia ela – seria o futuro da informática. No entanto, a empresa jamais se interessou em implementá-la em computadores pessoais, pois só tinha olhos para equipamentos de grande porte.

Poucos anos depois, a parceria IBM/Microsoft desandou, levando cada empresa a buscar suas próprias soluções para romper as limitações do DOS. A IBM fez escolhas infelizes e pagou caro por elas, ao passo que o Windows, aprimorado a cada nova edição, tornou-se o sistema operacional para PCs mais utilizado em todo o mundo; a Microsoft o epíteto de “Gigante do Software” e Mr. Gates ascendeu ao topo da lista dos homens mais ricos do planeta.
O “XY Position Indicator for a Display System” nasceu no início dos anos 1960, quando Bill Gates “ainda usava calças curtas”, e só passou a ter utilidade prática com a popularização da interface gráfica em sistemas e aplicativos. Embora tenha evoluído sobremaneira em seus 50 anos de existência, sua (vaga) semelhança com um camundongo consagrou o apelido de MOUSE (para saber mais, acesse o post Teclado x Mouse).
Já os browsers tiveram papel determinante na popularização da Internet entre os “usuários comuns”. As primeiras versões para UNIX surgiram no início dos anos 1990; o MOSAIC (1993) foi pioneiro na exibição de imagens e o NAVIGATOR (1994) fez um sucesso estrondoso entre os internautas. Bill Gates, que a princípio não via grande futuro nesse segmento de mercado, resolveu tirar o atraso com seu MS Internet Explorer, que destronou o rival (1998) e reinou sobranceiro até ser ameaçado pelo Mozilla Firefox e acabar desbancado pelo Google Chrome (2012).
Note que você pode usar um programa mensageiro baseado na Internet (como o Skype, por exemplo) sem dispor de um navegador, embora esses aplicativos sejam indispensáveis para acessar a Web (porção multimídia da Grande Rede), já que é sua função solicitar aos servidores as webpages que o internauta deseja acessar, interpretar os códigos usados na sua criação e exibir seus links, botões, textos, imagens e demais elementos com a formatação adequada.
Até algum tempo atrás, os desenvolvedores disputavam a preferência dos usuários embutindo recursos inéditos em cada nova versão de seus produtos (tais como compatibilidade com diversos idiomas, navegação por abas e sigilosa, gerenciador de downloads, suporte a uma profusão de plug-ins para adição de funções adicionais, e por aí afora). No entanto, conforme os browsers foram ficando mais parecidos, a escolha passou a ser apenas uma questão de preferência pessoal.
Note que é possível (e até recomendável) manter dois ou mais navegadores instalados no PC, embora somente um deles possa ser definido como padrão. Atualizá-los é um procedimento tão simples quanto necessário: no Chrome e no Firefox, o processo é automático; no IE, basta rodar o Windows Update e aplicar as atualizações/correções disponíveis.

Amanhã, DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA, será feriado em mais de mil cidades brasileiras. Nos estados de Alagoas, Amapá, Amazonas, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, ele foi instituído por leis estaduais; nos demais, cada município tece como lhe apetece.
Aqui em Sampa, salvo engano, devemos mais esse dia de folga à ex-prefeita Marta Suplicy, e eu resolvi respeitar, com receio de ser indiciado por crime de racismo.
Considerando que nossos ínclitos legisladores podem criar mais adiante algo igualmente útil como o Dia dos Obesos, dos Malhados, dos Analfabetos, dos Traficantes, e por aí vai, é bom a gente ir se acostumando.

Até quinta-feira, se Deus quiser.
Postar um comentário